1. Blogs
  2. Josenildo Melo
  3. Solenidade de Cristo Rei
Publicidade

Solenidade de Cristo Rei

    Quem é de fato o rei da sua vida? Quantas horas por dia você dedica a Cristo Jesus? O dinheiro, o poder e o prazer não lhe deixam ver os sinais de Deus em sua vida? Cristo Jesus está presente em sua proteção diária. Deus dar o sol e a lua a todos sem distinção. Mas Deus não me dar os números pra que eu possa ganhar na loteria e ficar milionário? É assim que pensam os céticos e descrentes. Quantas comunidades vivem no mundo com o fruto do seu trabalho? Inúmeras. Eu venci o mundo diz o senhor. O pragmatismo é algo que ver apenas produtividade em tudo que se faz. O dar e receber algo em troca são uma mentalidade de fato mundana! De que adianta ganhar o mundo e perder a sua salvação?     Que nada. Isso é conversa de crente. Nada disso. Isso é vivencia cristã e demonstração clara de leitura cotidiana da Sagrada Escritura! Quantas pessoas neste momento acordaram depressivas por não possuir um carro, por não possuir um apartamento, por não possuir aquilo que imagina que lhe possa trazer felicidade? Inúmeras. E quantos pobres materialmente, mas ricos de espírito já acordaram neste momento e foram à Missa agradecer a Deus por mais uma semana? Muita gente. Gente que tem fé! Como é bonito e louvável está com Deus!
    O que é mesmo essa solenidade de Cristo Rei? De acordo com o Padre Jesuíta César Augusto o Evangelho da solenidade deste domingo é o das bênçãos e das maldições que estão em Mateus, trecho também conhecido como Juízo Final. O texto celebra  a  vitória  da  justiça  ocorrida  na  ressurreição  de Jesus e no momento em que o Senhor é declarado rei para  sempre. A justiça, a verdade e a paz serão eternas. Depois de uma vida sobre a terra, depois do anúncio feito por Jesus de que Deus é nosso Pai e de que todos os habitantes da terra são irmãos, - depois  do Mestre  ter  anunciado  a  vocação de fraternidade e de ter promulgado as bem-aventuranças, depois do  Senhor ter lavado os pés dos discípulos, depois do Redentor ter  morrido na cruz e ressuscitado, depois do Ressuscitado ter feito o envio de seus apóstolos a anunciarem o Evangelho, pregarem a conversão e o batismo, - todos  aqueles  que  responderam  sim  aos  apelos amorosos de Deus,  apesar  das  diversas  dificuldades,  serão acolhidos na Casa do Pai. Como podemos apreender da atitude de Jesus, o Homem por excelência, o que conta para ser acolhido na felicidade eterna é e será sempre nossa atitude, não apenas de solidariedade, mas de fraternidade, ou seja, um passo a mais no relacionamento com o outro. Ele não é apenas alguém com quem divido o pão, o teto e os sentimentos, mas é alguém que tenho como da mesma família, da mesma  origem, a quem estou unido por laços de afeto. No Livro de Ezequiel, 1a leitura de hoje, Deus se apresenta como o Pastor, aquele  que  procura  a  ovelha  perdida,  reconduz  a extraviada,  cura a  ferida,  fortalece  a doente  e alimenta todas. Esse discurso é dirigido aos judeus  que  estão  procurando  se recuperar da destruição feita pelo poder babilônico e esse  mesmo povo se encontra agora oprimido também por judeus mais espertos que não têm escrúpulos de explorar seus compatriotas.  Esse discurso  é o alento  de Deus ao pobre  e aos oprimidos. No Evangelho, Mateus nos diz que as obras de misericórdia são a resposta que Deus espera de nós em meio a uma situação de  desgraças e infelicidades. É com pessoas que as praticam que  o Senhor se identifica.
               O amor a Deus está intimamente ligado ao amor ao próximo. A verdadeira religião leva ao outro. A vida de alguém será considerada bem sucedida não pelos  filhos que tenha gerado, nem pelos títulos acadêmicos que possa ter obtido,  e muito  menos  pela  riqueza  que possuir. Uma vida realizada será assim considerada por Deus se a pessoa lutou por um mundo justo e fraterno, se empregou seu tempo, seus conhecimentos, sua saúde para eliminar situações em que seus irmãos se sentiam marginalizados e se não foram nem cúmplices e nem coniventes com as opressões.Cristo  é  Rei  e  Senhor  porque  na  luta  contra  o  mal  venceu   a tentação do acúmulo, da abundância e do prestígio». Cristo Jesus é o nosso Rei e Senhor. Em tudo dai sempre graças ao BOM DEUS!

