1. Editorias
  2. Meio Ambiente
  3. Qualidade da água e do ar do Parque da Cidadania é avaliada por alunos do Senac
Publicidade

Qualidade da água e do ar do Parque da Cidadania é avaliada por alunos do Senac

Você conhece os critérios e práticas exigidos nos editais de concessão de selos ambientais?! No curso Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Senac Piauí os alunos aprendem sobre isso desde cedo. Na última segunda-feira (31) eles saíram da sala de aula para fazer uma atividade prática e analisaram o potencial hidrogeniônico (PH) da água da lagoa no Parque da Cidadania.

Foto: divulgação/Sebrae

Em entrevista, o instrutor do curso no Senac, Fábio Silva, disse que a atividade foi bem-sucedida. “Os alunos sempre gostam de sair da sala de aula, eles aprendem na teoria e colocam o aprendizado em prática”, falou. Fábio explicou que as análises feitas pelos alunos concluíram que a água da lagoa do Parque da Cidadania está dentro dos parâmetros legais exigidos para ter o selo ambiental. Outra atividade feita pelos alunos foi a análise qualitativa do ar para evidenciar se o acúmulo de fumaça dos veículos está de acordo conforme a legislação. “Na análise do ar verificamos que muitos automóveis, principalmente ônibus, emitem mais gases poluentes do que é permitido pela legislação. Os alunos ficaram surpresos e curiosos em pesquisar e descobrir como análises simples não são feitas nos municípios e estados”, frisou.

Foto: divulgação/Sebrae

Segundo a legislação, lei  Nº 5.813, o ICMS ecológico é para beneficiar municípios que se destaquem na proteção ao meio ambiente. Para viabilizar o benefício, fica instituído o Selo Ambiental que é um documento de certificação ambiental e se apresenta em três categorias: Categoria A, Categoria B e Categoria C que será conferido ao município conforme o nível de sua gestão dos recursos naturais e meio ambiente. Com relação a redução do risco de queimadas, conservação do solo, da água e da biodiversidade está inserido na categoria A. Outra atividade realizada pelos alunos foi o desenvolvimento de composteiras residências utilizando potes de manteiga, sorvetes e doces para dar uma finalidade aos resíduos orgânicos das residências, facilitando o conhecimento sobre a ações e medidas de gestão de resíduos orgânicos.

A lei em vigência determina que quando há a identificação de fontes de poluição atmosférica, sonora e visual é necessário o município procurar  minimizá-las.

Você conhece os critérios e práticas exigidos nos editais de concessão de selos ambientais?! No curso Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Senac Piauí os alunos aprendem sobre isso desde cedo. Na última segunda-feira (31) eles saíram da sala de aula para fazer uma atividade prática e analisaram o potencial hidrogeniônico (PH) da água da lagoa no Parque da Cidadania.

Foto: divulgação/Sebrae

Em entrevista, o instrutor do curso no Senac, Fábio Silva, disse que a atividade foi bem-sucedida. “Os alunos sempre gostam de sair da sala de aula, eles aprendem na teoria e colocam o aprendizado em prática”, falou. Fábio explicou que as análises feitas pelos alunos concluíram que a água da lagoa do Parque da Cidadania está dentro dos parâmetros legais exigidos para ter o selo ambiental. Outra atividade feita pelos alunos foi a análise qualitativa do ar para evidenciar se o acúmulo de fumaça dos veículos está de acordo conforme a legislação. “Na análise do ar verificamos que muitos automóveis, principalmente ônibus, emitem mais gases poluentes do que é permitido pela legislação. Os alunos ficaram surpresos e curiosos em pesquisar e descobrir como análises simples não são feitas nos municípios e estados”, frisou.

Foto: divulgação/Sebrae

Segundo a legislação, lei  Nº 5.813, o ICMS ecológico é para beneficiar municípios que se destaquem na proteção ao meio ambiente. Para viabilizar o benefício, fica instituído o Selo Ambiental que é um documento de certificação ambiental e se apresenta em três categorias: Categoria A, Categoria B e Categoria C que será conferido ao município conforme o nível de sua gestão dos recursos naturais e meio ambiente. Com relação a redução do risco de queimadas, conservação do solo, da água e da biodiversidade está inserido na categoria A. Outra atividade realizada pelos alunos foi o desenvolvimento de composteiras residências utilizando potes de manteiga, sorvetes e doces para dar uma finalidade aos resíduos orgânicos das residências, facilitando o conhecimento sobre a ações e medidas de gestão de resíduos orgânicos.

A lei em vigência determina que quando há a identificação de fontes de poluição atmosférica, sonora e visual é necessário o município procurar  minimizá-las.