1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Um retrato de domingo
Publicidade

Um retrato de domingo

Se confirmados os resultados das pesquisas eleitorais neste domingo, o Piauí vai escolher pela quarta vez o ex-sindicalista Wellington Dias (PT) para seu governador – embora em eleição sempre se deva considerar o imponderável, com chance de haver um segundo turno. As pesquisas indicam ainda que para o Senado o voto do piauiense reconduzirá para mais oito anos de mandato o atual senador Ciro Nogueira (Progressistas) e dará outra cadeira a Wilson Martins (PSB), que viu escapar o mandato senatorial quatro anos atrás para Elmano Férrer (Podemos), que nesta eleição resolveu ser candidato a governador, talvez porque não tenha medo de passar pelo vexame de ver-se derrotado de modo acachapante. As bancadas federal e estadual devem ser majoritariamente favoráveis à aliança governista, que colherá aqui maioria do voto presidencial. É neste ponto que se poderá ter uma interseção, para dizer o mínimo, da aliança governista estadual. Isso porque a indicação de segundo turno para presidente, deve empurrar parte dos eleitos e muitos derrotados para o palanque do candidato antissistema Jair Bolsonaro (PSL), que no Piauí já conta pelo menos com apoio de um deputado da aliança governista, Júlio César, que faz parte da bancada ruralista, já acomodada na nau bolsonariana. Significa que o segundo turno no Piauí será outra eleição mesmo, com políticos aliados e adversários do PT no primeiro turno se agrupando no palanque do ex-capitão.


Jair Bolsonaro deve dividir a política do Piauí em eventual segundo turno (Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados)

Dinheiro de voto? 

Policiais rodoviários federais encontraram R$ 100 mil, em notas variadas, dentro de um táxi, na BR-343, no final da tarde de ontem. 
O dinheiro, suspeita-se, seria entregue para cabos eleitorais em Piripiri. O passageiro do táxi, cujo nome nao foi revelado disse que o dinheiro seria fruto de transações comerciais. 

Dono da grana 

Hoje, seguramente, muitos advogados comparecerão à sede da Polícia Federal para fazer a defesa do passageiro do táxi e certamente recuperar o dinheiro. 
Na hora da apreensão do "bagulho” o passageiro conversava ao telefone com alguém que a polícia desconfia seja um candidato, portanto, o verdadeiro dono da grana.

Pule de 10

Quase todos os apostadores e palpiteiros dão como certa a reeleição de Rejane Dias (PT) como a mais votada entre os deputados federais do Piauí. Outro nome que frequenta todas as listas de eleitos é o do veterano deputado Paes Landim (PTB).

Surpresas

Nomes apontados como surpresas nestas eleições. Major Elizete e Dra. Marina, como fortes candidatas à Câmara dos Deputados. Para deputado estadual, Oliveira Neto, um jovem de 23 anos, é apontado como uma surpresa.

8 a 2

A aliança governista diz que vai fazer oito deputados federais, numa bancada de 10, o que deixaria os partidos opositores com apenas duas vagas. A oposição vê otimismo demais do lado de lá e aposta em no mínimo três.

1 a 1

Na disputa pelo Senado, a aliança governista tenta manter a aparência de que as duas vagas estão garantidas para Ciro Nogueira (Progressistas) e Marcelo Castro (MDB), mas não há quem queira apostar um tostão de mel coado contra a eleição de Wilson Martins (PSB).

Única certeza

Dos 30 deputados estaduais eleitos em 2014, cinco não concorrem à reeleição neste domingo: Dr. Pessoa, Edson Ferreira, Juliana Falcão, Luciano Nunes e Robert Rios. São eles a única certeza sobre a eleição para a Assembleia Legislativa.

Sete

Há quem aponte na possibilidade de serem sete os atuais deputados estaduais não reeleitos neste ano. Isso faria com que a próxima legislatura tivesse 12 rostos novos no plenário da Assembleia – alguns nem tão novos assim.

Câmara

Na eleição para a Câmara dos Deputados, dois nomes estão fora da reeleição (Marcelo Castro e Rodrigo Martins), mas um terceiro pode ser derrotado na disputa. Isso levaria a que houvesse três caras novas na bancada federal piauiense.

Meio século

A possibilidade de reeleição bastante consolidada de Ciro Nogueira (Progressistas) pode fazer dele o terceiro senador do Piauí reeleito em 50 anos. Os dois outros foram Hugo Napoleão e Petrônio Portella, morto quando exercia o segundo mandato, em 1980.

Bem na foto

Se ampliação do número de seguidores obtidos de modo orgânico em redes sociais durante a campanha eleitoral for uma medida aceitável de projetar êxito eleitoral, Ciro Nogueira (Progressistas) é o candidato que aparece melhor na foto entre os que disputam o Senado no Piauí.

Mal na foto

O mesmo não se poderá dizer de Marcelo Castro. Suas redes sociais foram as que menos cresceram e tiveram interatividade.

Tesoura

Pouca gente atentou para uma declaração feita por Ciro Nogueira em várias entrevistas: passada a eleição, vai sugerir que Wellington Dias passe uma tesoura nas gorduras que excedem em seu governo. Neste caso será preciso bem mais que uma tesoura. Tem que ser bisturi elétrico para uma mega lipoaspiração.

Ping-Pong

O cobrador

Década de 70. O telefone toca na redação do O Estado, na rua Álvaro Mendes. Pires de Sabóia, recém-chegado de Fortaleza, manda dizer que não está. Montegomery Hollanda (outro cearense), era o editor-chefe do jornal e foi quem atendeu ao telefone. Do outro lado da linha a pessoa procurava por Francisco Pires de Sabóia.
Montegomery: “Por que você não atendeu?”
Pires (sarcástico): “Porque estando aqui somente há três meses e a pessoa já sabendo meu nome completo, só pode ser o cobrador das Casas Pernambucanas”.

Expressas 

Alunos de um conhecido e caro colégio de Teresina votaram em massa em Bolsonaro em eleição simulada para presidente.

Meirelles sai da eleição como o candidato derrotado mais respeitado da história do Brasil.

João Amoedo sai derrotado, mas com uma carreira política que promete. Seu partido, o Novo, também sairá forte.

Um passo atrás Um panorama confuso

Mais lidas desse blog


Publicidade