1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Dois pesos e quantas medidas?
Publicidade

Dois pesos e quantas medidas?

Interessante as atitudes das polícias federais no Estado do Piauí. Muito interessante. 

Nesta semana em curso, um motorista inabilitado, e comprovadamente alcoolizado, faz uma ultrapassagem em local de faixa contínua, ação terminantemente proibida,  nas imediações da Casa de Custódia José Ribamar Leite na BR 316, colide de frente com um ônibus, esse referido ônibus desgovernado vai de encontro a um terceiro veículo, vitimando uma pessoa na hora e deixando mais cinco pessoas gravemente feridas. 

O nome do condutor do veículo que provocou essa tragédia recebeu o manto da omissão da sua identificação, manto esse, colocado pela Polícia Rodoviária Federal.

Já nesta quarta-feira, a Polícia Federal faz uma operação contra o tráfico de drogas, autuando e prendendo uma pessoa,  já condenada em última instância pela justiça , acusada de estar tentando registrar armas de grosso calibre na própria Polícia Federal. 

A Polícia Federal omitiu o nome do preso. 

O que não entendemos, e a população também não, é o porque de tanta omissão das Policias Federais no Estado em relação aos fatos acima e o espalhafato feito com o nome de uma odontóloga, levada a depor na Polícia Federal e ter seu nome execrado publicamente, em decorrência do seu nome constar como sócia minoritária de uma empresa que forneceu material para a Fundação Municipal de Saúde no valor de R$ 190 mil . 

Já a outra empresa, arrolada também nessa investigação de nome DISTRIMED, que vendeu à mesma Fundação Municipal de Saúde R$ 6.000,000,00( seis milhões de reais) teve o  nome do seu proprietário preservado.  

Daí o questionamento do título que encima esse texto. ‘Dois pesos e quantas medidas’? 

É isso.

Interessante as atitudes das polícias federais no Estado do Piauí. Muito interessante. 

Nesta semana em curso, um motorista inabilitado, e comprovadamente alcoolizado, faz uma ultrapassagem em local de faixa contínua, ação terminantemente proibida,  nas imediações da Casa de Custódia José Ribamar Leite na BR 316, colide de frente com um ônibus, esse referido ônibus desgovernado vai de encontro a um terceiro veículo, vitimando uma pessoa na hora e deixando mais cinco pessoas gravemente feridas. 

O nome do condutor do veículo que provocou essa tragédia recebeu o manto da omissão da sua identificação, manto esse, colocado pela Polícia Rodoviária Federal.

Já nesta quarta-feira, a Polícia Federal faz uma operação contra o tráfico de drogas, autuando e prendendo uma pessoa,  já condenada em última instância pela justiça , acusada de estar tentando registrar armas de grosso calibre na própria Polícia Federal. 

A Polícia Federal omitiu o nome do preso. 

O que não entendemos, e a população também não, é o porque de tanta omissão das Policias Federais no Estado em relação aos fatos acima e o espalhafato feito com o nome de uma odontóloga, levada a depor na Polícia Federal e ter seu nome execrado publicamente, em decorrência do seu nome constar como sócia minoritária de uma empresa que forneceu material para a Fundação Municipal de Saúde no valor de R$ 190 mil . 

Já a outra empresa, arrolada também nessa investigação de nome DISTRIMED, que vendeu à mesma Fundação Municipal de Saúde R$ 6.000,000,00( seis milhões de reais) teve o  nome do seu proprietário preservado.  

Daí o questionamento do título que encima esse texto. ‘Dois pesos e quantas medidas’? 

É isso.

Já era tempo A ex- galinha dos ovos de ouro