1. Blogs
  2. Claudio Barros
  3. Relatório do Tesouro Nacional aponta para insolvência do Piauí e mais 15 Estados
Publicidade

Relatório do Tesouro Nacional aponta para insolvência do Piauí e mais 15 Estados

Reportagem publicada nesta quarta-feira pelo jornal O Estado de São Paulo indica que o Estado do Piauí estaria insolvente. Segundo um quadro ilustrativo na reportagem (infográfico), o comprometimento das receitas líquidas correntes liquidas com pagamento de pessoal já seria de 68% - muito além dos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. 

De acordo com a reportagem do Estadão, mais da metade dos Estados descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no ano passado ao estourar o limite de gastos com pessoal. Os dados estão em um relatório divulgado na véspera pela Secretaria do Tesouro Nacional, mostrando que as coisas são estão piorando.

O documento informa que em 2017, 16 Estados e o Distrito Federal extrapolaram as despesas com salários e aposentadorias. No anterior, foram nove Estados.

A pior situação é a do Rio Grande do Norte, onde o governo estadual já despende 86% das receitas com o pagamento de pessoal. O máximo permitido pela Lei de Responsabilidade é 49% para o executivo e mais 11% para os demais poderes – podendo o valor dessa despesa chega a 60% das receitas correntes líquidas. Por esse parâmetro, o Piauí já está desde 2017 muito longe do limite legalmente aceito.

Estados como o Piauí, que em 2017 aplicaram dois de cada três reais arrecadados em pagamento de servidores estão perigosamente próximos da insolvência. Segundo o Estado de São Paulo, “ao destinar a maior parte da receita para pagar servidores, sobra cada vez menos para manter o funcionamento de serviços básicos que estão sob a responsabilidade dos Estados, como segurança e educação”.

A Secretaria do Tesouro Nacional alerta que “se não forem revistos os parâmetros constitucionais atuais, há grande risco de ampliação das situações de insolvência nos próximos anos”.

Essa situação é ainda mais grave em cinco Estados que já gastam quatro de cada cinco reais de suas receitas para pagar pessoal, com o comprometimento com gastos de pessoal já ultrapassando os 75% da receita corrente líquida: Rio Grande do Norte (86%), Rio de Janeiro (81%), Minas Gerais (79%), Rio Grande do Sul (78%) e Mato Grosso do Sul (77%). O Distrito Federal ficou fora desse top five negativo por apenas um ponto percentual, já que compromete 74% das receitas correntes líquidas com pessoal.

Em todos esses Estados e no DF, a concessão de reajustes salariais sempre esteve acima do crescimento das receitas. Quando o dinheiro parou de entrar nos cofres públicos, a situação foi ficando cada vez pior.

Caso do Rio Grande do Norte, que no fim do ano passado pressionou o governo federal por uma medida provisória (MP) para repassar dinheiro ao Estado e ajudar no pagamento de salários dos servidores – o que seria ilegal. O Ministério da Fazenda barrou a medida. Minas

De 2005 a 2016, o gasto per capita com servidores estaduais teve alta real média de 57%, sendo que em cinco Estados o avanço foi de mais de 80% acima da inflação. O resultado que se vê agora é o endividamento elevado de alguns Estados e uma folha de pessoal crescente e incompatível com seu volume normal de receitas.

A reportagem do Estadão cita que o economista piauiense Raul Velloso, especialista em contas públicas, que vê a situação ainda mais grave. Ele pondera que o relatório do Tesouro “não conta toda a história” da trajetória de endividamento dos Estados.

“O Tesouro constata que os gastos com pessoal passaram do limite e deduz que o Estado está insolvente. Mas é preciso entender a causa para apontar um ‘caminho da salvação’.” Ele avalia que a principal fonte de problemas das folhas dos governos estaduais hoje está nos servidores aposentados e que os governadores eleitos devem, a partir do ano que vem, traçar estratégias para reverter os gastos crescentes.

