1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Os verdadeiros culpados
Publicidade

Os verdadeiros culpados

Assistindo agora há pouco uma "live" do jornalista Arimateia Azevedo no seu canal na internet, Arimateia bate em uma tecla que há muito incomoda a sociedade piauiense. 

O titular do Portal AZ, com a percuciência adquirida em décadas de jornalismo, está nessa "live" a levantar uma bola por demais pertinente, isto é, essa dinheirama que levam da rede bancaria - aqui no Piauí, os assaltantes, preferencialmente, só estouram as agências de bancos oficiais, CEF, BNB, BB, por que será?- essas quantias nunca são reveladas, ficando a impressão para a sociedade sobre os descaminhos que possam estar ocorrendo desses milhões de reais roubados da rede bancária. 

Não faz muito tempo e as imagens das TVs mostraram à exaustão, policiais militares saindo da agência do Banco do Nordeste próxima ao balão do São Cristóvão, após uma tentativa frustada de um assalto- com caixas cheias de reais, que foram levadas para um Batalhão da Polícia Militar da Capital.

Atitude esquisitíssima essa dos policiais militares que saíram de dentro da agência do BNB, com essa dinheirama, já que a atitude correta seria os mesmos terem comunicado o fato aos seus superiores hierárquicos e à perícia da Polícia Civil para que os procedimentos periciais devidos fossem realizados. 

Agora, mais uma vez as suspeitas voltam a rondar o sistema de segurança estadual, após o assalto às agências do BB e da CEF da cidade de Campo Maior, sobre o montante de reais que foram levados pelos assaltantes e a quantidade desse montante apresentado à imprensa.

Os bancos oficiais, no nosso entendimento, são os responsáveis diretos para que essas suspeitas continuem a perpassar o imaginário popular, pois, em nenhum desses eventos, as gerências dessas respectivas agências bancárias, revelaram à patuleia, os valores exatos do dinheiro roubado em cada um desses assaltos.

Se essa omissão das gerências bancárias em revelar o montante roubado é uma determinação das diretorias dessas instituições financeiras ou mesmo do Banco Central do Brasil não faz o menor sentido, visto que, essa determinação acaba por enodoar as instituições encarregadas do enfrentamento direto a ser feito contra o crime organizado. 

É isso.   

Assistindo agora há pouco uma "live" do jornalista Arimateia Azevedo no seu canal na internet, Arimateia bate em uma tecla que há muito incomoda a sociedade piauiense. 

O titular do Portal AZ, com a percuciência adquirida em décadas de jornalismo, está nessa "live" a levantar uma bola por demais pertinente, isto é, essa dinheirama que levam da rede bancaria - aqui no Piauí, os assaltantes, preferencialmente, só estouram as agências de bancos oficiais, CEF, BNB, BB, por que será?- essas quantias nunca são reveladas, ficando a impressão para a sociedade sobre os descaminhos que possam estar ocorrendo desses milhões de reais roubados da rede bancária. 

Não faz muito tempo e as imagens das TVs mostraram à exaustão, policiais militares saindo da agência do Banco do Nordeste próxima ao balão do São Cristóvão, após uma tentativa frustada de um assalto- com caixas cheias de reais, que foram levadas para um Batalhão da Polícia Militar da Capital.

Atitude esquisitíssima essa dos policiais militares que saíram de dentro da agência do BNB, com essa dinheirama, já que a atitude correta seria os mesmos terem comunicado o fato aos seus superiores hierárquicos e à perícia da Polícia Civil para que os procedimentos periciais devidos fossem realizados. 

Agora, mais uma vez as suspeitas voltam a rondar o sistema de segurança estadual, após o assalto às agências do BB e da CEF da cidade de Campo Maior, sobre o montante de reais que foram levados pelos assaltantes e a quantidade desse montante apresentado à imprensa.

Os bancos oficiais, no nosso entendimento, são os responsáveis diretos para que essas suspeitas continuem a perpassar o imaginário popular, pois, em nenhum desses eventos, as gerências dessas respectivas agências bancárias, revelaram à patuleia, os valores exatos do dinheiro roubado em cada um desses assaltos.

Se essa omissão das gerências bancárias em revelar o montante roubado é uma determinação das diretorias dessas instituições financeiras ou mesmo do Banco Central do Brasil não faz o menor sentido, visto que, essa determinação acaba por enodoar as instituições encarregadas do enfrentamento direto a ser feito contra o crime organizado. 

É isso.   

Extrema pobreza, extrema Inacreditável

Mais lidas desse blog