1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Punam o bandido do gabinete
Publicidade

Punam o bandido do gabinete

Vendo como andam as coisas no Ceará, não é exagerado dizer que houve de fato a falência do Estado, dando lugar as ações nefastas do Crime Organizado. Mas isso tem outros vetores, por exemplo, a promiscuidade nas relações dos agentes públicos incrustrados nos três Poderes. A pessoa comum deve achar que a definição de Crime Organizado só se aplica ao assaltante de banco, ao assassino de aluguel, ao traficante, enfim, ao bandido comum. As fronteiras do que se define hoje como crime organizado ultrapassam essa definição do cidadão mediano. Aqui mesmo no Piaui, quando este jornalista ousou denunciar o crime organizado, a primeira figura que aparecia no noticiário era a do coronel Correia Lima, que exercia na prática, o comando paralelo da polícia militar do Piauí. Mas ele contava com o apoio, para não dizer uma boa assessoria, de gente do Executivo, do Judiciário, do Legislativo, do empresariado e até da imprensa. Hoje se vê figurinhas carimbadas do jornalismo que comiam a conhecida sopa na casa do coronel e até eram remuneradas. No Judiciário, se encontravam desembargador e juízes devidamente alinhados. Um deles chegava a se coçar feito macaco (expressão de Domingão, ‘gerente’ do coronel, em gravação da PF) esperando o dinheiro pela sentença prolatada. No Ministério Público, o promotor chamava o então capitão de chefe e, assim, Correia Lima se fazia temido e poderoso. Portanto, se hoje, a polícia investigar profundamente, vai ver que no Ceará toda essa ação dos bandidos das ruas é consequência de ramificações até mais sofisticadas do que na época de Correia Lima. Não mudará nada se não identificarem os bandidos que atuam na rua com aqueles que agem nos gabinetes.

Wellington aparece como que firmando com Themístocles um pacto de não intervenção na eleição da Assembleia Legislativa (Foto: Divulgação)

Fim do mundo 

Circula informação em Picos que, quem a ouve, custa acreditar. 
Que todas as repartições públicas do estado na cidade agora vão funcionar no interior do Piauí Shopping. Claro, mediante aluguel de imensa área, inclusive as que têm sede própria, patrimônio do estado.
O governo precisa explicar isso.

Convite esquisito

Foi bater em atapetados gabinetes de Brasília, principalmente no Palácio do Planalto, o convite que a representação do Ministério da Saúde no Piauí confeccionou e o distribuiu incluindo o nome do senador Ciro Nogueira para a solenidade de entrega de carros para prefeitos.
O convite é a perfeição do mau gosto.

Fala, Joice

Alguém encaminhou pelo WhatsApp o convite do Ministério da Saúde com Ciro Nogueira para a deputada federal por São Paulo Joice Hasselmann com a pergunta: “Deputada, permita-me a liberdade de perguntar se esse senhor (Ciro) ainda representa o Governo?
Pronta resposta da loira escandinava do Paraná: “Não representa. Nada tem a ver com esse governo novo”.

Sem lado

Wellington Dias prometeu a Themístocles Filho que não vai se meter na eleição da Mesa Diretora da Assembleia. Por uma razão muito simples: os dois candidatos são seus aliados e, logo, não haveria razão para ficar contra um. 
Isso deixa os Progressistas cada vez mais sequelados.

Ah...

Ciro Nogueira dizia ontem que Hélio Isaías já tem 20 votos. Coisa que nem o próprio Isaías sabe.
Se nas contas dos amigos Themístocles já chegou aos 18 votos e a Assembleia tem apenas 30 deputados, será que estão forçando Wellington Dias convocar oito suplentes?

Rusgas

Parece ter havido ligeiro estremecimento nas relações de Wellington Dias com Ciro Nogueira. 
O senador teria se queixado que certos auxiliares de Wellington estariam fazendo propaganda contra Ciro. Pior que portais ligados ao senador repercutiram a história.
A coluna não confirmou uma coisa e outra.

Alô, sindicalistas

Tem gente na Chesf querendo transferir para Fortaleza o centro de operações da companhia de Teresina. Diz-se que a ideia é do diretor de operações João Henrique de Araújo Neto. 
Em Teresina ficaria apenas um serviço tipo 0800.

Reação

Se a bancada federal – dez deputados e os três senadores – tivesse prestígio, poderia estancar essa ideia maluca.

