1. Blogs
  2. Claudio Barros
  3. Wellington Dias extingue ZPE de Parnaíba para criar estatal de investimentos sob comando de Rafael Fonteles
Publicidade

Wellington Dias extingue ZPE de Parnaíba para criar estatal de investimentos sob comando de Rafael Fonteles

Além de ser o manda-chuva do programa de obras e marquetagem chamado PRO-Piauí, o secretáro da Fazenda, Rafael Fonteles, agora terá ainda mais poder. É que o seu chefe, o governador Wellington Dias (PT) acaba de criar uma estatal novinha em folha, chamada de Invest-Piauí.

A ZPE de Parnaíba deixa de existir como estatal e passa a fazer parte de uma nova empresa de economia mista (Foto: divulgação)

A lei que cria a estatal foi publicada na edição de ontem, do Diário Oficial do Estado, determinando expressamente que fica o estado autorizado a “constituir uma sociedade de economia mista, vinculada à Secretaria de Fazenda, com a denominação de Agência de Atração de Investimentos Estratégicos do Piauí-Investe Piauí”.

A legislação dá uma nova redação a outra lei, de número 6.021, de 5 de outubro de 2010, esta da lavra do ex-governador Wilson Martins, que criava a Zona de Processamento de Exportação de Parnaíba - ZPE Parnaíba,  vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (Sedet).

Na prática, Wellington Dias extinguiu a ZPE de Parnaíba e em seu lugar cria uma empresa que poderá, segundo a nova lei, “implementar, administrar, operar, explorar industrial e comercialmente os polos empresariais, centros logísticos, parques tecnológicos, portos marítimos e demais infraestruturas correlatas, podendo, inclusive, com a autorização do Estado do Piauí, concedê-los a terceiros”.

A empresa estatal novinha em folha também poderá ,”poderá participar de outros empreendimentos cuja finalidade esteja relacionada ao seu objeto social, para o que poderá constituir ou participar de outras sociedades, inclusive subsidiárias integrais, assim como explorar sua infraestrutura objetivando a prestação de outros serviços”.

Com base na legislação federal que rege as empresas de economia mista, a nova estatal Invest-Piauí poderá criar subsidiárias integrais, participar de outras sociedades, inclusive do capital de sociedades industriais, comerciais, agrícolas, agroindustriais, startups, SPEs e de serviços, com utilização de recursos financeiros próprios ou bens de seu patrimônio, ou com recursos decorrentes de aporte para aumento futuro de capital, visando a estimular o crescimento econômico do Estado do Piauí e adquirir quotas de fundos de investimentos..

Segundo a lei, são atribuições da nova estatal piauiense:

  • Gerenciar técnica, operacional, administrativa, comercial e industrialmente a infraestrutura e os serviços relacionados com os polos empresariais, centros logísticos, parques tecnológicos, portos marítimos e demais infraestruturas correlatas.
  • Implementar e modernizar órgãos, instalações ou estruturas de apoio à sua área de atuação.
  • Coordenar, executar, fiscalizar e administrar obras de infraestrutura relacionadas com a sua área de atuação.
  • Promover a formação, o treinamento e o aperfeiçoamento de pessoal especializado em suas áreas de atuação e explorar comercialmente essas atividades.
  • Elaborar estudos, planos e projetos ou contratar obras e serviços relacionados com o seu objeto social.
  • Desenvolver tecnologias de produção, produtos e processos e outras tecnologias de interesse direto ou correlato.
  • Contribuir para a implementação de ações necessárias à promoção, ao desenvolvimento, à absorção, à transferência e à manutenção de tecnologias críticas e conhecimentos técnico-científicos relacionados com a sua área de atuação
  • Celebrar contratos, termos de parceria, ajustes, acordos, convênios e instrumentos congêneres considerados necessários ao cumprimento do seu objeto social.
  • Estimular e apoiar, técnica e financeiramente, as atividades de pesquisa e de desenvolvimento, relacionadas com o seu objeto social.
  • Captar financiamentos, nacionais ou internacionais; XI - executar outras atividades relacionadas com o seu objeto social.

