1. Blogs
  2. Atualidade Jurídica
  3. Daniela Freitas agradece a advocacia Piauiense; Lei que protege vítima em julgamentos de crimes sexuais é sancionada
Publicidade

Daniela Freitas agradece a advocacia Piauiense; Lei que protege vítima em julgamentos de crimes sexuais é sancionada

Agradeço à Advocacia do Piauí em nome da Chapa 3, pelo voto de confiança e pelo exercício democrático que consagrou nas urnas o nosso movimento Pra Seguir Em Frente nesse domingo (21).

Quem ganha é a OAB Piauí, pois iremos trabalhar e cumprir nossas propostas, em especial, as que contemplam e fortalecem o trabalho das Mulheres Advogadas, como eu.

Lei que protege vítima em julgamentos de crimes sexuais é sancionada

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, nesta segunda-feira (22), o projeto de lei (PL) que protege vítimas de crimes sexuais de atos contra a sua integridade moral e psicológica durante o processo judicial. O PL 5.096/2020 foi aprovado no mês passado pelo Congresso Nacional e promove alterações no Código Penal e no Código de Processo Penal.

De autoria da deputada Lídice da Mata (PSB-BA), o projeto foi inspirado no caso da influenciadora digital Mariana Ferrer, que denunciou ter sido dopada e estuprada pelo empresário do ramo de futebol André de Camargo Aranha durante uma festa em Santa Catarina, em 2018. Durante o julgamento, o advogado de defesa do acusado fez várias menções à vida pessoal de Mariana, inclusive valendo-se de fotografias íntimas. Segundo Mariana Ferrer, as fotos foram forjadas. No mês passado, o empresário foi absolvido da acusação por falta de provas.

Segundo a lei agora sancionada, durante as fases de instrução e julgamento do processo, ficam vedados a manifestação sobre fatos relativos à pessoa denunciante que não constem dos autos e o uso de linguagem, informações ou material ofensivos à dignidade dela ou de testemunhas.

O projeto de lei também eleva a pena para o crime de coação no curso do processo. A coação é definida como o uso de violência ou grave ameaça contra os envolvidos em processo judicial para favorecer interesse próprio ou alheio, e recebe punição de um a quatro anos de reclusão, além de multa. Pelo texto aprovado, essa pena será acrescida de um terço em casos de crimes sexuais.

Google oferece conteúdo gratuito voltado para mulheres pretas

O Google lançou o programa Cresça com o Google para Mulheres Pretas, uma edição dedicada à discussão de temas relacionados ao desenvolvimento profissional e pessoal das mulheres pretas no Brasil. As pessoas interessadas têm acesso gratuito aos conteúdos pela plataforma online.

“O Cresça com o Google para Mulheres Pretas se soma a outras edições que realizamos do Cresça com o Google em 2021. Desde março, realizamos edições voltadas a mulheres que querem empreender, àquelas que buscam desenvolver suas carreiras, retornar ao mercado de trabalho ou se iniciar no mercado de tecnologia”, disse Susana Ayarza, diretora de Marketing do Google Brasil.

Segundo a diretora, o Cresça com o Google é uma iniciativa global que oferece treinamento gratuito e ferramentas para quem busca oportunidades no mercado de trabalho, desenvolver suas carreiras ou crescer seus próprios negócios.

Na programação da edição para Mulheres Pretas, a apresentação de Ana Minuto, que desenvolveu uma metodologia de processo de coaching que atenda as especificidades dos afrodescendentes e afroempreendedores, trata da síndrome da impostora. O conteúdo mostra métodos de identificação de autossabotagem e apresenta dicas para o fortalecimento pessoal diante de desafios profissionais.

A  Auto Estima da Mulher Preta é o tema liderado por Caroline Moreira, diretora e criadora da startup Negras Plurais, facilitadora afrolab da Feira Preta e gerente de projeto dos Canais Pretos do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Organização das Nações Unidas (ONU).

Karen Santos, diretora-executiva e Fundadora da UX para Minas Pretas, trata do lugar da mulher na tecnologia. “As questões abordadas [por Karen] destacam os principais desafios de uma carreira formada majoritariamente por homens e pessoas brancas. O protagonismo das mulheres pretas neste ramo também está na pauta do conteúdo. Em outra frente, diretamente relacionada à construção de imagem junto ao mercado de trabalho e aos projetos individuais, a marca pessoal está no centro das reflexões da executiva”, disse Ayarza.

Outras apresentações disponíveis no programa mostram formas de melhorar a própria apresentação, tratam de criatividade, geração de conteúdo e relevância na carreira, além de discutir organização e administração dos papéis da mulher preta nos espaços de atuação cotidianos.

Fonte: Agência Brasil.

Pensamento do dia.

