1. Blogs
  2. Opinião
  3. Atacar o judiciário é atacar a democracia sim!
Publicidade

Atacar o judiciário é atacar a democracia sim!

Comentários horríveis de Eduardo Bolsonaro que sim mostram o despreparo e uma tendência de arrancar a força o que não consegue pela via normal, péssimo exemplo. Mas é importante ponderar que é também atacar a democracia quando se faz o descrédito continuado do judiciário para criar uma atmosfera de perseguição ao Lula, que foi condenado em processo regular e com amplíssima defesa e contraditório... errado também é fazer a transferência da declaração de filho para pai e não admitir a legitimidade da afirmação de um  líder do PT como é José Dirceu. A hipocrisia nacional é o pior efeito dessa disputa de defeitos graves que virou nossa eleição. Bolsonaro não é um doce de pessoa pacificadora e isenta de defeitos, o Haddad não é um candidato independente de seu mentor e pronto, falando às claras a disputa real é entre os seguidores da utopia petista e os temerosos dos excessos de Bolsonaro de um lado e os decepcionados profundamente com o PT de outro, somado por alguns que realmente creditam grandes qualidades ao "mito". Não é a eleição de um candidato, é uma escolha mais profunda, entre a esperança no PT e a péssima experiência, com alguns temperos fortes de intolerância e incoerência de ambos os lados.

Comentários horríveis de Eduardo Bolsonaro que sim mostram o despreparo e uma tendência de arrancar a força o que não consegue pela via normal, péssimo exemplo. Mas é importante ponderar que é também atacar a democracia quando se faz o descrédito continuado do judiciário para criar uma atmosfera de perseguição ao Lula, que foi condenado em processo regular e com amplíssima defesa e contraditório... errado também é fazer a transferência da declaração de filho para pai e não admitir a legitimidade da afirmação de um  líder do PT como é José Dirceu. A hipocrisia nacional é o pior efeito dessa disputa de defeitos graves que virou nossa eleição. Bolsonaro não é um doce de pessoa pacificadora e isenta de defeitos, o Haddad não é um candidato independente de seu mentor e pronto, falando às claras a disputa real é entre os seguidores da utopia petista e os temerosos dos excessos de Bolsonaro de um lado e os decepcionados profundamente com o PT de outro, somado por alguns que realmente creditam grandes qualidades ao "mito". Não é a eleição de um candidato, é uma escolha mais profunda, entre a esperança no PT e a péssima experiência, com alguns temperos fortes de intolerância e incoerência de ambos os lados.

Art. 142 e recuo de Ives Gandra O Judiciário e a recomendação do Ministério Público