1. Colunas
  2. Cine Vício
  3. Morre Hauer, o viking
Publicidade

Morre Hauer, o viking

O holandês Rutger Hauer (1944-2019) foi um desses atores que marcou a  adolescência de muita gente. Porte elegante, interpretações cínicas, um monstro de interpretação que foi esquecido nos anos 90 e 2000 (como todo estrangeiro em Hollywood). A seguir cinco clássicos do lourão:

Soldado de Laranja (1976) - Seu primeiro grande sucesso, como o soldado holandês lutando contra os nazistas. Direção de Paul Verhoeven, (Robocop, Elle) seu mentor e amigo em fita desmistificadora que mostra a força dos holandeses na segunda guerra mundial.

Blade Runner (1982) O replicante Batty só queria viver, porque isso era proibido. o clássico dos clássicos tem na sua interpretação,todas as dúvidas do homem na  vida. Reza a lenda que ele escreveu o belo diálogo final.

Feitiço de Aquila (1984)- Isabor! Isabor! o s eu grito ao ver sua amada se transformando num falcão chocou muita gente. Que filme, essa fábula medieval sem defeitos, apesar da trilha esquisita.

Conquista Sangrenta (1985)-Sangue suor e lágrimas nessa dessacralização da idade media em que ele vive mercenário obsceno. Verhoeven acerta mais uma vez em fita que não dá esperança pra ninguém sobre nosso passado.

Morte pede Carona (1986) Seu maior sucesso até hoje, o caronista que causa verdadeiro inferno na vida do jovem motorista. C. Thomas Howell também acerta como jovem acuado.

O holandês Rutger Hauer (1944-2019) foi um desses atores que marcou a  adolescência de muita gente. Porte elegante, interpretações cínicas, um monstro de interpretação que foi esquecido nos anos 90 e 2000 (como todo estrangeiro em Hollywood). A seguir cinco clássicos do lourão:

Soldado de Laranja (1976) - Seu primeiro grande sucesso, como o soldado holandês lutando contra os nazistas. Direção de Paul Verhoeven, (Robocop, Elle) seu mentor e amigo em fita desmistificadora que mostra a força dos holandeses na segunda guerra mundial.

Blade Runner (1982) O replicante Batty só queria viver, porque isso era proibido. o clássico dos clássicos tem na sua interpretação,todas as dúvidas do homem na  vida. Reza a lenda que ele escreveu o belo diálogo final.

Feitiço de Aquila (1984)- Isabor! Isabor! o s eu grito ao ver sua amada se transformando num falcão chocou muita gente. Que filme, essa fábula medieval sem defeitos, apesar da trilha esquisita.

Conquista Sangrenta (1985)-Sangue suor e lágrimas nessa dessacralização da idade media em que ele vive mercenário obsceno. Verhoeven acerta mais uma vez em fita que não dá esperança pra ninguém sobre nosso passado.

Morte pede Carona (1986) Seu maior sucesso até hoje, o caronista que causa verdadeiro inferno na vida do jovem motorista. C. Thomas Howell também acerta como jovem acuado.

Caldeirão Ride já tem 300 inscritos e terá show com Teófilo Fênix é despedida melancólica da saga X-men