Publicidade

No limite

Custo de pessoal para o Estado em 12 meses, apurado em dezembro do ano passado: R$ 6,407 bilhões, dos quais 4,029 bilhões com pessoal inativo e R$ 2,328 bilhões com aposentados e pensionistas. Esses números comportam uma digressão: se, umas três décadas atrás, tivesse o Estado sido previdente e gerido de modo eficiente e dissociado de interesses político-partidários o fundo de pensão, certamente haveria como pagar as pensões e aposentadorias por uma fonte de receita que não comprometeria, como agora compromete, o equilíbrio fiscal do Estado. A falta de um fundo de pensão gera um déficit de R$ 1,2 bilhão anual (e em expansão) na conta dos inativos, além manter o Estado na permanente corda bamba dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. No balanço de suas contas anuais, publicado na edição do Diário Oficial do último dia 30 de janeiro, o governo informa que, excluídos os gastos do Legislativo, Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e Tribunal de Contas, as despesas com pessoal somaram 48,52% das receitas correntes líquidas, somente 0,48% menos que o limite de 49% imposto aos executivos estaduais pela Lei de Responsabilidade Fiscal e bem acima do chamado limite prudencial de despesas salariais, fixado em 46,55%. Ante essa realidade, o governo deve já agora começar a adotar medidas nada simpáticas para conter gastos de pessoal. Um ano cheio de aborrecimentos começa agora para Wellington Dias.

Senador Ciro Nogueira aparece metido em mais um escândalo de corrupção no país. Propinas no Geap (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

Olha o aviso!

Desde sábado este jornalista vem chamando a atenção para uma fissura na parede da barragem de Piracuruca, que armazena 250 milhões de litros d’água. 
Outro preocupado - sem falar de toda a população daquela cidade - é o desembargador Luiz Gonzaga Brandão. 

Pois bem...

Ontem, um técnico do Idepi praticamente chamou a todos de desinformados. Ele disse que não há rachadura, não há fissuras na barragem. Segundo ele há “infiltrações”. E a água vaza lentamente.
É preciso dizer mais alguma coisa? 

Lá vem 

Dia 16 de janeiro a coluna informou que havia uma investigação muito séria apurando corrupção no Geap. 
A revista Isto É inicia está semana com extensa reportagem sobre a investigação da Polícia federal apontando, entre os propineiros, o aguerrido senador Ciro Nogueira. 

Pé de gelo 

Ciro, também tem sido alvo de deboche porque perdeu aqui, a eleição na Assembleia Legislativa, com o diabinho Hélio Isaías e, lá em Brasília, por ter apoiado o satânico Renan Calheiros. 
Azar assim nem o do roqueiro Mick Jagger. 

Lenço

Hoje é o Dia Mundial de Câncer e está havendo um desafio muito legal: que as pessoas usem lenço e postem em redes sociais, desafiando os amigos a fazerem o mesmo, como uma bonita forma de homenagear os pacientes com câncer.

Balanço

O governo publicou no dia 30 janeiro o balanço orçamentário anual relativo a 2018, com arrecadação de R$ 9,599 bilhões. Mas uma parte dessa receita, formada pelos tributos estaduais, vai para os municípios.

Receitas

O balanço deixa evidente um avanço da dependência do Estado de receitas de transferências constitucionais, como o FPE. Em 2018, o Fundo de Participação dos Estados somou R$ 4,616 bilhões, enquanto as receitas própria somaram R$ 3,643 bilhões.

Queda livre

Os investimentos no Estado caíram de modo vertiginoso. As receitas de convênios federais para obras, previstas inicialmente em R$ 106,9 milhões somente somaram R$ 68,1 milhões – menos de dois terços do que estava estimado.

Financiamento

Outra fonte de receita prevista, a de operações de crédito, vulgo empréstimos, também deu para trás. Com previsão inicial de R$ 737,6 milhões, só se consolidaram R$ 457,1 milhões.

Dead line

Renan Calheiros (MDB) renunciou à candidatura quando viu que iria perder. Um observador disse à coluna que essa percepção se deu rapidamente, quando o senador alagoano viu o correligionário Jader Barbalho (PA) deixar o plenário do Senado à francesa, sem votar.

Boiando

Quem não teve a mesma presença de espírito foi outro emedebista, o piauiense Marcelo Castro, estreante no Senado. Depois da renúncia do alagoano, Castro variou do céu a objeto flutuante na água. Ele era um dos mais entusiasmados “renanzistas”, o que faz dele um derrotado já na estreia.

