1. Colunas
  2. Cine Vício
  3. Filme mostra início do Planet Hemp
Publicidade

Filme mostra início do Planet Hemp

Legalize Já (Bra, 2018, exibido em Teresina) é uma das coisas mais legais do ano e apenas seis pessoas, inclusive esse escriba, estavam presentes para assistir ao rap rock psicodelia hardcore ragga da banda Planet Hemp (formada por d2 e B Negão nos vocais, Rafael na guitarra, Formigão no baixo e Bacalhau na bateria), uma das mais expressivas dos anos 90.

Foto: reprodução internet

Ela lutou pela legalização da canabis e além disso, ofereceu um som virulento que junto com Raimundos, Rappa e Nação Zumbi deu nova cara ao rock produzido no nosso país. Enquanto nos anos 80, o rock era mais puro, nos 90 houve uma mistura geral. Hemp por exemplo envolvia rock, rap e até samba.

Escrito pelo vocalista Marcelo D2, o filme narra sua amizade com Skunk, grande ideólogo da banda que morreu pouco antes dela dominar o país, o cantor morreu vítima da AIDS, o que é mostrado de forma bem decente.

Fora isso,  tá tudo ali: cenas que já estão no imaginário de quem gosta do Hemp: ao ver as letras, o mecenas do grupo, Brennand, falou a frase clássica - " Essa vai pegar, vai pegar, uns dois anos de cadeia". kkkkkkkkkkkkk. filme correto com perfeita execução de clássicos: Porcos Fardados, Seus Amigos e A Culpa é de Quem e cinema puro ao narrar o triste fim de Skunk.

Filmado em P E B e cores, o filme é uma grata surpresa, só falta gente para admirá-lo. Nos papéis principais, dois nomes que vão dar o que falar: Renato Goes e Icaro Silva. Vale a pena!

Legalize Já (Bra, 2018, exibido em Teresina) é uma das coisas mais legais do ano e apenas seis pessoas, inclusive esse escriba, estavam presentes para assistir ao rap rock psicodelia hardcore ragga da banda Planet Hemp (formada por d2 e B Negão nos vocais, Rafael na guitarra, Formigão no baixo e Bacalhau na bateria), uma das mais expressivas dos anos 90.

Foto: reprodução internet

Ela lutou pela legalização da canabis e além disso, ofereceu um som virulento que junto com Raimundos, Rappa e Nação Zumbi deu nova cara ao rock produzido no nosso país. Enquanto nos anos 80, o rock era mais puro, nos 90 houve uma mistura geral. Hemp por exemplo envolvia rock, rap e até samba.

Escrito pelo vocalista Marcelo D2, o filme narra sua amizade com Skunk, grande ideólogo da banda que morreu pouco antes dela dominar o país, o cantor morreu vítima da AIDS, o que é mostrado de forma bem decente.

Fora isso,  tá tudo ali: cenas que já estão no imaginário de quem gosta do Hemp: ao ver as letras, o mecenas do grupo, Brennand, falou a frase clássica - " Essa vai pegar, vai pegar, uns dois anos de cadeia". kkkkkkkkkkkkk. filme correto com perfeita execução de clássicos: Porcos Fardados, Seus Amigos e A Culpa é de Quem e cinema puro ao narrar o triste fim de Skunk.

Filmado em P E B e cores, o filme é uma grata surpresa, só falta gente para admirá-lo. Nos papéis principais, dois nomes que vão dar o que falar: Renato Goes e Icaro Silva. Vale a pena!

Fênix é despedida melancólica da saga X-men Análise sobre Sepultura Endurance

Mais lidas desse blog