1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Água na fervura
Publicidade

Água na fervura

Estranho momento que vive o país. As torcidas organizadas, historicamente, são comandadas por arruaceiros, envolvidos em brigas de rua, com histórico de agressões e incidentes graves, inclusive mortes nas saídas de jogos de futebol. Anteontem, as torcidas organizadas de Palmeiras e Corinthians estavam unidas, defendendo a democracia em São Paulo. Do outro lado da rua, aglomeravam-se movimentos organizados da sociedade, em defesa de Bolsonaro, agredindo a ordem e pregando a intervenção militar, o fechamento do congresso e do STF, bem longe da sintonia com as necessidades e conveniências do Brasil, sendo importante lembrar que desses movimentos nasceram as reações populares que culminaram com o impeachment da presidente Dilma. Ou seja, parece que as coisas se inverteram, e os arruaceiros de antes defendem a democracia, e não a baderna. E os patriotas de antes defendem a balbúrdia e a desordem, especialmente a própria incitação ao caos civil. Então, nesse rol de papéis trocados, quando se ouve o ministro do Supremo, Gilmar Mendes, ontem, em um canal de TV fechada, e, em outro canal, o vice-presidente Hamilton Mourão, ainda se pensa que pode haver solução para o país. Gilmar Mendes chegou elogiar o seu inimigo na corte, ministro Luiz Roberto Barroso. E Mourão, criticou militares, deixando muito claro que discorda do posicionamento de alguns mais afoitos. Já Bolsonaro  teima em usar de autoritarismo explícito para tentar impedir o livre fluxo das investigações que podem, eventualmente, atingir as cercanias do poder central e o seu núcleo familiar. Gilmar Mendes, por exemplo, entendeu normal o acordo de Bolsonaro com o Centrão, defendendo que o governo de coalizão é a melhor forma de estabilidade do pseudo regime presidencialista brasileiro. Por sua vez, o general Mourão afirmou que a democracia precisa ser defendida a qualquer custo, e os militares não têm outra obrigação que não seja a permanência nos quartéis, de onde só poderão sair em caso de violação da ordem, para resguardar as instituições, nunca para aceitar a desordem. Assim, nesse universo de papéis trocados, espera-se que o bom senso prevaleça, e o ponto de equilíbrio seja o resultado final de tudo isso. Afinal, enquanto a nação assiste, atônita, a tantos espasmos de risco para o regime instituído, algumas vozes felizmente surgem para colocar as coisas no seu devido lugar, ou, em outras palavras, colocar a água na fervura.

Médicos e enfermeiros na ‘geral’ do Verdão, devidamente preparados para assumirem suas atribuições no hospital de campanha

O buzinaço irresponsável

A falta de respeito das pessoas chegou ao cúmulo de, ontem, alguns bacanas fazerem uma carreata na rua onde mora o prefeito Firmino Filho.
Bem ao estilo dos criminosos, ou aloprados, que acompanham Bolsonaro.

Coisa de idiota

Esqueceram que não apenas o prefeito mora na rua, e muitos vizinhos foram incomodados pelo barulho e xingamentos, inclusive na presença de crianças, em falta total de respeito ao cidadão.
Não se espera que o presidente da Fecomércio,Valdeci Cavalcante, se acuse como um dos envolvidos nesse ato idiota.

Buzinaço de ricos

A longa fila de veículos, todos possantes e novos, mostra muito bem o poder do dinheiro dessa gente, que representa muito pouco os verdadeiros comerciantes da cidade, que têm muito mais necessidades que esses ricos senhores.
A maioria desses idiotas não resiste a uma investigação no Imposto de Renda.

Buzinaço de ricos 2

Mal satisfeitos com os resultados da pífia manifestação na porta da prefeitura, semana passada, os mesmos comerciantes resolveram mostrar que têm poder de incomodar. Mas o incômodo maior foi para eles mesmos, recebidos sem qualquer apoio na rua do prefeito.
E muitos foram identificados.

Cara lavada

Vamos esperar a maioria com cara lavada, pedindo desculpa, dizendo que não queriam fazer o que fizeram.
Pelo vídeo, já estão identificados os carros e, lógico, os jumentos que nele estavam.
Já,já!

Buzinaço de ricos 3

Por outro lado, parece que essas pseudos lideranças políticas (e outros candidatos de ocasião) ainda não entenderam que a primeira obrigação do gestor é cuidar da saúde de sua população. Depois vem a hora de salvar a economia da cidade.

