1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. E os pagadores de impostos que se lasquem
Publicidade

E os pagadores de impostos que se lasquem

A coluna de hoje do jornalista Arimatéia Azevedo desta sexta-feira, levanta uma pequena ponta de um gigantesco iceberg, que é a farra patrocinada pelos pagadores de impostos deste Estado para a classe política estadual. 

A imoralidade , diz respeito aos deputados estaduais que, ao deixarem as suas cadeiras na Assembleia Legislativa para ocuparem secretarias de Estado, simplesmente voltaram a tomar assento nos seus gabinetes , não admitindo mais, que os suplentes  passassem a auferir as mesmas vantagens do titular do mandato. 

Uma lavagem de dinheiro dentro da Assembleia Legislativa é prática usual já que, o suplente que assume , repassa ao titular uma tal de “verba indenizatória” tudo conforme estabelece as regras da corrupção vigente, pois, o titular do mandato inunda o gabinete do suplente de Notas Fiscais frias, relativas às despesas não realizadas com combustível, locação de veículos, prestação de serviços de assessoria jurídica, contábil e de imprensa. 

Essas “despesas “ são depositadas pela Assembleia Legislativa nas contas dos suplentes , que imediatamente sacam na boca do caixa esse montante que deve beirar à casa dos R$ 100 mil reais e entregam limpo e seco a um preposto do titular do mandato. 

Pelo que noticia Arimateia Azevedo, os seis suplentes que exerciam os mandatos há sete meses, foram defenestrados em decorrência de uma “rebeldia “ pois, destoando do previamente acordado com o governador Wellington Dias que os colocou na condição de deputados, eles suplentes , não estariam mais dispostos a continuar operando a lavanderia. 

E o mais imoral nessa patranha é que, os seis deputados que voltaram a ocupar as suas cadeiras na Assembleia Legislativa, vão para a imprensa e passam a dizer que, a motivação que os fizeram deixar as secretarias que ocupavam, seria o desejo de participarem e aprovarem as autorizações de empréstimos que o Governador Wellington Dias pretende enviar ao poder legislativo nos próximos dias. É muita falta de vergonha. 

E quando se pensa , que de tudo se viu nesse mar de degenerescência moral e ética neste Estado do Piauí em desfavor dos pagadores de impostos, eis que uma lavanderia operava na Assembleia . 

Foi com essa prática criminosa instalada há anos , que a palavra OPOSIÇÃO, foi abolida do dicionário político piauiense. Para sempre.

A coluna de hoje do jornalista Arimatéia Azevedo desta sexta-feira, levanta uma pequena ponta de um gigantesco iceberg, que é a farra patrocinada pelos pagadores de impostos deste Estado para a classe política estadual. 

A imoralidade , diz respeito aos deputados estaduais que, ao deixarem as suas cadeiras na Assembleia Legislativa para ocuparem secretarias de Estado, simplesmente voltaram a tomar assento nos seus gabinetes , não admitindo mais, que os suplentes  passassem a auferir as mesmas vantagens do titular do mandato. 

Uma lavagem de dinheiro dentro da Assembleia Legislativa é prática usual já que, o suplente que assume , repassa ao titular uma tal de “verba indenizatória” tudo conforme estabelece as regras da corrupção vigente, pois, o titular do mandato inunda o gabinete do suplente de Notas Fiscais frias, relativas às despesas não realizadas com combustível, locação de veículos, prestação de serviços de assessoria jurídica, contábil e de imprensa. 

Essas “despesas “ são depositadas pela Assembleia Legislativa nas contas dos suplentes , que imediatamente sacam na boca do caixa esse montante que deve beirar à casa dos R$ 100 mil reais e entregam limpo e seco a um preposto do titular do mandato. 

Pelo que noticia Arimateia Azevedo, os seis suplentes que exerciam os mandatos há sete meses, foram defenestrados em decorrência de uma “rebeldia “ pois, destoando do previamente acordado com o governador Wellington Dias que os colocou na condição de deputados, eles suplentes , não estariam mais dispostos a continuar operando a lavanderia. 

E o mais imoral nessa patranha é que, os seis deputados que voltaram a ocupar as suas cadeiras na Assembleia Legislativa, vão para a imprensa e passam a dizer que, a motivação que os fizeram deixar as secretarias que ocupavam, seria o desejo de participarem e aprovarem as autorizações de empréstimos que o Governador Wellington Dias pretende enviar ao poder legislativo nos próximos dias. É muita falta de vergonha. 

E quando se pensa , que de tudo se viu nesse mar de degenerescência moral e ética neste Estado do Piauí em desfavor dos pagadores de impostos, eis que uma lavanderia operava na Assembleia . 

Foi com essa prática criminosa instalada há anos , que a palavra OPOSIÇÃO, foi abolida do dicionário político piauiense. Para sempre.

Capacitando gerações O conforto do DETRAN