1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Questão de sobrevivência
Publicidade

Questão de sobrevivência

A classe política piauiense composta de três senadores da República, dez deputados federais, trinta deputados estaduais - os contribuintes estaduais pagam 45- vinte e nove vereadores da capital - os contribuintes do município pagam quase quarenta- além dos mais de duzentos prefeitos e milhares de vereadores Piauí afora, como irão sobreviver politicamente,  já que essa gente não apoiou nem de forma velada ou, pelo menos pediu um voto sequer para o deputado federal Jair Bolsonaro, eleito presidente do Brasil no último domingo?

Será um espetáculo, até certo ponto grotesco, ver, ouvir e assistir, políticos com ou sem mandatos, passarem à exaltar os predicados morais e a  seriedade do presidente eleito, políticos estes, que os desdenhavam tachando-o de topo tipo de adjetivação desqualificadora, escarnecendo a figura de um brasileiro, que no pleno exercício de sua cidadania, pleiteava disputar a presidência da República.

Jair Bolsonaro militou por quase todo o tempo que exerceu os seus respectivos mandatos parlamentares, começando como vereador na cidade do Rio de Janeiro e depois como deputado federal,  pelo PP -Partido Popular,  hoje Progressistas, mas quando manifestou a intenção de concorrer à presidência da República, criou um clima  incompatível com as pretensões da direção nacional  dos Progressistas, que à época o consideraram como um lunático.

Ilustrando essa percepção que tinham de Bolsonaro,  basta dizer que há pouco mais de um ano, sendo mais preciso, em 5 de abril de 2017-  segundo o jornalista e apresentador de TV,  Pedro Alcântara-   o deputado Federal Jair Bolsonaro esteve em Teresina se oferecendo para ser entrevistado nas emissoras locais e somente a TV Antena 10, lhe concedeu espaço, no seu programa da tarde, conduzido pelo apresentador Tony Trindade, o Bancada Piauí.

Pedro Alcântara disse ainda na segunda-feira no seu "Conversa Franca"  que um repórter de uma televisão local  gravou um entrevista com Jair Bolsonaro, e que  a entrevista não foi ao ar e o referido repórter, por ter cometido tamanha imprudência,  foi demitido pela emissora de TV.

Todo esse pequeno arrazoado tem a finalidade apenas de reavivar na memória de todos nós, como a hipocrisia humana é verdadeiramente sem limites.

É isso.

Bolsonaro e o Nordeste Sucessão de Firmino já está nas ruas

Mais lidas desse blog