1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Cadeia para Deltan?
Publicidade

Cadeia para Deltan?

O título acima tem ocupado as páginas dos principais jornais do país nos últimos dias, onde jornalistas engajados na tarefa de acabar com a Lava Jato fazem verdadeiros tratados jurídicos sobre os “supostos” erros cometidos pelo chefe da Lava chato em Curitiba, o procurador da República Deltan Dallagnol. 

Agora, até mesmo o STF (Supremo Tribunal Federal) entrou na refrega, no momento em que dois dos seus ministros, Luís Fux e Alexandre Morais, instaram a Polícia Federal a enviá-los todo o material hackeados em estado bruto, já que não houve perícia para servirem de lastro nas denúncias que pretendem impingir em desfavor de Deltan Dallagnol. Um despautério.

Nesse mar de absurdos em que se tornou a nossa mais alta corte de justiça, pelo menos uma voz sensata se fez ouvir no dia de ontem. 

Em uma palestra proferida em São Paulo, o ministro Luiz Roberto Barroso, ao ser questionado sobre essa barafunda causada pelo americano Glen Greenwald, do site The Intercept, não economizou palavras ao dizer que considera impressionante a quantidade de pessoas “eufóricas” com os hackers “celebrando o crime”.

Disse mais o ministro Barroso, há mais fofoca do que fatos relevantes, apesar do esforço de se maximizarem esses fatos”. 

O ministro Barroso foi além ao dizer que “nada encobre o fato de que a Petrobras foi devastada pela corrupção. Não importa o que tenha. Não importa o que saia das gravações (...) Nada encobre a corrupção sistêmica, estrutural e institucionalizada que houve no Brasil.”

O Ministro Barroso ainda disse na sua fala que a Petrobras teve que arcar com desembolsos da ordem de US$ 3 bilhões na justiça americana em acordos judicias, acionada que foi por investidores estrangeiros. 

Palavras de um sensato ministro do STF. 

É isso. 

O título acima tem ocupado as páginas dos principais jornais do país nos últimos dias, onde jornalistas engajados na tarefa de acabar com a Lava Jato fazem verdadeiros tratados jurídicos sobre os “supostos” erros cometidos pelo chefe da Lava chato em Curitiba, o procurador da República Deltan Dallagnol. 

Agora, até mesmo o STF (Supremo Tribunal Federal) entrou na refrega, no momento em que dois dos seus ministros, Luís Fux e Alexandre Morais, instaram a Polícia Federal a enviá-los todo o material hackeados em estado bruto, já que não houve perícia para servirem de lastro nas denúncias que pretendem impingir em desfavor de Deltan Dallagnol. Um despautério.

Nesse mar de absurdos em que se tornou a nossa mais alta corte de justiça, pelo menos uma voz sensata se fez ouvir no dia de ontem. 

Em uma palestra proferida em São Paulo, o ministro Luiz Roberto Barroso, ao ser questionado sobre essa barafunda causada pelo americano Glen Greenwald, do site The Intercept, não economizou palavras ao dizer que considera impressionante a quantidade de pessoas “eufóricas” com os hackers “celebrando o crime”.

Disse mais o ministro Barroso, há mais fofoca do que fatos relevantes, apesar do esforço de se maximizarem esses fatos”. 

O ministro Barroso foi além ao dizer que “nada encobre o fato de que a Petrobras foi devastada pela corrupção. Não importa o que tenha. Não importa o que saia das gravações (...) Nada encobre a corrupção sistêmica, estrutural e institucionalizada que houve no Brasil.”

O Ministro Barroso ainda disse na sua fala que a Petrobras teve que arcar com desembolsos da ordem de US$ 3 bilhões na justiça americana em acordos judicias, acionada que foi por investidores estrangeiros. 

Palavras de um sensato ministro do STF. 

É isso. 

Data a ser esquecida Merece aplausos