1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Um carnaval de “honrarias”
Publicidade

Um carnaval de “honrarias”

A desfaçatez, um verdadeiro ponto fora da curva da personalidade do ser humano, acreditamos ser inerente à maioria da classe política brasileira, com destaque para os que aqui atuam neste Estado do Piauí. 

Os parlamentos brasileiros têm, como funções precípuas, a elaboração de leis que atendam aos anseios e às demandas das populações nas quais se encontram inseridos. 

Outra atividade inerente ao parlamento (seja ele, federal, estadual ou municipal) é a permanente fiscalização e controle relativos à correta aplicação dos impostos pagos por toda a população, nos três níveis governamentais. 

Lamentavelmente, essas funções explicitadas na Constituição Federal passam ao largo de Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e do próprio Congresso Nacional.  

Por outro lado, a Câmara Municipal do município de Teresina e a Assembleia Legislativa do Estado do Piauí, frequentemente se destacam, não pelos acalorados debates em torno de ideias, projetos de leis, confrontos ideológicos ou questionando a correta aplicação pelo poder executivo, do dinheiro da população ou outros temas de interesse da sociedade que dizem representar. 

Agora, a propositura de verdadeiros escárnios (concessão de títulos honoríficos de cidadania) estão sempre na ordem do dia,  a contemplar figuras que em nada contribuíram para dar um pouco de dignidade à gente piauiense.

Através da coluna deste domingo do jornalista Arimateia Azevedo, do Portal AZ, somos informados de que uma nova leva de títulos de cidadania piauiense, brevemente será distribuída sendo uma delas, por propositura do deputado Marden Meneses, a um certo Wesley Safadão. 

Só pelo nome do homenageado, essa honraria deveria ser negada, já que, a população piauiense, através dos seus representantes, estaria outorgando um título de cidadania a um pessoa que nada fez pelo Estado do Piauí e ainda carrega no próprio sobrenome o termo “safadão”, ou seja, segundo definição dos dicionários pátrios, aquele que age descararadamente.

É de difícil compreensão para os pagadores de impostos deste Estado do Piauí, aceitarem essas indecorosas homenagens. 

É isso.

A desfaçatez, um verdadeiro ponto fora da curva da personalidade do ser humano, acreditamos ser inerente à maioria da classe política brasileira, com destaque para os que aqui atuam neste Estado do Piauí. 

Os parlamentos brasileiros têm, como funções precípuas, a elaboração de leis que atendam aos anseios e às demandas das populações nas quais se encontram inseridos. 

Outra atividade inerente ao parlamento (seja ele, federal, estadual ou municipal) é a permanente fiscalização e controle relativos à correta aplicação dos impostos pagos por toda a população, nos três níveis governamentais. 

Lamentavelmente, essas funções explicitadas na Constituição Federal passam ao largo de Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e do próprio Congresso Nacional.  

Por outro lado, a Câmara Municipal do município de Teresina e a Assembleia Legislativa do Estado do Piauí, frequentemente se destacam, não pelos acalorados debates em torno de ideias, projetos de leis, confrontos ideológicos ou questionando a correta aplicação pelo poder executivo, do dinheiro da população ou outros temas de interesse da sociedade que dizem representar. 

Agora, a propositura de verdadeiros escárnios (concessão de títulos honoríficos de cidadania) estão sempre na ordem do dia,  a contemplar figuras que em nada contribuíram para dar um pouco de dignidade à gente piauiense.

Através da coluna deste domingo do jornalista Arimateia Azevedo, do Portal AZ, somos informados de que uma nova leva de títulos de cidadania piauiense, brevemente será distribuída sendo uma delas, por propositura do deputado Marden Meneses, a um certo Wesley Safadão. 

Só pelo nome do homenageado, essa honraria deveria ser negada, já que, a população piauiense, através dos seus representantes, estaria outorgando um título de cidadania a um pessoa que nada fez pelo Estado do Piauí e ainda carrega no próprio sobrenome o termo “safadão”, ou seja, segundo definição dos dicionários pátrios, aquele que age descararadamente.

É de difícil compreensão para os pagadores de impostos deste Estado do Piauí, aceitarem essas indecorosas homenagens. 

É isso.

Que “bela homenagem!“ Conscientização ambiental