1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Três governadores em apuros
Publicidade

Três governadores em apuros

Com a prisão pela Força Tarefa Lava Jato do dono do Grupo Petrópolis Walter Fatia, fabricante da cerveja Itaipava na segunda-feira última, o Estado do Piauí, tornou-se participe desse imbroglio. 

Data do governo Wilson Martins, a concessão de benefícios fiscais, isto é , isenção - do caríssimo ICMS cobrado da população- por 15 anos ao Grupo Petrópolis para comercializar em todo o Estado do Piauí a cerveja que fabrica. 

Nos nove meses da administração do governador Zé Filho, a concessão da isenção do ICMS foi ratificada, cabendo a atual administração do governador Wellington Dias, dar tratos à bola em definitivo. 

Quem poderia mensurar, quantos milhões de reais já deixaram de ser recolhidos aos cofres públicos estaduais pelo Grupo Petrópolis até aqui? 

Em nota enviada ao jornalista Arimatéia Azevedo do Portal Az, o primeiro concedente da milionária isenção ao Grupo Petrópolis, ex-governador Wilson Martins, pontifica:

“É possível sim, que eles tenham recebido alguma isenção em nosso governo, pois àquela época vivíamos em intensa guerra fiscal entre os Estados, sobretudo no Nordeste Brasileiro. No Piauí, os incentivos obedeciam a um protocolo com regras e metodologias específicas”. 

Daí para frente , as palavras do ex-governador Wilson , se aproximam da promiscuidade: 

“Dei , mas quem levou foi ele, Wellington Dias” . Continua Wilson Martins: “Se a referida empresa recebeu benefício de incentivo, foi estritamente dentro das normas e sem qualquer tratamento diferenciado. Acho exagerados 90%, disse Wilson Martins. 

“Nunca os recebi (Walter Faria) e muito menos o conheço”. É duro acreditar. 

Wilson Martins diz ainda que, também foi candidato em 2014 e não recebeu um tostão do Grupo Petrópolis. 

Em sendo assim, Wilson Martins está simplesmente a confessar com todas as letras, que praticou um verdadeiro crime contra as finanças estaduais, mas o beneficiado com a “doação” do Grupo Petrópolis no montante de R$ 1,9 milhão, foi o governador Wellington Dias. 

Em nome de um mínimo de decência que ainda possa existir neste Estado, a sociedade exige a revogação de imediato dessa suspeita isenção de ICMS, ao Grupo Petrópolis.


P .S

Ao solicitar a isenção de ICMS por 15 anos ao Estado do Piauí, o Grupo Petrópolis prometeu construir uma fábrica de cerveja no Estado Piauí. Instalou-a em Bacabal, no Estado do Maranhão. Cano duplo.
 

Com a prisão pela Força Tarefa Lava Jato do dono do Grupo Petrópolis Walter Fatia, fabricante da cerveja Itaipava na segunda-feira última, o Estado do Piauí, tornou-se participe desse imbroglio. 

Data do governo Wilson Martins, a concessão de benefícios fiscais, isto é , isenção - do caríssimo ICMS cobrado da população- por 15 anos ao Grupo Petrópolis para comercializar em todo o Estado do Piauí a cerveja que fabrica. 

Nos nove meses da administração do governador Zé Filho, a concessão da isenção do ICMS foi ratificada, cabendo a atual administração do governador Wellington Dias, dar tratos à bola em definitivo. 

Quem poderia mensurar, quantos milhões de reais já deixaram de ser recolhidos aos cofres públicos estaduais pelo Grupo Petrópolis até aqui? 

Em nota enviada ao jornalista Arimatéia Azevedo do Portal Az, o primeiro concedente da milionária isenção ao Grupo Petrópolis, ex-governador Wilson Martins, pontifica:

“É possível sim, que eles tenham recebido alguma isenção em nosso governo, pois àquela época vivíamos em intensa guerra fiscal entre os Estados, sobretudo no Nordeste Brasileiro. No Piauí, os incentivos obedeciam a um protocolo com regras e metodologias específicas”. 

Daí para frente , as palavras do ex-governador Wilson , se aproximam da promiscuidade: 

“Dei , mas quem levou foi ele, Wellington Dias” . Continua Wilson Martins: “Se a referida empresa recebeu benefício de incentivo, foi estritamente dentro das normas e sem qualquer tratamento diferenciado. Acho exagerados 90%, disse Wilson Martins. 

“Nunca os recebi (Walter Faria) e muito menos o conheço”. É duro acreditar. 

Wilson Martins diz ainda que, também foi candidato em 2014 e não recebeu um tostão do Grupo Petrópolis. 

Em sendo assim, Wilson Martins está simplesmente a confessar com todas as letras, que praticou um verdadeiro crime contra as finanças estaduais, mas o beneficiado com a “doação” do Grupo Petrópolis no montante de R$ 1,9 milhão, foi o governador Wellington Dias. 

Em nome de um mínimo de decência que ainda possa existir neste Estado, a sociedade exige a revogação de imediato dessa suspeita isenção de ICMS, ao Grupo Petrópolis.


P .S

Ao solicitar a isenção de ICMS por 15 anos ao Estado do Piauí, o Grupo Petrópolis prometeu construir uma fábrica de cerveja no Estado Piauí. Instalou-a em Bacabal, no Estado do Maranhão. Cano duplo.
 

Barafunda Expansão das milícias

Mais lidas desse blog