    Quem é de fato o rei da sua vida? Quantas horas por dia você dedica a Cristo Jesus? O dinheiro, o poder e o prazer não lhe deixam ver os sinais de Deus em sua vida? Cristo Jesus está presente em sua proteção diária. Deus dar o sol e a lua a todos sem distinção. Mas Deus não me dar os números pra que eu possa ganhar na loteria e ficar milionário? É assim que pensam os céticos e descrentes. Quantas comunidades vivem no mundo com o fruto do seu trabalho? Inúmeras. Eu venci o mundo diz o senhor. O pragmatismo é algo que ver apenas produtividade em tudo que se faz. O dar e receber algo em troca são uma mentalidade de fato mundana! De que adianta ganhar o mundo e perder a sua salvação?     Que nada. Isso é conversa de crente. Nada disso. Isso é vivencia cristã e demonstração clara de leitura cotidiana da Sagrada Escritura! Quantas pessoas neste momento acordaram depressivas por não possuir um carro, por não possuir um apartamento, por não possuir aquilo que imagina que lhe possa trazer felicidade? Inúmeras. E quantos pobres materialmente, mas ricos de espírito já acordaram neste momento e foram à Missa agradecer a Deus por mais uma semana? Muita gente. Gente que tem fé! Como é bonito e louvável está com Deus!
    O que é mesmo essa solenidade de Cristo Rei? De acordo com o Padre Jesuíta César Augusto o Evangelho da solenidade deste domingo é o das bênçãos e das maldições que estão em Mateus, trecho também conhecido como Juízo Final. O texto celebra  a  vitória  da  justiça  ocorrida  na  ressurreição  de Jesus e no momento em que o Senhor é declarado rei para  sempre. A justiça, a verdade e a paz serão eternas. Depois de uma vida sobre a terra, depois do anúncio feito por Jesus de que Deus é nosso Pai e de que todos os habitantes da terra são irmãos, - depois  do Mestre  ter  anunciado  a  vocação de fraternidade e de ter promulgado as bem-aventuranças, depois do  Senhor ter lavado os pés dos discípulos, depois do Redentor ter  morrido na cruz e ressuscitado, depois do Ressuscitado ter feito o envio de seus apóstolos a anunciarem o Evangelho, pregarem a conversão e o batismo, - todos  aqueles  que  responderam  sim  aos  apelos amorosos de Deus,  apesar  das  diversas  dificuldades,  serão acolhidos na Casa do Pai. Como podemos apreender da atitude de Jesus, o Homem por excelência, o que conta para ser acolhido na felicidade eterna é e será sempre nossa atitude, não apenas de solidariedade, mas de fraternidade, ou seja, um passo a mais no relacionamento com o outro. Ele não é apenas alguém com quem divido o pão, o teto e os sentimentos, mas é alguém que tenho como da mesma família, da mesma  origem, a quem estou unido por laços de afeto. No Livro de Ezequiel, 1a leitura de hoje, Deus se apresenta como o Pastor, aquele  que  procura  a  ovelha  perdida,  reconduz  a extraviada,  cura a  ferida,  fortalece  a doente  e alimenta todas. Esse discurso é dirigido aos judeus  que  estão  procurando  se recuperar da destruição feita pelo poder babilônico e esse  mesmo povo se encontra agora oprimido também por judeus mais espertos que não têm escrúpulos de explorar seus compatriotas.  Esse discurso  é o alento  de Deus ao pobre  e aos oprimidos. No Evangelho, Mateus nos diz que as obras de misericórdia são a resposta que Deus espera de nós em meio a uma situação de  desgraças e infelicidades. É com pessoas que as praticam que  o Senhor se identifica.
               O amor a Deus está intimamente ligado ao amor ao próximo. A verdadeira religião leva ao outro. A vida de alguém será considerada bem sucedida não pelos  filhos que tenha gerado, nem pelos títulos acadêmicos que possa ter obtido,  e muito  menos  pela  riqueza  que possuir. Uma vida realizada será assim considerada por Deus se a pessoa lutou por um mundo justo e fraterno, se empregou seu tempo, seus conhecimentos, sua saúde para eliminar situações em que seus irmãos se sentiam marginalizados e se não foram nem cúmplices e nem coniventes com as opressões.Cristo  é  Rei  e  Senhor  porque  na  luta  contra  o  mal  venceu   a tentação do acúmulo, da abundância e do prestígio». Cristo Jesus é o nosso Rei e Senhor. Em tudo dai sempre graças ao BOM DEUS!

Contentar-se com o que Deus nos dar! A eleição já está ganha em Teresina?