1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. ‘Querem acabar com a minha imprensa’
Publicidade

‘Querem acabar com a minha imprensa’

Foram essas as últimas declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre o julgamento a ser realizado amanhã no plenário do Supremo Tribunal Federal, sobre o escândalo das criminosas Fakes News, postadas por adeptos de Jair Bolsonaro nas redes sociais.

O desembargador aposentado do TJ-SP e jurista de reconhecida competência, Wálter Maierovitch, em artigo publicado nesta terça no jornal Folha de São Paulo, discorre sobre o posicionamento do procurador-geral da República, Augusto Aras, ao dizer que ele, Aras, está propondo uma cartada decisiva e de perfil filobolsonarista pedindo o desmembramento do chamado inquérito das Fake News.

Se o PGR Augusto Aras tiver sua pretensão acolhida pelo pleno do STF, a tipificação do crime de organização criminosa, um verdadeiro gabinete do ódio, segundo consta da representação do ministro Alexandre Moraes, ficará bastante dificultada.

Portanto, esse latente conflito entre os poderes constituídos, com mais gravidade entre o executivo e o Judiciário, poderá ter amanhã um direcionamento ainda mais acirrado ou uma pacificação pelo menos momentânea.

Agora, quanto à fala presidencial ao dizer que a a proibição das infâmias que as redes de robôs assacam contra aqueles que eles julgam inimigos, seria acabar com a sua imprensa, entendemos que essa afirmação constitui-se em mais uma bolsonarice inconsequente.

É isso.

Foram essas as últimas declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre o julgamento a ser realizado amanhã no plenário do Supremo Tribunal Federal, sobre o escândalo das criminosas Fakes News, postadas por adeptos de Jair Bolsonaro nas redes sociais.

O desembargador aposentado do TJ-SP e jurista de reconhecida competência, Wálter Maierovitch, em artigo publicado nesta terça no jornal Folha de São Paulo, discorre sobre o posicionamento do procurador-geral da República, Augusto Aras, ao dizer que ele, Aras, está propondo uma cartada decisiva e de perfil filobolsonarista pedindo o desmembramento do chamado inquérito das Fake News.

Se o PGR Augusto Aras tiver sua pretensão acolhida pelo pleno do STF, a tipificação do crime de organização criminosa, um verdadeiro gabinete do ódio, segundo consta da representação do ministro Alexandre Moraes, ficará bastante dificultada.

Portanto, esse latente conflito entre os poderes constituídos, com mais gravidade entre o executivo e o Judiciário, poderá ter amanhã um direcionamento ainda mais acirrado ou uma pacificação pelo menos momentânea.

Agora, quanto à fala presidencial ao dizer que a a proibição das infâmias que as redes de robôs assacam contra aqueles que eles julgam inimigos, seria acabar com a sua imprensa, entendemos que essa afirmação constitui-se em mais uma bolsonarice inconsequente.

É isso.

País conflagrado? Nada de concreto