1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Gente sem noção
Publicidade

Gente sem noção

A Câmara Municipal de Teresina, totalmente alienada do momento atual da vida nacional, convidou o Superintendente em Teresina da INFRAERO, empresa do governo federal, responsável pela administração dos aeroportos nacionais, para participar de uma sessão nesta manhã de segunda-feira, e ao mesmo tempo discorrer sobre as condições atuais de funcionamento do Aeroporto Petrônio Portella.

Os edis teresinense chegaram até mesmo a questioná-lo sobre a possibilidade da INFRAERO construir um aeroporto internacional em Teresina.

O senhor Superintendente da INFRAERO , como não poderia deixar de ser, comunicou aos “antenados” vereadores que, o aeroporto Petrônio Portella consta na relação dos mais de vinte aeroportos em todo o Brasil , que integram o programa de privatização do governo Jair Bolsonaro, a ser implementado nos próximos meses. 

Talvez, a maioria dos atuais e dispendiosos vereadores da Câmara Municipal de Teresina, não saibam que , ainda no governo do ex-presidente Lula , a INFRAERO, tinha em caixa recursos suficientes destinados especificamente para dotar o aeroporto de Teresina de padrão internacional, mudando toda aquela estrutura atualmente existente. 

Uma nova casa de passageiros seria construída, passando a atual de embarque e desembarque, a servir para acomodar órgãos vinculados ao transporte aéreo como um todo.

Essa nova estação de passageiros, seria contemplada com cinco passarelas denominadas fingers, como as instaladas em novembro de 2018 no aeroporto internacional Presidente Castro Pinto na região Metropolitana de João Pessoa, capital da Paraíba. 

Será que os nobres edis de Teresina, pelo menos desconfiam dos reais motivos que inviabilizaram essa grande reforma do aeroporto Petrônio Portella?

Em reunião da qual o Superintendente da INFRAERO à época se fez presente, contando ainda com a presença de alguns deputados federais, como também do prefeito da época e um ex-prefeito realizada na sede da INFRAERO em Brasília, simplesmente , esses cidadãos , prefeito e ex-prefeito, não se sabendo por quais motivações , passaram a discordar do Projeto já elaborado , inviabilizando por completo a aplicação dos recursos assegurados nos cofres da INFRAERO.

Como houve uma discrepância que se mostrou ao longo dos dias, inconciliável entre os políticos piauienses naquele instante, a INFRAERO , para não devolver os recursos aoTesouro Nacional, alocou os recursos para a reforma de outro aeroporto. 

Desconfio até, que esses recursos destinados a ampla reforma do aeroporto Petrônio Portella, tenham sido alocados e utilizados pela INFRAERO , no aeroporto da capital do Amapá, Macapá, obra recentemente inaugurada pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Isso é que é gol contra.

A Câmara Municipal de Teresina, totalmente alienada do momento atual da vida nacional, convidou o Superintendente em Teresina da INFRAERO, empresa do governo federal, responsável pela administração dos aeroportos nacionais, para participar de uma sessão nesta manhã de segunda-feira, e ao mesmo tempo discorrer sobre as condições atuais de funcionamento do Aeroporto Petrônio Portella.

Os edis teresinense chegaram até mesmo a questioná-lo sobre a possibilidade da INFRAERO construir um aeroporto internacional em Teresina.

O senhor Superintendente da INFRAERO , como não poderia deixar de ser, comunicou aos “antenados” vereadores que, o aeroporto Petrônio Portella consta na relação dos mais de vinte aeroportos em todo o Brasil , que integram o programa de privatização do governo Jair Bolsonaro, a ser implementado nos próximos meses. 

Talvez, a maioria dos atuais e dispendiosos vereadores da Câmara Municipal de Teresina, não saibam que , ainda no governo do ex-presidente Lula , a INFRAERO, tinha em caixa recursos suficientes destinados especificamente para dotar o aeroporto de Teresina de padrão internacional, mudando toda aquela estrutura atualmente existente. 

Uma nova casa de passageiros seria construída, passando a atual de embarque e desembarque, a servir para acomodar órgãos vinculados ao transporte aéreo como um todo.

Essa nova estação de passageiros, seria contemplada com cinco passarelas denominadas fingers, como as instaladas em novembro de 2018 no aeroporto internacional Presidente Castro Pinto na região Metropolitana de João Pessoa, capital da Paraíba. 

Será que os nobres edis de Teresina, pelo menos desconfiam dos reais motivos que inviabilizaram essa grande reforma do aeroporto Petrônio Portella?

Em reunião da qual o Superintendente da INFRAERO à época se fez presente, contando ainda com a presença de alguns deputados federais, como também do prefeito da época e um ex-prefeito realizada na sede da INFRAERO em Brasília, simplesmente , esses cidadãos , prefeito e ex-prefeito, não se sabendo por quais motivações , passaram a discordar do Projeto já elaborado , inviabilizando por completo a aplicação dos recursos assegurados nos cofres da INFRAERO.

Como houve uma discrepância que se mostrou ao longo dos dias, inconciliável entre os políticos piauienses naquele instante, a INFRAERO , para não devolver os recursos aoTesouro Nacional, alocou os recursos para a reforma de outro aeroporto. 

Desconfio até, que esses recursos destinados a ampla reforma do aeroporto Petrônio Portella, tenham sido alocados e utilizados pela INFRAERO , no aeroporto da capital do Amapá, Macapá, obra recentemente inaugurada pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Isso é que é gol contra.

Capacitando gerações O caos na educação pública estadual