1. Blogs
  2. Ajuspi
  3. Programa Palavra Aberta Ajuspi debate sobre sistema acusatório e paridade de armas
Publicidade

Programa Palavra Aberta Ajuspi debate sobre sistema acusatório e paridade de armas

Os advogado criminalista, Doutorando em Direito, Lucas Villa e o advogado criminalista, Presidente da ANACRIM-PI, José Antônio Cantuária, foram os convidados para o programa Palavra Aberta Ajuspi desta terça-feira (11/06/19), exibido na TV Assembleia.

Os dois debateram sobre 'Vazamento de conversas, paridade de armas e sistema acusatório', sob a mediação da jornalista Tereza Val. O tema veio à tona após a divulgação pelo site The Intercept, de supostas conversas entre o Procurador chefe da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol e o então Juiz Federal Sérgio Moro, hoje Ministro da Justiça.

Para Lucas Villa, o debate do tema é importante porque traz uma explicação clara para a sociedade sobre o que está se debatendo em nível nacional. E ponderou que as observações feitas são, tão somente, do ponto de vista jurídico.

"Uma vez confirmados verdadeiros estes diálogos entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, parece claramente demonstrada uma ausência de neutralidade do órgão julgador,ferindo o princípio da paridade de armas, ao se aproximar do órgão acusador, aconselhando o procurador a promover a denúncia que ele próprio julgaria depois. Isso fere de morte o sistema acusatório e pode anular todo o processo, claro, em sendo o juiz Sérgio Moro reconhecido como suspeito. Neste caso o Código Penal aponta que todas as decisões de um juiz suspeito são nulas e logicamente todos os atos oriundos desta decisão, conforme a teoria dos frutos da árvore envenenada", explicou Lucas Villa.

Já para Antônio Cantuária, o fato em análise está relacionado com o tema proposto pela Ajuspi. Segundo ele, é salutar que a população possa compreender mais sobre esta temática.

"O magistrado tem que ter um distanciamento das partes. A partir do momento em que ele vai julgar um processo, ele tem que se distanciar daquele caso específico, para que o órgão acusador possa produzir provas e a defesa também, todos agindo independentemente, para que nada possa interferir no julgamento", destacou Antônio Cantuária.

Os advogado criminalista, Doutorando em Direito, Lucas Villa e o advogado criminalista, Presidente da ANACRIM-PI, José Antônio Cantuária, foram os convidados para o programa Palavra Aberta Ajuspi desta terça-feira (11/06/19), exibido na TV Assembleia.

Os dois debateram sobre 'Vazamento de conversas, paridade de armas e sistema acusatório', sob a mediação da jornalista Tereza Val. O tema veio à tona após a divulgação pelo site The Intercept, de supostas conversas entre o Procurador chefe da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol e o então Juiz Federal Sérgio Moro, hoje Ministro da Justiça.

Para Lucas Villa, o debate do tema é importante porque traz uma explicação clara para a sociedade sobre o que está se debatendo em nível nacional. E ponderou que as observações feitas são, tão somente, do ponto de vista jurídico.

"Uma vez confirmados verdadeiros estes diálogos entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, parece claramente demonstrada uma ausência de neutralidade do órgão julgador,ferindo o princípio da paridade de armas, ao se aproximar do órgão acusador, aconselhando o procurador a promover a denúncia que ele próprio julgaria depois. Isso fere de morte o sistema acusatório e pode anular todo o processo, claro, em sendo o juiz Sérgio Moro reconhecido como suspeito. Neste caso o Código Penal aponta que todas as decisões de um juiz suspeito são nulas e logicamente todos os atos oriundos desta decisão, conforme a teoria dos frutos da árvore envenenada", explicou Lucas Villa.

Já para Antônio Cantuária, o fato em análise está relacionado com o tema proposto pela Ajuspi. Segundo ele, é salutar que a população possa compreender mais sobre esta temática.

"O magistrado tem que ter um distanciamento das partes. A partir do momento em que ele vai julgar um processo, ele tem que se distanciar daquele caso específico, para que o órgão acusador possa produzir provas e a defesa também, todos agindo independentemente, para que nada possa interferir no julgamento", destacou Antônio Cantuária.

Especialistas debatem sobre redução da alíquota do ICMS na conta de energia Ajuspi participa da primeira reunião do Conselho Municipal de Defesa do Consunidor

Mais lidas desse blog