Ato moralizador

Quem tinha, certamente ficou triste, mas a decisão do desembargador Sebastião Martins de cortar o penduricalho chamado Condições Especiais de Trabalho, implantado por Erivan Lopes, no TJ-PI, soou como um ato moralizador. 
Além de o TCE ser contra, esse tipo de generosidade com dinheiro público só existia, entre todos os tribunais, no Judiciário piauiense.

Desperdício

A maior gratificação chega a R$ 6 mil o que representava um desperdício de dinheiro da ordem de R$ 150 mil, todo mês. 
Não custa lembrar que apenas o desembargador Edvaldo Moura manifestou-se em plenário contrário a adoção desse mimo com dinheiro público.

Apoio indeciso

Wellington Dias foi muito generoso, recebeu o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, reuniu toda a bancada em torno dele, mas o moço foi embora apenas com a promessa de voto de três dos dez parlamentares federais do Piauí.
Iracema Portela, Átila Lira e Júlio César confirmaram o apoio, os outros ainda vão pensar.

Interdição

Informações que chegam à coluna dão conta de que médicos que atuam no Hospital Getúlio Vargas já denunciaram ao CRM a situação do local de falta de insumos e materiais básicos.
Por situação semelhante a Maternidade Dona Evangelina Rosa foi interditada pelo Conselho. 

Ping-Pong

Debaixo de chuva 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia chega ao Piauí debaixo de fina chuva em busca de apoio da bancada federal para sua reeleição na Câmara e é recebido na porta pelo governador .

Wellington: “Você chegou com chuva?!”
Rodrigo Maia: “Por voto  a gente vai até a lua...”

Expressas

O prefeito Firmino Filho sancionou o novo reajuste da tarifa de ônibus de Teresina para R$ 3,85 a inteira e R$ 1,28 a meia estudantil. 

Mais de 20 policiais militares do Piauí foram enviados para ajudar no reforço policial do Ceará. O estado vem sofrendo ataques em diversas cidades.

O IFPI está com inscrições abertas para a seleção de alunos em dois cursos superiores e duas especializações, todos ofertados na modalidade a distância. 

Vendo como andam as coisas no Ceará, não é exagerado dizer que houve de fato a falência do Estado, dando lugar as ações nefastas do Crime Organizado. Mas isso tem outros vetores, por exemplo, a promiscuidade nas relações dos agentes públicos incrustrados nos três Poderes. A pessoa comum deve achar que a definição de Crime Organizado só se aplica ao assaltante de banco, ao assassino de aluguel, ao traficante, enfim, ao bandido comum. As fronteiras do que se define hoje como crime organizado ultrapassam essa definição do cidadão mediano. Aqui mesmo no Piaui, quando este jornalista ousou denunciar o crime organizado, a primeira figura que aparecia no noticiário era a do coronel Correia Lima, que exercia na prática, o comando paralelo da polícia militar do Piauí. Mas ele contava com o apoio, para não dizer uma boa assessoria, de gente do Executivo, do Judiciário, do Legislativo, do empresariado e até da imprensa. Hoje se vê figurinhas carimbadas do jornalismo que comiam a conhecida sopa na casa do coronel e até eram remuneradas. No Judiciário, se encontravam desembargador e juízes devidamente alinhados. Um deles chegava a se coçar feito macaco (expressão de Domingão, ‘gerente’ do coronel, em gravação da PF) esperando o dinheiro pela sentença prolatada. No Ministério Público, o promotor chamava o então capitão de chefe e, assim, Correia Lima se fazia temido e poderoso. Portanto, se hoje, a polícia investigar profundamente, vai ver que no Ceará toda essa ação dos bandidos das ruas é consequência de ramificações até mais sofisticadas do que na época de Correia Lima. Não mudará nada se não identificarem os bandidos que atuam na rua com aqueles que agem nos gabinetes.

Wellington aparece como que firmando com Themístocles um pacto de não intervenção na eleição da Assembleia Legislativa (Foto: Divulgação)

Fim do mundo 

Circula informação em Picos que, quem a ouve, custa acreditar. 
Que todas as repartições públicas do estado na cidade agora vão funcionar no interior do Piauí Shopping. Claro, mediante aluguel de imensa área, inclusive as que têm sede própria, patrimônio do estado.
O governo precisa explicar isso.