Além de ser o manda-chuva do programa de obras e marquetagem chamado PRO-Piauí, o secretáro da Fazenda, Rafael Fonteles, agora terá ainda mais poder. É que o seu chefe, o governador Wellington Dias (PT) acaba de criar uma estatal novinha em folha, chamada de Invest-Piauí.

A ZPE de Parnaíba deixa de existir como estatal e passa a fazer parte de uma nova empresa de economia mista (Foto: divulgação)

A lei que cria a estatal foi publicada na edição de ontem, do Diário Oficial do Estado, determinando expressamente que fica o estado autorizado a “constituir uma sociedade de economia mista, vinculada à Secretaria de Fazenda, com a denominação de Agência de Atração de Investimentos Estratégicos do Piauí-Investe Piauí”.

A legislação dá uma nova redação a outra lei, de número 6.021, de 5 de outubro de 2010, esta da lavra do ex-governador Wilson Martins, que criava a Zona de Processamento de Exportação de Parnaíba - ZPE Parnaíba,  vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (Sedet).

Na prática, Wellington Dias extinguiu a ZPE de Parnaíba e em seu lugar cria uma empresa que poderá, segundo a nova lei, “implementar, administrar, operar, explorar industrial e comercialmente os polos empresariais, centros logísticos, parques tecnológicos, portos marítimos e demais infraestruturas correlatas, podendo, inclusive, com a autorização do Estado do Piauí, concedê-los a terceiros”.

A empresa estatal novinha em folha também poderá ,”poderá participar de outros empreendimentos cuja finalidade esteja relacionada ao seu objeto social, para o que poderá constituir ou participar de outras sociedades, inclusive subsidiárias integrais, assim como explorar sua infraestrutura objetivando a prestação de outros serviços”.

Com base na legislação federal que rege as empresas de economia mista, a nova estatal Invest-Piauí poderá criar subsidiárias integrais, participar de outras sociedades, inclusive do capital de sociedades industriais, comerciais, agrícolas, agroindustriais, startups, SPEs e de serviços, com utilização de recursos financeiros próprios ou bens de seu patrimônio, ou com recursos decorrentes de aporte para aumento futuro de capital, visando a estimular o crescimento econômico do Estado do Piauí e adquirir quotas de fundos de investimentos..

Segundo a lei, são atribuições da nova estatal piauiense:

  • Gerenciar técnica, operacional, administrativa, comercial e industrialmente a infraestrutura e os serviços relacionados com os polos empresariais, centros logísticos, parques tecnológicos, portos marítimos e demais infraestruturas correlatas.
  • Implementar e modernizar órgãos, instalações ou estruturas de apoio à sua área de atuação.
  • Coordenar, executar, fiscalizar e administrar obras de infraestrutura relacionadas com a sua área de atuação.
  • Promover a formação, o treinamento e o aperfeiçoamento de pessoal especializado em suas áreas de atuação e explorar comercialmente essas atividades.
  • Elaborar estudos, planos e projetos ou contratar obras e serviços relacionados com o seu objeto social.
  • Desenvolver tecnologias de produção, produtos e processos e outras tecnologias de interesse direto ou correlato.
  • Contribuir para a implementação de ações necessárias à promoção, ao desenvolvimento, à absorção, à transferência e à manutenção de tecnologias críticas e conhecimentos técnico-científicos relacionados com a sua área de atuação
  • Celebrar contratos, termos de parceria, ajustes, acordos, convênios e instrumentos congêneres considerados necessários ao cumprimento do seu objeto social.
  • Estimular e apoiar, técnica e financeiramente, as atividades de pesquisa e de desenvolvimento, relacionadas com o seu objeto social.
  • Captar financiamentos, nacionais ou internacionais; XI - executar outras atividades relacionadas com o seu objeto social.
É preciso que a gente siga com ódio e nojo de qualquer ditadura Jornalista vê um Piauí perfeito com Wellington Dias no governo, mas essa perfeição só existe no lindo mundo da propaganda oficial