1. Blogs
  2. Claudio Barros
  3. Brasileiro acredita no comunismo, que nunca foi ameaça, mas desculpa perfeita para os poderosos
Publicidade

Brasileiro acredita no comunismo, que nunca foi ameaça, mas desculpa perfeita para os poderosos

O brasileiro médio é desinformado e pouco ou nada sabe sobre a história de seu país. Pior: o pouco que sabe ainda foi passado de modo inadequado - para dizer o mínimo.

Sem informação e na mais completa ignorância sobre a história brasileira e, por extensão, da história do restante do mundo, o brasileiro médio tende a acreditar em contos, fantasias e narrativas anedóticas sobre o país.

Eu poderia passar horas apontando informações e crenças equivocadas sobre a história brasileira, mas ficarei só com a que está mais em moda nos atuais dias de histeria coletiva em que vivemos: a crença de que os comunistas podem tomar o poder no Brasil.

A chegada dos comunistas ao poder no Brasil é a mais antiga das fake news contadas em Pindorama. Chamou-se "Plano Cohen", uma conspiração comunista comandada por um judeu para prender e executar todas as autoridades brasileiras e fechar as igrejas católicas. Saiu no jornal, ganhou status de verdade e serviu como desculpa para que Getúlio Vargas, presidente do Brasil desde o golpe civil-militar de 1930, instalasse o “Estado Novo” - nome tomado emprestado de outra ditadura que falava português, a de Oliveira Salazar, ditador lusitano entre 1932 e 1968.

O Plano Cohen nunca existiu de verdade. Nem o homem judeu que deu nome a ele. Mas a ditadura Vargas existiu, perseguiu milhares de pessoas, sumiu com outras tantas. E os comunistas, evidentemente ganharam importância somente para justificar a tomada do poder.

Nunca os comunistas ou qualquer derivação de ideologias com base nas ideias marxistas prosperou no Brasil. Há mais erros e fracassos entre comunistas e afins no Brasil que êxitos capazes de pô-los no poder. No máximo, fizeram e fazem parte do establishment. Sob Lula e Dilma, por exemplo, nem de longe os comunistas estiveram no controle da situação.

Assim, aos que acreditam em uma grande conspiração comunista, socialista fabiana ou qualquer dessas bobagens do gênero, talvez convenha informar que o único êxito possível para as ideias sociais seja a de sempre se contrapor ao capitalismo, reafirmando uma necessidade primária de uma oposição de trabalho e capital, de tal modo que o segundo não venha a se sobrepor com tirania sobre o primeiro.

O brasileiro médio é desinformado e pouco ou nada sabe sobre a história de seu país. Pior: o pouco que sabe ainda foi passado de modo inadequado - para dizer o mínimo.

Sem informação e na mais completa ignorância sobre a história brasileira e, por extensão, da história do restante do mundo, o brasileiro médio tende a acreditar em contos, fantasias e narrativas anedóticas sobre o país.

Eu poderia passar horas apontando informações e crenças equivocadas sobre a história brasileira, mas ficarei só com a que está mais em moda nos atuais dias de histeria coletiva em que vivemos: a crença de que os comunistas podem tomar o poder no Brasil.

A chegada dos comunistas ao poder no Brasil é a mais antiga das fake news contadas em Pindorama. Chamou-se "Plano Cohen", uma conspiração comunista comandada por um judeu para prender e executar todas as autoridades brasileiras e fechar as igrejas católicas. Saiu no jornal, ganhou status de verdade e serviu como desculpa para que Getúlio Vargas, presidente do Brasil desde o golpe civil-militar de 1930, instalasse o “Estado Novo” - nome tomado emprestado de outra ditadura que falava português, a de Oliveira Salazar, ditador lusitano entre 1932 e 1968.

O Plano Cohen nunca existiu de verdade. Nem o homem judeu que deu nome a ele. Mas a ditadura Vargas existiu, perseguiu milhares de pessoas, sumiu com outras tantas. E os comunistas, evidentemente ganharam importância somente para justificar a tomada do poder.

Nunca os comunistas ou qualquer derivação de ideologias com base nas ideias marxistas prosperou no Brasil. Há mais erros e fracassos entre comunistas e afins no Brasil que êxitos capazes de pô-los no poder. No máximo, fizeram e fazem parte do establishment. Sob Lula e Dilma, por exemplo, nem de longe os comunistas estiveram no controle da situação.

Assim, aos que acreditam em uma grande conspiração comunista, socialista fabiana ou qualquer dessas bobagens do gênero, talvez convenha informar que o único êxito possível para as ideias sociais seja a de sempre se contrapor ao capitalismo, reafirmando uma necessidade primária de uma oposição de trabalho e capital, de tal modo que o segundo não venha a se sobrepor com tirania sobre o primeiro.

Lidar mal com estatística é quebrar a bússola para o sucesso das ações de governos Encontro dos Santos reúne 10 mil pessoas em Santa Cruz dos Milagres