1. Editorias
  2. AZ nas Eleições
  3. Piauiense pede a morte de Bolsonaro e movimentos vão denunciá-la ao MP
Publicidade

Piauiense pede a morte de Bolsonaro e movimentos vão denunciá-la ao MP

No instagram, enfermeira que se declara apoiadora de Ciro Gomes (PDT), lamentou que o atentado ao presidenciável não tenha ocasionado a morte de Bolsonaro.

Movimentos Pró-Bolsonaro no Piauí repudiaram as declarações da enfermeira Luanna Castro, natural da cidade de Valença, Sul do estado, no qual ela pede morte ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP) e se recupera de um atentado sofrido durante ato de campanha.

No instagram, Luanna que se declara apoiadora do candidato à presidência, Ciro Gomes (PDT), publicou vídeos comentando a facada sofrida pelo candidato e pede a morte do presidenciável.

Enfermeira Luana Castro (Foto: reprodução/redes sociais)

“Todo fascista merece morte, Hitler, Trump, Bolsonaro, essa laia de fascista merece morte, essa faca pra ele foi pouco, tinha que ter matado”, declara.

A advogada Rubenita Lessa, uma das principais líderes do movimento no Piauí, informou que as declarações da profissional de enfermagem configuram além de outros crimes, a incitação ao crime tipificado no art. 286 do código penal. Ela informou que deve denunciar o caso ao Ministério Público.

Advogada Rubenita Lessa (Foto Lucas Sousa/ Portal AZ)

“Comunicarei ao Ministério Público e à autoridade policial competente, para que investiguem os fatos, a pessoa seja identificada, as imagens avaliadas e a conduta apurada com rigor, e posteriormente, caso comprovado, responsabilizada. E peço que outras pessoas façam o mesmo, pois não podemos admitir que alguém ache ter o direito de dizer tais absurdos, sem nenhuma repreensão estatal”, afirma.

Rubenita avalia ainda que da forma como foram feitos, os ataques ao candidato representam um atentado à democracia. 

“Democracia não pode referendar prática de crimes, ainda que na internet. Ela pode criticar o Bolsonaro, suas ideias, apoiar o candidato dela, mas não pode incitar a prática de crimes contra ninguém, nem a quem ela acha ser fascista. Liberdade de expressão tem limites no Brasil e internet não é terra sem lei", declarou.

Luanna Castro se manifestou, através do Facebook, sobre suas declarações em vídeo e ataques que vem sofrendo de alguns apoiadores do candidato Jair Bolsonaro.

 

Assista ao vídeo: 

Movimentos Pró-Bolsonaro no Piauí repudiaram as declarações da enfermeira Luanna Castro, natural da cidade de Valença, Sul do estado, no qual ela pede morte ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP) e se recupera de um atentado sofrido durante ato de campanha.

No instagram, Luanna que se declara apoiadora do candidato à presidência, Ciro Gomes (PDT), publicou vídeos comentando a facada sofrida pelo candidato e pede a morte do presidenciável.

Enfermeira Luana Castro (Foto: reprodução/redes sociais)

“Todo fascista merece morte, Hitler, Trump, Bolsonaro, essa laia de fascista merece morte, essa faca pra ele foi pouco, tinha que ter matado”, declara.

A advogada Rubenita Lessa, uma das principais líderes do movimento no Piauí, informou que as declarações da profissional de enfermagem configuram além de outros crimes, a incitação ao crime tipificado no art. 286 do código penal. Ela informou que deve denunciar o caso ao Ministério Público.

Advogada Rubenita Lessa (Foto Lucas Sousa/ Portal AZ)

“Comunicarei ao Ministério Público e à autoridade policial competente, para que investiguem os fatos, a pessoa seja identificada, as imagens avaliadas e a conduta apurada com rigor, e posteriormente, caso comprovado, responsabilizada. E peço que outras pessoas façam o mesmo, pois não podemos admitir que alguém ache ter o direito de dizer tais absurdos, sem nenhuma repreensão estatal”, afirma.

Rubenita avalia ainda que da forma como foram feitos, os ataques ao candidato representam um atentado à democracia. 

“Democracia não pode referendar prática de crimes, ainda que na internet. Ela pode criticar o Bolsonaro, suas ideias, apoiar o candidato dela, mas não pode incitar a prática de crimes contra ninguém, nem a quem ela acha ser fascista. Liberdade de expressão tem limites no Brasil e internet não é terra sem lei", declarou.

Luanna Castro se manifestou, através do Facebook, sobre suas declarações em vídeo e ataques que vem sofrendo de alguns apoiadores do candidato Jair Bolsonaro.

 

Assista ao vídeo: