1. Colunas
  2. Cine Vício
  3. O inquilino Polansky
Publicidade

O inquilino Polansky

Há tempos persigo O Inquilino (França, EUA, 76) de Roman Polansky e nada de vê-lo. Lembro que vi uma vez na globo na sessão de gala, mas dormi mais que assisti. Na semana passada finalmente o TC Cult, que canal, me deu a honra de ver esse filmaço do Pola. Uma verdadeira aula de loucura gradual e o que  a claustrofobia e a solidão pode nos causar .

Nunca gostei de Pola como ator, mas o filme tem tanto a ver com a vida louca do cineasta que até que ele fez bem. Ele já tinha aparecido meio caricato em Dança dos Vampiros e como um bandido em Chinatown que esfaqueia Nicholson,  aqui ele está perfeito.  

Na vida real, Polansky teve os pais mortos pelos nazistas, sua esposa Sharon Tate foi assassinada pela família Manson e no auge das drogas e bebidas, estuprou uma adolescente nos EUA e é proibido permanentemente de voltar pra lá. O processo ainda perdura, mesmo a mulher já o tendo perdoado.

Aqui, ele faz um cara pacato que vai morar num ap de uma jovem suicida e lentamente começa a enlouquecer. Lembra muito o Bebê de Rosemary, apesar da vibe aqui ser menos pesada. Mas tá tudo ali - o passo a passo para a insanidade, a lentidão européia, o final revelador. Pola faz uma análise cruel do dia a dia e como a vida pode ser devastadora. Filmão.

Há tempos persigo O Inquilino (França, EUA, 76) de Roman Polansky e nada de vê-lo. Lembro que vi uma vez na globo na sessão de gala, mas dormi mais que assisti. Na semana passada finalmente o TC Cult, que canal, me deu a honra de ver esse filmaço do Pola. Uma verdadeira aula de loucura gradual e o que  a claustrofobia e a solidão pode nos causar .

Nunca gostei de Pola como ator, mas o filme tem tanto a ver com a vida louca do cineasta que até que ele fez bem. Ele já tinha aparecido meio caricato em Dança dos Vampiros e como um bandido em Chinatown que esfaqueia Nicholson,  aqui ele está perfeito.  

Na vida real, Polansky teve os pais mortos pelos nazistas, sua esposa Sharon Tate foi assassinada pela família Manson e no auge das drogas e bebidas, estuprou uma adolescente nos EUA e é proibido permanentemente de voltar pra lá. O processo ainda perdura, mesmo a mulher já o tendo perdoado.

Aqui, ele faz um cara pacato que vai morar num ap de uma jovem suicida e lentamente começa a enlouquecer. Lembra muito o Bebê de Rosemary, apesar da vibe aqui ser menos pesada. Mas tá tudo ali - o passo a passo para a insanidade, a lentidão européia, o final revelador. Pola faz uma análise cruel do dia a dia e como a vida pode ser devastadora. Filmão.

Chamado da Floresta é divertido e emocionante Beatles não morreu