Reportagem publicada nesta quarta-feira pelo jornal O Estado de São Paulo indica que o Estado do Piauí estaria insolvente. Segundo um quadro ilustrativo na reportagem (infográfico), o comprometimento das receitas líquidas correntes liquidas com pagamento de pessoal já seria de 68% - muito além dos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. 

De acordo com a reportagem do Estadão, mais da metade dos Estados descumpriram a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no ano passado ao estourar o limite de gastos com pessoal. Os dados estão em um relatório divulgado na véspera pela Secretaria do Tesouro Nacional, mostrando que as coisas são estão piorando.

O documento informa que em 2017, 16 Estados e o Distrito Federal extrapolaram as despesas com salários e aposentadorias. No anterior, foram nove Estados.

A pior situação é a do Rio Grande do Norte, onde o governo estadual já despende 86% das receitas com o pagamento de pessoal. O máximo permitido pela Lei de Responsabilidade é 49% para o executivo e mais 11% para os demais poderes – podendo o valor dessa despesa chega a 60% das receitas correntes líquidas. Por esse parâmetro, o Piauí já está desde 2017 muito longe do limite legalmente aceito.

Estados como o Piauí, que em 2017 aplicaram dois de cada três reais arrecadados em pagamento de servidores estão perigosamente próximos da insolvência. Segundo o Estado de São Paulo, “ao destinar a maior parte da receita para pagar servidores, sobra cada vez menos para manter o funcionamento de serviços básicos que estão sob a responsabilidade dos Estados, como segurança e educação”.

A Secretaria do Tesouro Nacional alerta que “se não forem revistos os parâmetros constitucionais atuais, há grande risco de ampliação das situações de insolvência nos próximos anos”.

Essa situação é ainda mais grave em cinco Estados que já gastam quatro de cada cinco reais de suas receitas para pagar pessoal, com o comprometimento com gastos de pessoal já ultrapassando os 75% da receita corrente líquida: Rio Grande do Norte (86%), Rio de Janeiro (81%), Minas Gerais (79%), Rio Grande do Sul (78%) e Mato Grosso do Sul (77%). O Distrito Federal ficou fora desse top five negativo por apenas um ponto percentual, já que compromete 74% das receitas correntes líquidas com pessoal.

Em todos esses Estados e no DF, a concessão de reajustes salariais sempre esteve acima do crescimento das receitas. Quando o dinheiro parou de entrar nos cofres públicos, a situação foi ficando cada vez pior.

Caso do Rio Grande do Norte, que no fim do ano passado pressionou o governo federal por uma medida provisória (MP) para repassar dinheiro ao Estado e ajudar no pagamento de salários dos servidores – o que seria ilegal. O Ministério da Fazenda barrou a medida. Minas

De 2005 a 2016, o gasto per capita com servidores estaduais teve alta real média de 57%, sendo que em cinco Estados o avanço foi de mais de 80% acima da inflação. O resultado que se vê agora é o endividamento elevado de alguns Estados e uma folha de pessoal crescente e incompatível com seu volume normal de receitas.

A reportagem do Estadão cita que o economista piauiense Raul Velloso, especialista em contas públicas, que vê a situação ainda mais grave. Ele pondera que o relatório do Tesouro “não conta toda a história” da trajetória de endividamento dos Estados.

“O Tesouro constata que os gastos com pessoal passaram do limite e deduz que o Estado está insolvente. Mas é preciso entender a causa para apontar um ‘caminho da salvação’.” Ele avalia que a principal fonte de problemas das folhas dos governos estaduais hoje está nos servidores aposentados e que os governadores eleitos devem, a partir do ano que vem, traçar estratégias para reverter os gastos crescentes.

Wellington Dias extingue ZPE de Parnaíba para criar estatal de investimentos sob comando de Rafael Fonteles Pobreza absoluta aumenta em todo o Brasil; no Piauí dobra, diz jornal