1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. O discurso e a prática
Publicidade

O discurso e a prática

Nas sucessivas entrevistas que concedeu após a vitória para o exercício do quarto mandato, o governador Wellington Dias disse que fará um ‘governo diferente’. Alinhava pontos, como mudança radical na equipe e corte de cargos, enfim, fala em enxugar a máquina. O governador, de fato, precisa acreditar nas suas próprias palavras e cumpri-las com rigor para evitar que repita um governo desastroso, envolto em casos nada republicanos, como os mais recentes, que resultaram em investigações do Ministério Público, Polícia Federal e de órgãos da polícia civil, com suspeitas de rapinagem em verbas da Educação, Meio Ambiente e em várias Coordenações, criadas para praticarem ações superpostas às já executadas por órgãos da gestão, com o fim eminentemente eleitoreiro. O ‘novo’ mandato, que se imagina seja o último de gestor do Estado, pode ser, sim, bem diferente, mas, para isto, o chefe do governo tem que cortar a fundo os cargos e estruturas administrativas, especialmente deixando de trocá-los por amplo apoio partidário. Além de reduzir drasticamente os órgãos gestores, é necessário também manter uma relação saudável com o Poder Legislativo, desde que não seja na base da conjugação da oração ‘toma-lá-dá-cá. Se realmente  fizer isso, Wellington Dias terá assegurado um lugar na história entre aqueles que pensaram de fato o Piauí, e não será mais um dos que usaram o poder apenas e tão-somente em benefício próprio e de grupos. A sua reeleição chega a ser desafiadora, e traz marcas inimagináveis, pois, nunca em seus mandatos anteriores, Wellington passou vexames e hostilidades, ouvindo impropérios desonrosos de pessoas que, certamente, foram eleitoras suas, antes, e que se mostraram revoltadas com o que viram, o que aconteceu até mesmo na hora de o governador votar. Ele fala em nova conjuntura, e, como tal, terá que ser realmente diferente. Mas não pode ficar apenas no discurso.

Reeleito, Flávio Dino varreu a família Sarney da política maranhense. Deixou até o Zequinha sem cargo (Foto: Gilson Teixeira/ Secap)

O tsunami Bolsonaro

Além de vencer o primeiro turno da eleição para presidente Bolsonaro fez outros estragos. Dos 32 senadores que tentaram a reeleição  24 foram derrotados. 
Figuras "ilustres " como o presidente do senado Eunício Oliveira, o líder de todos os governos Romero Juca, a chamada ‘Maria louca’ Requião, Lindbergh Faria, Vanessa Graziotin, Eduardo Suplicy, Cunha Lima e outros menos notados, foram atropelados pelas urnas.  

Na Câmara

Pelo tufão Bolsonaro, o PSL fez mais de 50 deputados federais e quatro senadores desalojando velhas raposas e seus descendentes ilustres. 
É a segunda bancada na Câmara, depois do PT.

Triste fim

Pela força de Flávio Dino a família Sarney foi especialmente premiada: Roseana, governadora e o irmão, Zequinha,  candidato ao Senado, morreram abraçados.
Pela primeira vez nos últimos 40 anos os Sarney ficarão sem contra cheques pagos pelo contribuinte.

Programas 

Wellington está falando em novos programas para a próxima gestão. 
Deve entrar até o  ‘Anjo da guarda’. 

Olha aí...

A deputada federal reeleita e ex-secretária de educação do Estado Rejane Dias anda dizendo que ainda avalia se volta ao comando da pasta no novo governo de Wellington Dias.
Rejane adotou o discurso de que “é uma soldada a serviço do Estado”.

Mudança1

Já circula a informação de que Fábio Abreu não volta ao comando da Secretaria de Segurança Pública. 
Para o comando da segurança pública do Estado já está sendo apontado o ex-comandante geral da PM e deputado estadual eleito, Coronel Carlos Augusto (PR).
A segurança pública vai continuar sendo moeda de troca. 

Mudança 2

A coronel Júlia Beatriz é apontada como a próxima comandante-Geral da Polícia Militar. 
O apoio à reeleição de Fábio Abreu teria sido o passaporte para o cargo.

Acordo feito

Firmino Filho entregou o que prometeu a Ciro Nogueira. E parece que foi mais generoso com Marcelo Castro. 
Na capital, o senador teve 130.406 votos, atrás de Marcelo Castro, com 139.714 votos. 

Rios, o terceiro

Resta saber se o compromisso do prefeito com Robert Rios fechou direitinho, porque Rios teve 100.924, portanto, o terceiro, pela ordem de bondades.
Wilson Martins que não tinha o apoio do chefe municipal, teve 99.994 votos.

Terra ingrata

Em Pedro II, terra de sua família, o senador Ciro foi o segundo colocado. Teve 10,2 mil votos contra 11,7 mil de Marcelo Castro.

Terra ingrata 2

Robert Rios perdeu para dois candidatos na terra de sua família, Piracuruca. Lá, Ciro Nogueira teve 8,2 mil votos, Wilson Martins 7 mil. Robert teve 6,1 mil. 
Marcelo Castro, eleito senador, ficou com 3,4 mil votos na terra dos Irmãos Dantas.

Terra gentil

Frank Aguiar ganhou pelo menos em sua terra natal Itainópolis, onde ficou com 4,1 mil votos. Marcelo Castro ganhou em sua terra natal, São Raimundo Nonato, com 11,3 mil votos. Wilson Martins também venceu em sua terra natal. Teve lá 2,4 mil votos.  

Campanha

Wellington Dias viaja hoje para participar da primeira reunião de campanha de Fernando Haddad no segundo turno. 

Verdadeiro valor

Presidente Regional do PR, o deputado estadual reeleito, Fábio Xavier fez um desabafo em relação à postura do senador Elmano Férrer (POD), candidato de oposição a Wellington Dias (PT).
“É um homem ingrato, ele não teve a menor atenção que o governador Wellington Dias teve com ele em 2014, eu via que o governador quem fez a campanha dele”.

Recordes

Georgiano Neto foi deputado estadual mais bem votado de toda a história da Assembleia Legislativa do Piauí, com 79.723 votos.
Em 2014 Georgiano Neto foi eleito deputado estadual com 21 anos de idade, o parlamentar mais jovem do Brasil. Ele é filho do deputado federal reeleito Júlio César.

Ping-Pong 

Chutou o balde 

Charles do Murici encontra o professor Apurian no Café São Braz.
Charles: “Eu to vendo o Yeldson Vasconcelos muito animado nas redes sociais com o resultado das eleições...”
Apurian: “Ele tá alegre porque o Fábio Abreu ganhou ou porque o Silas perdeu?”
Charles: “Rapaz, agora, tu chutou o balde”.

Expressas

Em novembro serão feitos sete fóruns pelos segmentos de artes visuais,  patrimônio cultural, dança, áudio visual, literatura, música, teatro e circo, em Teresina. 

O Samu vai realizar os exames laboratoriais de todos os servidores municipais, entre os dias 08 e 18 de outubro de 2018. 

A próxima fase de implantação do eSocial iniciará amanhã para empresas com faturamento anual inferior a R$ 78 milhões.

Um passo atrás Furacão bate a velha política

Mais lidas desse blog


Publicidade