1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. A ex- galinha dos ovos de ouro
Publicidade

A ex- galinha dos ovos de ouro

O sistema de transporte urbano da cidade de Teresina, colapsou por completo. 

Nos seus áureos tempos de funcionamento, no qual a população não tinha outra alternativa, esse ramo empresarial proporcionou o enriquecimento de vários empresários do ramo. 

Com a entrada em circulação de milhares de motos mensalmente, adquiridas à crediàrio à perder de vista, o assalariado de salário mínimo deixou de andar nos ônibus urbanos nos seus deslocamentos , passando a fazê-lo em um veículo próprio, a motocicleta.

Essa realidade, em que pese a população Teresinense ter crescido em mais de dez por cento nos últimos vinte anos, a atual frota de ônibus coletivos que circula em Teresina, não chega a transportar metade dos usuários que transportava duas décadas atrás. 

Hoje , o sistema de transporte coletivo, ainda sobrevive a duras penas, através  de um vultoso subsídio saído dos cofres do erário do município de Teresina. 

A classe empresarial do setor de transportes coletivos de Teresina, não percebeu à tempo as mudanças na mobilidade das pessoas na cidade, e passou a sobreviver com esse repasse do poder público municipal. 

É chegada  hora de ser dado um choque de realidade nesse sistema de transporte caro e absoleto, que gera a cada dia , mais insatisfação dos usuários Teresinenses. 

As constantes paralisações de motoristas e cobradores com deflagração de paralisações e greves, é uma decorrência natural do declínio de uma atividade empresarial que, em tempos idos, era sinônimo de poder e excelentes lucratividades financeiras. Deixou de sê-la de há muito.

É isso.

O sistema de transporte urbano da cidade de Teresina, colapsou por completo. 

Nos seus áureos tempos de funcionamento, no qual a população não tinha outra alternativa, esse ramo empresarial proporcionou o enriquecimento de vários empresários do ramo. 

Com a entrada em circulação de milhares de motos mensalmente, adquiridas à crediàrio à perder de vista, o assalariado de salário mínimo deixou de andar nos ônibus urbanos nos seus deslocamentos , passando a fazê-lo em um veículo próprio, a motocicleta.

Essa realidade, em que pese a população Teresinense ter crescido em mais de dez por cento nos últimos vinte anos, a atual frota de ônibus coletivos que circula em Teresina, não chega a transportar metade dos usuários que transportava duas décadas atrás. 

Hoje , o sistema de transporte coletivo, ainda sobrevive a duras penas, através  de um vultoso subsídio saído dos cofres do erário do município de Teresina. 

A classe empresarial do setor de transportes coletivos de Teresina, não percebeu à tempo as mudanças na mobilidade das pessoas na cidade, e passou a sobreviver com esse repasse do poder público municipal. 

É chegada  hora de ser dado um choque de realidade nesse sistema de transporte caro e absoleto, que gera a cada dia , mais insatisfação dos usuários Teresinenses. 

As constantes paralisações de motoristas e cobradores com deflagração de paralisações e greves, é uma decorrência natural do declínio de uma atividade empresarial que, em tempos idos, era sinônimo de poder e excelentes lucratividades financeiras. Deixou de sê-la de há muito.

É isso.

Morte violenta, só decapitando? Cassado na convenção