Rápido 1

Firmino Filho se mostrou eficiente e rápido nas tratativas com o governo federal. Semana passada ele foi a Brasília e encontrou-se com o vice-almirante Luiz Octávio Barros Coutinho. 
Na mesma semana o oficial esteve em Teresina.

Rápido 2

Firmino, Coutinho e representantes do Ministério da Defesa discutiram em Brasília e em Teresina a implantação do programa Forças no Esporte, que beneficia crianças e adolescentes através da inclusão social, numa parceria que deve incluir estudantes da rede municipal de ensino.

Olha só! 

R$ 269.394,81 é o valor que a Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer vai usar para fazer uma quadra esportiva em Esperantina.
De tão operosa em assuntos que não lhe dizem respeito, se essa coordenaria for extinta na próxima reforma, vai fazer faltar o “leite” de muitas crianças. 

Ping-Pong

Se correr o bicho pega...

Quem conta é o professor Dennis Alex Araújo, de uma escola estadual da cidade de Pameirais, distante 100 quilômetros de Teresina. Duas de suas alunas, do 8º ano (quando estudantes normalmente têm 13 anos de idade), conversam sobre a vontade de ter mais liberdade.

Aluna 1: “Ah, eu queria fazer 18 anos...”
Aluna 2: “Pra quê, mermã?”
Aluna 1: “Pra começar a trabalhar e não ficar mais tendo que obedecer ninguém”.
Aluna 2: “Uhh! A gente sempre obedece alguém. Hoje, tu tem que obedecer teus pais. Quando tu começar a trabalhar tem que obedecer ao patrão”.

Expressas

Hoje o Tribunal de Justiça do Piauí decidirá se o capitão assassino Allison Wattson perderá a patente. Ele matou a estudante de Direito Camila Abreu. 

R$ 350.000,00 é quando a Prefeitura de São Francisco de Assis do Piauí pretende gastar neste ano adquirindo combustíveis.

R$ 940.019,59 é quanto a Prefeitura de São João do Arraial vai gastar com medicamentos, material médico-hospitalar e odontológico em 2019.

Custo de pessoal para o Estado em 12 meses, apurado em dezembro do ano passado: R$ 6,407 bilhões, dos quais 4,029 bilhões com pessoal inativo e R$ 2,328 bilhões com aposentados e pensionistas. Esses números comportam uma digressão: se, umas três décadas atrás, tivesse o Estado sido previdente e gerido de modo eficiente e dissociado de interesses político-partidários o fundo de pensão, certamente haveria como pagar as pensões e aposentadorias por uma fonte de receita que não comprometeria, como agora compromete, o equilíbrio fiscal do Estado. A falta de um fundo de pensão gera um déficit de R$ 1,2 bilhão anual (e em expansão) na conta dos inativos, além manter o Estado na permanente corda bamba dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. No balanço de suas contas anuais, publicado na edição do Diário Oficial do último dia 30 de janeiro, o governo informa que, excluídos os gastos do Legislativo, Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e Tribunal de Contas, as despesas com pessoal somaram 48,52% das receitas correntes líquidas, somente 0,48% menos que o limite de 49% imposto aos executivos estaduais pela Lei de Responsabilidade Fiscal e bem acima do chamado limite prudencial de despesas salariais, fixado em 46,55%. Ante essa realidade, o governo deve já agora começar a adotar medidas nada simpáticas para conter gastos de pessoal. Um ano cheio de aborrecimentos começa agora para Wellington Dias.

Senador Ciro Nogueira aparece metido em mais um escândalo de corrupção no país. Propinas no Geap (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

Olha o aviso!

Desde sábado este jornalista vem chamando a atenção para uma fissura na parede da barragem de Piracuruca, que armazena 250 milhões de litros d’água. 
Outro preocupado - sem falar de toda a população daquela cidade - é o desembargador Luiz Gonzaga Brandão. 

Pois bem...

Ontem, um técnico do Idepi praticamente chamou a todos de desinformados. Ele disse que não há rachadura, não há fissuras na barragem. Segundo ele há “infiltrações”. E a água vaza lentamente.
É preciso dizer mais alguma coisa? 

Lá vem 

Dia 16 de janeiro a coluna informou que havia uma investigação muito séria apurando corrupção no Geap. 
A revista Isto É inicia está semana com extensa reportagem sobre a investigação da Polícia federal apontando, entre os propineiros, o aguerrido senador Ciro Nogueira. 

