1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Uma nova Constituição?
Publicidade

Uma nova Constituição?

Surfando na onda sobre o plebiscito realizado ontem no Chile, em que os chilenos, na sua maioria, decidiram pela feitura de uma nova constituição para o país andino, o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros do PP-PR, veio logo cedo ao proscênio, vociferando que o Brasil tem que fazer o mesmo, já que a atual Constituição Brasileira, promulgada em 1988, tornou o país ao longo dos anos ingovernável. 

O deputado federal Ricardo Barros, ao se manifestar nesses termos, está tentando criar mais balbúrdia nesse conturbado cenário da política brasileira. 
A constituição chilena começou a vigorar após o golpe militar de 1973, liderado pelo general Augusto Pinochet e vigora até a presente data. 

A nossa Constituição, denominada Cidadã, por Ulisses Guimarães, tem tido, nos seus trinta e dois anos de existência, o respeito do povo brasileiro, pois, no seu bojo, foi colocado um imenso guada-chuva social, ao determinar a implantação de políticas públicas que vieram de encontro às necessidades dos setores mais vulneráveis da população brasileira. 

Portanto, Brasil e Chile, por imumeráveis razões, diferem de forma abissal , quando se tenta, erroneamente, como o faz o deputado Ricardo Barros, fazer uma exdrúxula correlação constitucional entre duas nações sem nenhuma identidade jurídico-político e institucional. 

É isso.

Surfando na onda sobre o plebiscito realizado ontem no Chile, em que os chilenos, na sua maioria, decidiram pela feitura de uma nova constituição para o país andino, o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros do PP-PR, veio logo cedo ao proscênio, vociferando que o Brasil tem que fazer o mesmo, já que a atual Constituição Brasileira, promulgada em 1988, tornou o país ao longo dos anos ingovernável. 

O deputado federal Ricardo Barros, ao se manifestar nesses termos, está tentando criar mais balbúrdia nesse conturbado cenário da política brasileira. 
A constituição chilena começou a vigorar após o golpe militar de 1973, liderado pelo general Augusto Pinochet e vigora até a presente data. 

A nossa Constituição, denominada Cidadã, por Ulisses Guimarães, tem tido, nos seus trinta e dois anos de existência, o respeito do povo brasileiro, pois, no seu bojo, foi colocado um imenso guada-chuva social, ao determinar a implantação de políticas públicas que vieram de encontro às necessidades dos setores mais vulneráveis da população brasileira. 

Portanto, Brasil e Chile, por imumeráveis razões, diferem de forma abissal , quando se tenta, erroneamente, como o faz o deputado Ricardo Barros, fazer uma exdrúxula correlação constitucional entre duas nações sem nenhuma identidade jurídico-político e institucional. 

É isso.

Impressionante ‘Arte pura’