Editorias
  1. Entretenimento
  2. CES retira prêmio dado para vibrador feito por mulheres
Publicidade

CES retira prêmio dado para vibrador feito por mulheres

Empresária afirmou que houve discriminação porque produto 'feito para empoderar mulheres' foi barrado

A CES, maior feira de tecnologia do mundo, não tem polêmica apenas entre as grandes empresas de tecnologia. Um dos assuntos que roubaram atenção no evento nos Estados Unidos foi a retirada de um prêmio dado a um vibrador criado por mulheres.

Vibrador foi eleito entre melhores inovações pela CES, mas organização retirou o prêmio — Foto: Reprodução/Instagram

A feira sempre elege "gadgets" inovadores. Neste ano, premiou, por exemplo, uma lava-louças que dispensa encanamento e uma tigela que só libera a comida ao reconhecer a cara do bichinho de estimação. Também foi dado um prêmio ao vibrador Osé, criado por uma startup formada por mulheres chamada Lora DiCarlo.

Mas o prêmio foi retirado posteriormente. A fundadora e presidente da empresa, Lora Haddock, relatou o episódio uma carta publicada na última terça-feira (8). Segundo ela, a eleição aconteceu em outubro passado e o vibrador foi escolhido como inovação na categoria de robótica e drone pela Consumer Technology Association (CTA), organizadora da feira.

"Um mês depois, nossa alegria e preparativos foram podados quando, inesperadamente, nos informaram que os administradores da CES e da CTA estavam rescindindo nosso prêmio e, consequentemente, não poderíamos expor na CES 2019", afirmou Lora.
Ainda segundo a empresária, a CTA respondeu que se dava ao direito de desqualificar inscrições de produtos que pudessem ser imorais, obscenos, indecentes, profanos ou que destoassem da imagem da organização.

A empresária pontuou que, no entanto, a CES permitiu o lançamento de uma boneca sexual no ano passado e também tem entre seus expositores uma empresa de pornografia em realidade virtual, além de outros objetos desse mercado. Para ela, os organizadores se sentiram ameaçados por mulheres empoderadas.

"Claramente, a CTA não tem problemas com sexualidade masculina explícita", avaliou. "Aparentemente, tem algo diferente, algo ameaçador sobre o Osé, um produto criado por mulheres para empoderar mulheres".

Mudou justificativa

Lora escreveu ainda que, posteriormente, a organizadora da CES informou que, na verdade, a desqualificação aconteceu porque o vibrador não se enquadrava na categoria de robótica e drone.

Em comunicado, a CTA informou que o produto não se encaixa em nenhuma das categorias de produto existentes e não deveria ter sido aceito pela comissão julgadora. A organização pediu desculpas pelo equívoco.

Mas, de acordo com a empresária, o produto foi desenhado em parceria com o laboratório de engenharia robótica de universidade de Oregon, nos Estados Unidos.