Pé de gelo 

Ciro, também tem sido alvo de deboche porque perdeu aqui, a eleição na Assembleia Legislativa, com o diabinho Hélio Isaías e, lá em Brasília, por ter apoiado o satânico Renan Calheiros. 
Azar assim nem o do roqueiro Mick Jagger. 

Lenço

Hoje é o Dia Mundial de Câncer e está havendo um desafio muito legal: que as pessoas usem lenço e postem em redes sociais, desafiando os amigos a fazerem o mesmo, como uma bonita forma de homenagear os pacientes com câncer.

Balanço

O governo publicou no dia 30 janeiro o balanço orçamentário anual relativo a 2018, com arrecadação de R$ 9,599 bilhões. Mas uma parte dessa receita, formada pelos tributos estaduais, vai para os municípios.

Receitas

O balanço deixa evidente um avanço da dependência do Estado de receitas de transferências constitucionais, como o FPE. Em 2018, o Fundo de Participação dos Estados somou R$ 4,616 bilhões, enquanto as receitas própria somaram R$ 3,643 bilhões.

Queda livre

Os investimentos no Estado caíram de modo vertiginoso. As receitas de convênios federais para obras, previstas inicialmente em R$ 106,9 milhões somente somaram R$ 68,1 milhões – menos de dois terços do que estava estimado.

Financiamento

Outra fonte de receita prevista, a de operações de crédito, vulgo empréstimos, também deu para trás. Com previsão inicial de R$ 737,6 milhões, só se consolidaram R$ 457,1 milhões.

Dead line

Renan Calheiros (MDB) renunciou à candidatura quando viu que iria perder. Um observador disse à coluna que essa percepção se deu rapidamente, quando o senador alagoano viu o correligionário Jader Barbalho (PA) deixar o plenário do Senado à francesa, sem votar.

Boiando

Quem não teve a mesma presença de espírito foi outro emedebista, o piauiense Marcelo Castro, estreante no Senado. Depois da renúncia do alagoano, Castro variou do céu a objeto flutuante na água. Ele era um dos mais entusiasmados “renanzistas”, o que faz dele um derrotado já na estreia.

Rápido 1

Firmino Filho se mostrou eficiente e rápido nas tratativas com o governo federal. Semana passada ele foi a Brasília e encontrou-se com o vice-almirante Luiz Octávio Barros Coutinho. 
Na mesma semana o oficial esteve em Teresina.

Rápido 2

Firmino, Coutinho e representantes do Ministério da Defesa discutiram em Brasília e em Teresina a implantação do programa Forças no Esporte, que beneficia crianças e adolescentes através da inclusão social, numa parceria que deve incluir estudantes da rede municipal de ensino.

Olha só! 

R$ 269.394,81 é o valor que a Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer vai usar para fazer uma quadra esportiva em Esperantina.
De tão operosa em assuntos que não lhe dizem respeito, se essa coordenaria for extinta na próxima reforma, vai fazer faltar o “leite” de muitas crianças. 

Ping-Pong

Se correr o bicho pega...

Quem conta é o professor Dennis Alex Araújo, de uma escola estadual da cidade de Pameirais, distante 100 quilômetros de Teresina. Duas de suas alunas, do 8º ano (quando estudantes normalmente têm 13 anos de idade), conversam sobre a vontade de ter mais liberdade.

Aluna 1: “Ah, eu queria fazer 18 anos...”
Aluna 2: “Pra quê, mermã?”
Aluna 1: “Pra começar a trabalhar e não ficar mais tendo que obedecer ninguém”.
Aluna 2: “Uhh! A gente sempre obedece alguém. Hoje, tu tem que obedecer teus pais. Quando tu começar a trabalhar tem que obedecer ao patrão”.

Expressas

Hoje o Tribunal de Justiça do Piauí decidirá se o capitão assassino Allison Wattson perderá a patente. Ele matou a estudante de Direito Camila Abreu. 

R$ 350.000,00 é quando a Prefeitura de São Francisco de Assis do Piauí pretende gastar neste ano adquirindo combustíveis.

R$ 940.019,59 é quanto a Prefeitura de São João do Arraial vai gastar com medicamentos, material médico-hospitalar e odontológico em 2019.

A ira dos suplentes Olho na despesa

Mais lidas desse blog