Fonte: Marcos Martins

Agradeço à Advocacia do Piauí em nome da Chapa 3, pelo voto de confiança e pelo exercício democrático que consagrou nas urnas o nosso movimento Pra Seguir Em Frente nesse domingo (21).

Quem ganha é a OAB Piauí, pois iremos trabalhar e cumprir nossas propostas, em especial, as que contemplam e fortalecem o trabalho das Mulheres Advogadas, como eu.

Lei que protege vítima em julgamentos de crimes sexuais é sancionada

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, nesta segunda-feira (22), o projeto de lei (PL) que protege vítimas de crimes sexuais de atos contra a sua integridade moral e psicológica durante o processo judicial. O PL 5.096/2020 foi aprovado no mês passado pelo Congresso Nacional e promove alterações no Código Penal e no Código de Processo Penal.

De autoria da deputada Lídice da Mata (PSB-BA), o projeto foi inspirado no caso da influenciadora digital Mariana Ferrer, que denunciou ter sido dopada e estuprada pelo empresário do ramo de futebol André de Camargo Aranha durante uma festa em Santa Catarina, em 2018. Durante o julgamento, o advogado de defesa do acusado fez várias menções à vida pessoal de Mariana, inclusive valendo-se de fotografias íntimas. Segundo Mariana Ferrer, as fotos foram forjadas. No mês passado, o empresário foi absolvido da acusação por falta de provas.

Segundo a lei agora sancionada, durante as fases de instrução e julgamento do processo, ficam vedados a manifestação sobre fatos relativos à pessoa denunciante que não constem dos autos e o uso de linguagem, informações ou material ofensivos à dignidade dela ou de testemunhas.

O projeto de lei também eleva a pena para o crime de coação no curso do processo. A coação é definida como o uso de violência ou grave ameaça contra os envolvidos em processo judicial para favorecer interesse próprio ou alheio, e recebe punição de um a quatro anos de reclusão, além de multa. Pelo texto aprovado, essa pena será acrescida de um terço em casos de crimes sexuais.

Google oferece conteúdo gratuito voltado para mulheres pretas

O Google lançou o programa Cresça com o Google para Mulheres Pretas, uma edição dedicada à discussão de temas relacionados ao desenvolvimento profissional e pessoal das mulheres pretas no Brasil. As pessoas interessadas têm acesso gratuito aos conteúdos pela plataforma online.

“O Cresça com o Google para Mulheres Pretas se soma a outras edições que realizamos do Cresça com o Google em 2021. Desde março, realizamos edições voltadas a mulheres que querem empreender, àquelas que buscam desenvolver suas carreiras, retornar ao mercado de trabalho ou se iniciar no mercado de tecnologia”, disse Susana Ayarza, diretora de Marketing do Google Brasil.

Segundo a diretora, o Cresça com o Google é uma iniciativa global que oferece treinamento gratuito e ferramentas para quem busca oportunidades no mercado de trabalho, desenvolver suas carreiras ou crescer seus próprios negócios.

Na programação da edição para Mulheres Pretas, a apresentação de Ana Minuto, que desenvolveu uma metodologia de processo de coaching que atenda as especificidades dos afrodescendentes e afroempreendedores, trata da síndrome da impostora. O conteúdo mostra métodos de identificação de autossabotagem e apresenta dicas para o fortalecimento pessoal diante de desafios profissionais.

A  Auto Estima da Mulher Preta é o tema liderado por Caroline Moreira, diretora e criadora da startup Negras Plurais, facilitadora afrolab da Feira Preta e gerente de projeto dos Canais Pretos do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Organização das Nações Unidas (ONU).

Karen Santos, diretora-executiva e Fundadora da UX para Minas Pretas, trata do lugar da mulher na tecnologia. “As questões abordadas [por Karen] destacam os principais desafios de uma carreira formada majoritariamente por homens e pessoas brancas. O protagonismo das mulheres pretas neste ramo também está na pauta do conteúdo. Em outra frente, diretamente relacionada à construção de imagem junto ao mercado de trabalho e aos projetos individuais, a marca pessoal está no centro das reflexões da executiva”, disse Ayarza.

Outras apresentações disponíveis no programa mostram formas de melhorar a própria apresentação, tratam de criatividade, geração de conteúdo e relevância na carreira, além de discutir organização e administração dos papéis da mulher preta nos espaços de atuação cotidianos.

Fonte: Agência Brasil.

Pensamento do dia.

Fonte: Marcos Martins

Desembargador Dourado toma posse no TJ-PI;  Nunes Marques suspende punição a promotor que investigou Gilmar Mendes Celso Barros Coelho Neto é reeleito Presidente da OAB Piauí ; Plenário do Senado vai debater hoje PEC dos precatórios