Editorias
  1. Política
  2. Saiba quem são os envolvidos na suposta corrupção na Seduc
Publicidade

Saiba quem são os envolvidos na suposta corrupção na Seduc

Suspeitos foram presos ontem pela PF

Depois que foram ouvidos em audiência de Custódia na Polícia Federal, as 22 pessoas presas na Operação Topique, realizada na quinta-feira, pela Polícia Federal, vão continuar presas. Elas são acusadas de desvios de recursos federais da Secretaria Estadual de Educação (Seduc).

Luis Carlos Magno da Silva e Lana Mara Costa de Sousa foram presos na operação Topique (Foto: reprodução Facebook)

Veja os nomes:

Lívia de Oliveira Saraiva, Charliene Silva Medeiros; Ester Marina Dantas Magalhães; Elisandra Pereira Lima; Lana Mara Costa de Sousa; Lisiane Lustosa Almendra; Miguel Alves Lima; Suyana Soares Cardoso, Sicilia Amazona Soares Borges, Antônio Lima de Matos da Costa, Odair Gomes Leal, Raimundo Félix Saraiva Filho, Rodrigo José da Silva Junior, Antônio Ribeiro da Silva; Francisca Camila de Sousa Pereira; Luiz Gabriel Silva Carvalho; Luis Carlos Magno da Silva, Carlos Augusto Ribeiro de Alexandrino, Paula Rodrigues de Sousa dos Santos; Magna Ribeiro da Silva Flizikowski, Maria Anniele de Fátima Almeida e Samuel Rodrigues Feitosa.

Entre os alvos da operação estão nove empresas usadas para lavagem de dinheiro e oito empresas de transporte.

De acordo com o delegado da PF, as investigações tiveram início nos anos de 2013 a partir de uma denúncia de contrato da Prefeitura de Campo Maior.

Eles serão indiciados pelos crimes de lavagem de dinheiro, fraudes à licitações, e desvio de recursos.

Ostentação

Luis Carlos Magno da Silva ostentava nas redes sociais a vida de luxo que levava. Ele costumava postar fotos registrando suas viagens em família.

Operação Topique

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira a “Operação Topique” para desarticular organização criminosa responsável por fraudes em licitações e desvio de recursos públicos destinados à prestação de serviços de transporte escolar ao Governo do Estado e Prefeituras Municipais nos Estados do Piauí e Maranhão, custeados pelos recursos do Programa de Apoio ao Transporte Escolar (PNATE) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

As equipes chegaram cedo da manhã na sede da Secretaria de Educação do Estado do Piauí (Seduc).  Foram cumpridos 14 mandados de prisão preventiva, 9 mandados de prisão temporária e 40 mandados de busca e apreensão, nos municípios Teresina/PI, São João da Serra/PI, Olho D’Água do Piauí/PI e Coelho Neto/MA. A deflagração contou com a participação de 170 policiais federais e de 9 auditores da CGU.

A investigação revelou a existência de um grupo de empresas que vêm atuando conjuntamente na realização de fraudes em licitações, com a participação de agentes públicos, resultando na contratação do objeto da licitação com valores superiores ao valor real do serviço, causando um prejuízo aos cofres públicos na média de 40% dos valores pagos às empresas contratadas.

As empresas investigadas receberam, entre 2013 e 2017, pelo menos R$ 297 milhões pagos por mais de 40 prefeituras municipais e pelo Governo do Estado do Piauí, envolvendo transporte escolar e locação de veículos. O valor do potencial prejuízo ao erário no período é superior a R$ 119 milhões.

Publicidade