1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Doutor Pessoa, o eterno Marionete
Publicidade

Doutor Pessoa, o eterno Marionete

Todas as vezes que se aproximam as eleições partidárias no Estado do Piauí, sejam elas quais forem, um nome vem sempre à tona a postular um mandato.

Dr. Pessoa, ex-vereador e ex-deputado estadual, está sempre sendo lembrado, pelos detentores do poder político local, como uma alternativa populista a servir aos interesses de determinados políticos locais.

Aos fatos: na eleição municipal de 2016, Dr.Pessoa candidatou-se a prefeito de Teresina, contando com o apoio da máquina administrativa e financeira do Palácio de Karnak, chegando mesmo a dar um susto no candidato vitorioso, o atual prefeito Firmino Filho. 

Já agora, na última eleição, Dr Pessoa embalado pela performance da disputa à Prefeitura de Teresina, filia-se ao partido Solidariedade e se lança candidato ao governo do Estado.

Diante da possibilidade de Dr. Pessoa fazer algum tipo de sombra à candidatura de Wellington Dias, o comandante da campanha, senador Ciro Nogueira, persuadiu- não se sabe com que tipo de argumentos- o dono do partido Solidariedade, o notório Deputado Federal por São Paulo, Paulinho da Força, a sacar o nome do Dr Pessoa da postulação ao governo do Estado, colocando-o como candidato ao Senado Federal, num grupo de políticos endinheirados. Nesse grupo, tem-se o próprio Ciro Nogueira, além de Wilson Martins e o presidente do PMDB estadual e detentor de vários mandatos, deputado Marcelo Castro. Nesse contexto, chances da candidatura de Dr. Pessoa lograr êxito nessa disputa igual a zero.

Portanto, Dr. Pessoa foi usado como um boneco de marionete para atender interesses da oligarquia dominante.

O ano de 2019 mal começou e o nome do Dr. Pessoa já começa a ser incensado pelos conhecidos caciques da política local. Já o filiam ao PMDB, escolhem logo um vice para compor a chapa e colocam à disposição de Dr. Pessoa os meios de comunicação regiamente remunerados, na tentativa de tê-lo como uma alternativa para se contrapor ao candidato a vir a ser apoiado pelo prefeito Firmino Filho.

O filósofo alemão Karl Marx, em dos seus textos mais celebrados, O Dezoito Brumário de Louis Bonaparte, diz que: “A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”. 

Essa segunda alternativa, aventada por Karl Marx em relação à repetição de fatos históricos, pode estar ocorrendo na política teresinense já que, apesar de ter sido lançado candidato à sucessão de Firmino Filho pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Piauí, deputado Themistocles Filho, Dr. Pessoa já passa a sofrer oposição da figura de maior expressão no PMDB piauiense, o senador Marcelo Castro que, em entrevistas recentes ventilou outros nomes como alternativas para a disputa pela posse do Palácio da Cidade em 2020.

Em se confirmando mais essa rasteira a ser-lhe aplicada, Dr. Pessoa deveria se despir desse eterno personagem de teatro de marionetes.

É isso.
 

Todas as vezes que se aproximam as eleições partidárias no Estado do Piauí, sejam elas quais forem, um nome vem sempre à tona a postular um mandato.

Dr. Pessoa, ex-vereador e ex-deputado estadual, está sempre sendo lembrado, pelos detentores do poder político local, como uma alternativa populista a servir aos interesses de determinados políticos locais.

Aos fatos: na eleição municipal de 2016, Dr.Pessoa candidatou-se a prefeito de Teresina, contando com o apoio da máquina administrativa e financeira do Palácio de Karnak, chegando mesmo a dar um susto no candidato vitorioso, o atual prefeito Firmino Filho. 

Já agora, na última eleição, Dr Pessoa embalado pela performance da disputa à Prefeitura de Teresina, filia-se ao partido Solidariedade e se lança candidato ao governo do Estado.

Diante da possibilidade de Dr. Pessoa fazer algum tipo de sombra à candidatura de Wellington Dias, o comandante da campanha, senador Ciro Nogueira, persuadiu- não se sabe com que tipo de argumentos- o dono do partido Solidariedade, o notório Deputado Federal por São Paulo, Paulinho da Força, a sacar o nome do Dr Pessoa da postulação ao governo do Estado, colocando-o como candidato ao Senado Federal, num grupo de políticos endinheirados. Nesse grupo, tem-se o próprio Ciro Nogueira, além de Wilson Martins e o presidente do PMDB estadual e detentor de vários mandatos, deputado Marcelo Castro. Nesse contexto, chances da candidatura de Dr. Pessoa lograr êxito nessa disputa igual a zero.

Portanto, Dr. Pessoa foi usado como um boneco de marionete para atender interesses da oligarquia dominante.

O ano de 2019 mal começou e o nome do Dr. Pessoa já começa a ser incensado pelos conhecidos caciques da política local. Já o filiam ao PMDB, escolhem logo um vice para compor a chapa e colocam à disposição de Dr. Pessoa os meios de comunicação regiamente remunerados, na tentativa de tê-lo como uma alternativa para se contrapor ao candidato a vir a ser apoiado pelo prefeito Firmino Filho.

O filósofo alemão Karl Marx, em dos seus textos mais celebrados, O Dezoito Brumário de Louis Bonaparte, diz que: “A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”. 

Essa segunda alternativa, aventada por Karl Marx em relação à repetição de fatos históricos, pode estar ocorrendo na política teresinense já que, apesar de ter sido lançado candidato à sucessão de Firmino Filho pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Piauí, deputado Themistocles Filho, Dr. Pessoa já passa a sofrer oposição da figura de maior expressão no PMDB piauiense, o senador Marcelo Castro que, em entrevistas recentes ventilou outros nomes como alternativas para a disputa pela posse do Palácio da Cidade em 2020.

Em se confirmando mais essa rasteira a ser-lhe aplicada, Dr. Pessoa deveria se despir desse eterno personagem de teatro de marionetes.

É isso.
 

Capacitando gerações O fim do pagamento pela carteira estudantil