Convite esquisito

Foi bater em atapetados gabinetes de Brasília, principalmente no Palácio do Planalto, o convite que a representação do Ministério da Saúde no Piauí confeccionou e o distribuiu incluindo o nome do senador Ciro Nogueira para a solenidade de entrega de carros para prefeitos.
O convite é a perfeição do mau gosto.

Fala, Joice

Alguém encaminhou pelo WhatsApp o convite do Ministério da Saúde com Ciro Nogueira para a deputada federal por São Paulo Joice Hasselmann com a pergunta: “Deputada, permita-me a liberdade de perguntar se esse senhor (Ciro) ainda representa o Governo?
Pronta resposta da loira escandinava do Paraná: “Não representa. Nada tem a ver com esse governo novo”.

Sem lado

Wellington Dias prometeu a Themístocles Filho que não vai se meter na eleição da Mesa Diretora da Assembleia. Por uma razão muito simples: os dois candidatos são seus aliados e, logo, não haveria razão para ficar contra um. 
Isso deixa os Progressistas cada vez mais sequelados.

Ah...

Ciro Nogueira dizia ontem que Hélio Isaías já tem 20 votos. Coisa que nem o próprio Isaías sabe.
Se nas contas dos amigos Themístocles já chegou aos 18 votos e a Assembleia tem apenas 30 deputados, será que estão forçando Wellington Dias convocar oito suplentes?

Rusgas

Parece ter havido ligeiro estremecimento nas relações de Wellington Dias com Ciro Nogueira. 
O senador teria se queixado que certos auxiliares de Wellington estariam fazendo propaganda contra Ciro. Pior que portais ligados ao senador repercutiram a história.
A coluna não confirmou uma coisa e outra.

Alô, sindicalistas

Tem gente na Chesf querendo transferir para Fortaleza o centro de operações da companhia de Teresina. Diz-se que a ideia é do diretor de operações João Henrique de Araújo Neto. 
Em Teresina ficaria apenas um serviço tipo 0800.

Reação

Se a bancada federal – dez deputados e os três senadores – tivesse prestígio, poderia estancar essa ideia maluca.

Ato moralizador

Quem tinha, certamente ficou triste, mas a decisão do desembargador Sebastião Martins de cortar o penduricalho chamado Condições Especiais de Trabalho, implantado por Erivan Lopes, no TJ-PI, soou como um ato moralizador. 
Além de o TCE ser contra, esse tipo de generosidade com dinheiro público só existia, entre todos os tribunais, no Judiciário piauiense.

Desperdício

A maior gratificação chega a R$ 6 mil o que representava um desperdício de dinheiro da ordem de R$ 150 mil, todo mês. 
Não custa lembrar que apenas o desembargador Edvaldo Moura manifestou-se em plenário contrário a adoção desse mimo com dinheiro público.

Apoio indeciso

Wellington Dias foi muito generoso, recebeu o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, reuniu toda a bancada em torno dele, mas o moço foi embora apenas com a promessa de voto de três dos dez parlamentares federais do Piauí.
Iracema Portela, Átila Lira e Júlio César confirmaram o apoio, os outros ainda vão pensar.

Interdição

Informações que chegam à coluna dão conta de que médicos que atuam no Hospital Getúlio Vargas já denunciaram ao CRM a situação do local de falta de insumos e materiais básicos.
Por situação semelhante a Maternidade Dona Evangelina Rosa foi interditada pelo Conselho. 

Ping-Pong

Debaixo de chuva 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia chega ao Piauí debaixo de fina chuva em busca de apoio da bancada federal para sua reeleição na Câmara e é recebido na porta pelo governador .

Wellington: “Você chegou com chuva?!”
Rodrigo Maia: “Por voto  a gente vai até a lua...”

Expressas

O prefeito Firmino Filho sancionou o novo reajuste da tarifa de ônibus de Teresina para R$ 3,85 a inteira e R$ 1,28 a meia estudantil. 

Mais de 20 policiais militares do Piauí foram enviados para ajudar no reforço policial do Ceará. O estado vem sofrendo ataques em diversas cidades.

O IFPI está com inscrições abertas para a seleção de alunos em dois cursos superiores e duas especializações, todos ofertados na modalidade a distância. 

A impunidade vencível Negócio da China

Mais lidas desse blog