1. Editorias
  2. Geral
  3. Ursa Rowena troca de pelos e mostra boa saúde em santuário
Publicidade

Ursa Rowena troca de pelos e mostra boa saúde em santuário

Ela vive em um santuário de animais em Joanópolis (SP) após uma campanha que transferiu o animal de Teresina (PI) por causa das altas temperaturas

Prestes a completar cinco meses morando em um santuário de animais em Joanópolis (SP), a ursa Rowena começou a dar sinais de que a vida no novo lar vem refletindo de forma positiva na saúde: nos últimos dias ela iniciou uma troca de pelos.

Ursa Rowena troca de pelo em santuário de animais em Joanópolis — Foto: Divulgação/ Rancho dos Gnomos

Durante a campanha de transferência do Piauí para o clima ameno no interior paulista, ela chegou a ficar conhecida como "a ursa mais triste do mundo" devido às condições de temperatura altas que enfrentava. De acordo com a fundadora do santuário, Silvia Pompeu, a queda dos pelos, que estavam ralos e emaranhados, marca que o organismo dela está respondendo bem à rotina de cuidados.

"Quando completar um ano ela vai ser uma ursa de verdade, que nunca pôde ser. A Rowena chegou aqui com um monte de nós nos pelos que também causavam problemas de pele. Tinha um cheiro muito forte e não tinha pelo em parte do rosto. Já conseguimos ver uma nova camada nascendo em meio aos pelos caindo", explica a fundadora do santuário.

Ursa dorme em cama de feno em santuário de animais em Joanópolis — Foto: Biga Pessoa/ Rancho dos Gnomos

Tendo como novo lar um ambiente com uma caverna privativa, piscina, cama de feno e alimentação adequada, a ursa vem apresentando comportamento dócil e evolução na disposição.
"Ela está bem nutrida e o organismo está exibindo estes sinais de saúde. Começou a refletir no visual dela. Embaixo dessas 'cracas' estão surgindo pelos novos. É como em nós humanos: se nosso organismo não está bem nutrido, as unhas ficam frágeis, o cabelo pode cair. Ela tinha o focinho ressecado e agora ele está úmido o tempo todo, como é o ideal", explica SIlvia Pompeu.

A troca de pelagem em ursos pardos costuma ocorrer ao fim de cada estação do ano.

Histórico

O animal viveu 25 anos no circo e há sete anos foi resgatada com mais três ursos, que viveram no zoológico no Piauí. Ela foi apreendida em Caxias, no Maranhão, e doada ao parque de Teresina pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Durante o período em que viveu no circo, a ursa foi acostumada a se alimentar de ração de cachorro. A transferência foi feita porque a temperatura média de 40 °C em Teresina não era a adequada para o animal.

Ela foi transportada até São Paulo em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e levada em uma cabine climatizada especial até Joanópolis, no interior paulista. Assim que chegou, veterinários constataram que a ursa tinha uma infestação de verminose grande, além de dificuldades de visão e de locomoção naturais para a idade do animal, que é considerado idoso.

Chamada de Marsha, ela ganhou o novo nome de Rowena na nova casa para marcar uma nova fase da vida do animal.
 

Prestes a completar cinco meses morando em um santuário de animais em Joanópolis (SP), a ursa Rowena começou a dar sinais de que a vida no novo lar vem refletindo de forma positiva na saúde: nos últimos dias ela iniciou uma troca de pelos.

fff

Ursa Rowena troca de pelo em santuário de animais em Joanópolis — Foto: Divulgação/ Rancho dos Gnomos

Durante a campanha de transferência do Piauí para o clima ameno no interior paulista, ela chegou a ficar conhecida como "a ursa mais triste do mundo" devido às condições de temperatura altas que enfrentava. De acordo com a fundadora do santuário, Silvia Pompeu, a queda dos pelos, que estavam ralos e emaranhados, marca que o organismo dela está respondendo bem à rotina de cuidados.

"Quando completar um ano ela vai ser uma ursa de verdade, que nunca pôde ser. A Rowena chegou aqui com um monte de nós nos pelos que também causavam problemas de pele. Tinha um cheiro muito forte e não tinha pelo em parte do rosto. Já conseguimos ver uma nova camada nascendo em meio aos pelos caindo", explica a fundadora do santuário.

ddd

Ursa dorme em cama de feno em santuário de animais em Joanópolis — Foto: Biga Pessoa/ Rancho dos Gnomos

Tendo como novo lar um ambiente com uma caverna privativa, piscina, cama de feno e alimentação adequada, a ursa vem apresentando comportamento dócil e evolução na disposição.
"Ela está bem nutrida e o organismo está exibindo estes sinais de saúde. Começou a refletir no visual dela. Embaixo dessas 'cracas' estão surgindo pelos novos. É como em nós humanos: se nosso organismo não está bem nutrido, as unhas ficam frágeis, o cabelo pode cair. Ela tinha o focinho ressecado e agora ele está úmido o tempo todo, como é o ideal", explica SIlvia Pompeu.

A troca de pelagem em ursos pardos costuma ocorrer ao fim de cada estação do ano.

Histórico

O animal viveu 25 anos no circo e há sete anos foi resgatada com mais três ursos, que viveram no zoológico no Piauí. Ela foi apreendida em Caxias, no Maranhão, e doada ao parque de Teresina pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Durante o período em que viveu no circo, a ursa foi acostumada a se alimentar de ração de cachorro. A transferência foi feita porque a temperatura média de 40 °C em Teresina não era a adequada para o animal.

Ela foi transportada até São Paulo em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e levada em uma cabine climatizada especial até Joanópolis, no interior paulista. Assim que chegou, veterinários constataram que a ursa tinha uma infestação de verminose grande, além de dificuldades de visão e de locomoção naturais para a idade do animal, que é considerado idoso.

Chamada de Marsha, ela ganhou o novo nome de Rowena na nova casa para marcar uma nova fase da vida do animal.