1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Data a ser esquecida
Publicidade

Data a ser esquecida

Há exatos 51 anos, coincidentemente, uma sexta-feira 13, o Brasil iniciava o pedido mais negro da sua história. 

A edição do famigerado Ato Institucional número 5 jogou o país no abismo de uma feroz ditadura, ao suprimir todas as garantias individuais dos cidadãos.  

É célebre a expressão do Ministro do Trabalho e Previdência Social à época, Coronel Jarbas Gonçalves Passarinho, quando da assinatura do maldito AI-5, ao chegar a sua vez de apor a sua assinatura no decreto editado pelo General Artur  da Costa e Silva: “ Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência.” 

A frase foi modificada quando da feitura da Ata da malfadada reunião, sem que o sentido fosse modificado. No lugar da expressão às “favas”, trocaram pela conjunção verbal “ignoro”, o que dá na mesma falta de pudor, uma abjeção. 

Esse 13 de dezembro do nosso calendário gregoriano deveria ser sempre lembrado ensinando aos 75% da população que não tinha nem nascido ainda nesta data que, fora da democracia, não existe salvação. 

É isso.

Há exatos 51 anos, coincidentemente, uma sexta-feira 13, o Brasil iniciava o pedido mais negro da sua história. 

A edição do famigerado Ato Institucional número 5 jogou o país no abismo de uma feroz ditadura, ao suprimir todas as garantias individuais dos cidadãos.  

É célebre a expressão do Ministro do Trabalho e Previdência Social à época, Coronel Jarbas Gonçalves Passarinho, quando da assinatura do maldito AI-5, ao chegar a sua vez de apor a sua assinatura no decreto editado pelo General Artur  da Costa e Silva: “ Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência.” 

A frase foi modificada quando da feitura da Ata da malfadada reunião, sem que o sentido fosse modificado. No lugar da expressão às “favas”, trocaram pela conjunção verbal “ignoro”, o que dá na mesma falta de pudor, uma abjeção. 

Esse 13 de dezembro do nosso calendário gregoriano deveria ser sempre lembrado ensinando aos 75% da população que não tinha nem nascido ainda nesta data que, fora da democracia, não existe salvação. 

É isso.

As prévias da Potycabana Casa do Povo ou Templo Maçônico?