Editorias
  1. AZ Esporte
  2. Campeã Paulista, Emily Lima admite propostas para deixar o Santos
Publicidade

Campeã Paulista, Emily Lima admite propostas para deixar o Santos

*** Especial para Gazeta Press

Emily Lima chegou ao Santos no início deste ano (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Em janeiro deste ano, Emily Lima foi anunciada como treinadora do time feminino do Santos. Foi o primeiro clube que a comandante assumiu após a conturbada demissão da Seleção Brasileira. E cerca de dez meses depois, seu trabalho foi coroado com o título do Campeonato Paulista, conquistado no último sábado, em cima do Corinthians.

“É trabalho. Nosso trabalho é diferente. É um trabalho de conhecimento da modalidade, de muito amor. Eu fiquei muito sentida quando a gente foi desclassificada no Campeonato Brasileiro, muito sentida mesmo. Foram dois momentos muito tristes na minha vida: a perda do meu pai e a desclassificação, porque foram 10 meses de muito trabalho, de renovação dentro da equipe, de entendimento de jogo com as atletas e acho que o Paulista veio para coroar. A derrota no brasileiro fortaleceu muito a gente. Então nada é por acaso. Se isso aconteceu dessa forma, é porque tinha que acontecer dessa forma”, exaltou em entrevista à Gazeta Esportiva.

Veja também: 

FPF premia craque e seleção do Paulista feminino de 2018

Craque do Paulista, Zanotti exalta trabalho do Corinthians no futebol feminino

Melhor técnico do Paulista pede olhar urgente para a base do futebol feminino

Perguntada sobre a continuidade de seu trabalho com as Sereias da Vila, Emily reiterou seu compromisso com o Peixe, mas admitiu ter recebido propostas de outros clubes, sem no entanto revelar quais.

“Sigo no Santos. Tem algumas coisas acontecendo, claro. Depois do título meu telefone tocou algumas vezes. Isso é bom, isso é muito bom. Mas eu preciso pensar no Santos. Isso é para o ano que vem, se acontecer. A gente tem que voltar com o título para a gente poder conversar sobre o ano que vem”, pontuou e completou.

“(Foram propostas) De fora. A gente trabalha para isso. A gente tem que buscar sempre o melhor e se o melhor no momento for ir para fora… Tenho contrato até 31 de dezembro e claro que vou tentar ficar. Só tenho que agradecer ao Santos, ao presidente José Carlos Peres, ao Alessandro (gerente de futebol), por toda a estrutura que vem dando para a modalidade. Me abriu as portas em um momento muito ruim da minha carreira profissional, em uma demissão complicada. O Santos acreditou e eu só comprovo as coisas com trabalho. Então, eu só estou comprovando. Esse título é merecido”, concluiu.