1. Blogs
  2. Café com Informação
  3. Regina fala em cenário “complicado” sem Lula e ainda não se coloca como vice-governadora
Publicidade

Regina fala em cenário “complicado” sem Lula e ainda não se coloca como vice-governadora

A poucos dias para o encerramento das convenções partidárias; dia 05 de agosto é o prazo final. Até lá muita coisa pode acontecer e o Café com Informação trouxe a senadora Regina Sousa (PT-PI) para conversar sobre sua situação na chapa comandada pelo correligionário e governador do Estado, Wellington Dias.

Senadora Regina Sousa no Café com Informação dessa semana (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)

O jogo de cadeiras promovido por Dias acabou beneficiando Regina. Ela defendia o direito de ir em busca da reeleição à Câmara Alta do Congresso, mas acabou sendo contemplada com a vice-governadoria. “O governador já falou em meu nome várias vezes, mas estamos aguardando a apresentações oficiais, nós temos até o dia 5 para essa homologação”, disfarçou a senadora.

Senado

Em relação a sua atuação no Senado, Regina Sousa considera positiva, já que, segundo ela, deu prioridade a três pautas: Direitos Humanos, Meio Ambiente e Educação. A congressista também foi eleita presidente da Comissão de Direitos Humanos no ano passado.

“Nessa comissão nos debatemos temas recorrentes, é uma pauta tão intensa e tão ignorada pelas pessoas. Tem um público muito grande que busca a visibilidade, por exemplo, os índios. É uma situação de fazer pena, pois não é resolvida a questão indígena no Brasil”, explica.

Encontro com a presidente do TSF

A senadora teve recentemente em audiência com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármem Lúcia. No encontro ela solicitou que a magistrada colocasse em pauta os embargos declaratórios da Ordem dos Advogados do Brasil sobre a Lei da Anistia.

“Ela prometeu que antes de sair ela vai colocar em votação, porque as questões das mortes e da ditadura estão em aberto. Os crimes não podem ser anistiados, há que se reabrir a comissão da verdade. Esse é o desejo das famílias dos desaparecidos da Ditadura e de todos que defendem direitos humanos. É um pedaço da história do Brasil que deve ser recontada", comentou.

Sobre a possibilidade das eleições acontecerem sem a candidatura do ex-presidente Lula, a parlamentar afirma que o cenário fica bastante complicado.

Arimatéia Azevedo entrevista Regina Sousa no Café com Informação dessa semana

“O Lula lidera a maioria das pesquisas para presidente. Até mesmo em São Paulo onde o PT nunca ganhou uma eleição ele aparece à frente. Quanto mais ações fazem contra ele mais crescer o nome nas pesquisas, então é melhor deixar o povo decidir. Mas nós vamos insistir e dia 15 vamos registrar a candidatura dele”, conta.

Em relação ao preconceito e rejeição que ela vem sofrendo desde que assumiu a vaga do Senado, Regina Sousa afirma que consegue driblar os comentários maldosos. 

“Preconceito eu vivi toda a minha vida e como costumo dizer estou calejada com isso, é claro que machuca. Mas vamos analisar como as pessoas contestam minha competência, quem tem melhor história? Quem tem a vida limpa? Porque não contestar a competência dos outros também? Eu sei da minha competência, fui Secretaria de Administração muitos anos, perguntem, façam uma pesquisa, assistam TV Senado e vejam meus projetos de lei. Eu não sou analfabeta, eu estudo muito. Quando eu vou fazer um discurso eu leio tudo antes”, critica.

E o polêmico vídeo que circula nas redes sociais onde aparece a senadora do PT defendendo aborto para evitar que bebês nasçam com sinusite e rinite ela afirma com todo convicção que “é falso, foi feita uma montagem. No entanto vários médicos, no dia seguinte, vieram me defender explicando que crianças podem sim nascer com rinite e sinusite se as mães trabalharem em lugar insalubre”.
 
Em relação às eleições a parlamentar afirmou que sofre também um certo preconceito da classe política.

“Critiquem a chapa pura e não a mim. Eu estava me preparando para concorrer ao Senado quando surgiu essa possibilidade de vice. Se eu estou sendo chamada para um missão e se confirmar eu vou. Irei assumir a missão que foi dada. Espero que as pessoas saibam votar, que acompanhem seus deputados, senadores, vejam o que eles realmente estão fazendo pelo povo.”, conclui.

Assista abaixo ao programa na íntegra:

Luccy Keiko: “O indulto estimula a impunidade. Sou contra as saídas temporárias” Rompendo barreiras, Drag Queen transforma a vida de crianças com câncer

Mais lidas desse blog