1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. A cereja do bolo fiscal
Publicidade

A cereja do bolo fiscal

Em reportagem publicada ontem, com base em relatório do Tesouro Nacional, o jornal O Estado de São Paulo indica que 16 das 27 unidades da Federação estão gastando muito mais que o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal para despesas com pessoal. No que se pode chamar de “top 10” negativo, o Piauí é o sétimo Estado em mau desempenho fiscal, tendo despendido 68% de suas receitas correntes líquidas com pessoal no ano passado. O eleitor de três desses dez Estados insolventes (RN, RJ, MG, RS, DF, MT e AC) não reelegeu os governadores ou escolheu candidatos “outsiders” para governá-los. Mas escaparam da degola, mesmo com gestões fiscais agora percebidas ruinosas, os governadores do Piauí, Wellington Dias (PT), do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) e do Tocantins, Mauro Carlesse, do PHC. No caso de Carlesse, pode-se até isentá-lo do desastre, porque ele assumiu o mandato na metade deste ano e, portanto, não tem responsabilidade sobre a lambança fiscal em que está metido o Tocantins ao gastar 66% de suas receitas líquidas com pessoal. Não se pode dizer o mesmo dos governadores Wellington e Azambuja. O do Piauí administra um Estado que em 2017 torrou 68% das receitas pagando salários, enquanto o sul-mato grosssense vai além, com gastos que chegam a 77% das receitas com a folha salarial. Como a realidade sul-mato grossense é distante da piauiense, resta perceber que o governador do Piauí obteve um segundo mandato com uma bela cortina de fumaça, escondendo uma realidade fiscal que se agora percebe catastrófica, para dizer o mínimo, admitida sem meias palavras pelo secretário Rafael Fonteles (Fazenda), ao dizer da possibilidade de atraso de salários. Seria a cereja desse bolo que sua excelência está servindo após sua reeleição em primeiro turno.

Átila Lira um dos três Constituintes piauienses com mandato, participa dos 30 anos da CF-88 (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

A crise

Voltou a faltar combustíveis para as viaturas policiais no Piauí. A informação está nos grupos de WhatsApp dos delegados da Polícia Civil.

O cesto tá certo

Ontem, leitores da coluna espalhados pelo mundo inteiro – até do Japão e Nova Zelândia – procuraram saber se o colunista não havia errado ao escrever a palavra cesto, na legenda da foto da médica Adriana Souza, quando ela faz aquele gesto bolsonarista dos dedos atirando. 
A palavra está certa. Cesto significa, como se diz entre os nordestinos, um ‘hábito feio’, ou uma mania feia. 
Um bisturi na mão dela estaria mais adequado, pois salva vidas.

Hábito

O uso do cachimbo é que põe a boca torta.

Vai para onde?

Por não atingir a cláusula de barreira o futuro do  PHS está indefinido. Enquanto o presidente da sigla, Tiago Vasconcelos conversa com o Podemos, a vereadora Cida Santiago quer ir mesmo é para o PR.
Santiago já não esconde a possibilidade de abandonar a sigla humanista.

No PSL

O major Diego Melo, filiado ao PROS, partido aliado ao PT, nunca escondeu ser um bolsonarista,  tanto assim que está em Brasília tratando de mudar-se para o PSL.

Amarante

Francisco Assis, deputado português no Parlamento Europeu, ex-prefeito de Amarante, Portugal, ao saber que existe a cidade de Amarante no Piauí ficou interessado em ajudar numa aproximação entre as duas cidades. 
Então, cabe à prefeitura da cidade piauiense mostrar interesse e contactar o deputado, pelo site do Parlamento europeu. 
De repente, pode ocorrer programa de cooperação. No que será muito bom para a cidade da terra do papagaio.

Boa ideia

Essa é uma ideia que pode ser aplicada ainda às cidades de Oeiras, Campo Maior, Batalha, Valença, Castelo, São Gonçalo, Porto, no Piauí. 
São cidades congêneres com as de Portugal.

Constituintes

Dos dez deputados federais atualmente no Piauí apenas três participaram da elaboração da Constituição Federal: Átila Lira, Heráclito Fortes e Paes Landim. 
Eles estiveram na solenidade dos 30 anos da Constituição, realizada no Congresso Nacional na última terça-feira, na qual esteve também presente o presidente eleito Jair Bolsonaro.

Os outros

Não custa lembrar que os constituintes de 1988 foram oito. Além de Átila, Heráclito e Landim, atualmente com mandatos, foram constituintes Miriam Portela, Felipe Mendes, Jesus Tajra, José Luis Maia, mussa Demes (falecido), hoje, sem mandatos.

Fim da arapuca

Se seguir a risca a ameaça que fez, ainda na campanha eleitoral, Jair Bolsonaro vai enterrar todos os ‘pardais’ que os governos federal, estadual e municipal usam para tomar dinheiro do contribuinte a pretexto de multas no trânsito. 
Bolsonaro chega a dizer que o eleitor só serve para duas coisas: votar nos políticos que os escorcha e ser roubado.

Vigarice

Em Teresina existem câmeras para flagrar ‘excesso’ de velocidade em quase todas as ruas.  Eles instituem a proibição de o motorista avançar a velocidade de 40 Km por hora, para, exatamente, cobrar multas. 
Um prato cheio para bolsos gananciosos.

Cadeia

Bolsonaro devia, ao fechar essas arapucas, impor punição aos seus gestores. Como se trata de verdadeiro roubo, aplicar o código penal  e mandar esses meliantes para a cadeia.

Cara de pau

Não existe qualquer preocupação desses gestores com acidentes no transito, mas apenas em tomar o seu dinheiro, na maior cara de pau. 
Pior é que não se vê nenhum órgão fiscalizador preocupado com isso.

Ping-Pong

A arrolada

Dona Maria teve sua neta engravidada. Provocou uma audiência em São Raimundo Nonato, no interior do Piauí. Apesar de um tanto ignorante, pouca leitura, ela compareceu perante o juiz juntamente com a neta. Do outro lado, a família do rapaz.

O juiz: “Dona Maria, a senhora é que foi a pessoa arrolada?
Maria: (achando que tinha a ver com o ato sexual) “Quem foi arrolada foi minha neta aqui, por aquele malandro ali”.  

Colaboração M. D

Expressas

Começou ontem e segue até sábado (10) a 23ª edição do Festival de Bandas de Música de Teresina. As apresentações ocorrem no Palácio da Música, com entrada franca.

Duas associações de artesanato de Teresina ficaram em 1º e 2º lugares na categoria Ação Socioambiental com suas peças ricas em criatividade e identidade local.

A premiação ocorreu no Museu A Casa, em São Paulo, durante a 6ª edição do Prêmio Objeto Brasileiro. As associações premiadas tiveram o apoio da Secretaria Municipal de Economia Solidária.

A queda na economia Reordenar as finanças

Mais lidas desse blog