Salvo pelo vírus

O prefeito Arnaldo da Costa, de Ribeira do Piauí, é um mau gestor, um verdadeiro salafrário, denunciado por tudo que é malfeitoria, mas é um sujeito de sorte.
Cassado pelo TRE-PI, ele não teria qualquer chance de continuar no cargo, mas foi salvo pelo coronavírus.
Em recurso ao TSE, o ministro considerou que não pode resolver o caso por conta do coronavírus.
Fica vermelha, cara sem-vergonha!

Desmoraliza o efeito suspensivo

Pela primeira vez o réu consegue suspender os efeitos suspensivos e, por conta da alegação da pandemia do coronavírus, o ministro Og Fernandes determinou que o prefeito continue no cargo.
O ministro, inocente, ou descuidado, não sabe o mal que está fazendo ao município.
Sem falar que ele cria jurisprudência de desmoralizar o efeito suspensivo.
Vai para a história, pois.

Amigo do peito

O prefeito de Parnaíba Mão Santa devolveu os dez respiradores que havia comprado. Problemas técnicos nos aparelhos.
Mas ele não ficou na mão. Seu adversário, o secretário de Saúde, Florentino Neto despachou cinco respiradores para a prefeitura.

Baixo nível

Você ficou surpreso com os 34 palavrões ditos por Bolsonaro naquela reunião ministerial?
Lá, ainda bem, o presidente só falava aqueles palavrões próprios das exclamações dos brasileiros. Referia-se, genericamente, aos seus alvos.
Agora, você precisa ver como é que um vereador trata o outro na Câmara de Vereadores de Timon.

O ladrão e o drogado

Numa sessão virtual, ontem, foi espetacular a baixaria na Câmara de Vereadores de Timon. 
Um chamava o outro de ladrão. E o dito ladrão chamava o seu acusador de drogado, cheirador de cocaína e batedor de mulher.

Atenda, por favor!

O advogado Humberto da Silva Chaves tem é tentado há pelo menos três dias falar, pelo telefone, com alguém do plantão da 1ª Vara da Infância e da Juventude. Não consegue.
Porque ou ninguém tem ido por lá ou o telefone está com problema.

Início do fim

Ontem, o Diário Oficial da União vaticinou o futuro de Jair Bolsonaro. Para ruim, frise-se. Está lá a nomeação de Cláudio Lopes, chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira para presidente do FNDE, um fundo de R$ 54 bilhões para ser usado ao bem sabor dos interesses do senador, dos políticos do PP e, por extensão, os demais do Centrão.
Bolsonaro faz uma compra sem ter a certeza de que a mercadoria lhe será entregue.

Traição a vista

Como fez com Dilma, em cujos governos se cevou até a traição que resultou no impeachment da presidente, o senador Ciro Nogueira, assim como Jeferson, Waldemar e outros não menos notados, vão arribar do navio, se ele fizer água.
Ou seja, abandonarão Bolsonaro se houver certeza de que ele poderá ser cassado.

Senador invisível

O senador Ciro Nogueira tem fugido da justiça para não receber citação de oficial de justiça. Ou seja, para os oficiais de justiça ele não é encontrado em Teresina, em Brasília e em São Paulo, os endereços mais conhecidos.
Mas virtualmente, o senador se mexe e, como se mexe, fazendo grandes negócios. Com esse do FNDE.

Desaprovação

Pesquisa mostra que mais de 70 por cento dos brasileiros desaprovam o ‘casamento’ de Bolsonaro com os líderes do Centrão, Ciro  Nogueira, Roberto Jefferson e Waldemar.
Eles entram no governo, mas não dão a confiança de que seguirão com o presidente no caso de vida ou morte.

Ciro traiu Dilma

O pior exemplo de traição quem já deu foi Ciro Nogueira. Ele – e todo o partido – mamaram até quase secar as tetas do governo Dilma e, quando ela mais precisava, ele mudou de lado – por ofertas bem generosas de Michel Temer – e a presidenta sofreu o impeachment.
Tem general chamando a atenção de Bolsonaro para esse ponto. Logo  Bolsonaro que não confia em Ciro Nogueira.

Fugindo do oficial

Ciro tem fugido do oficial de justiça, mas o STF já o intimou por edital.
Ciro tem vários endereços, mas desde que se viu investigado pela Lava Jato, o senador tem mudado de endereço.
Não dorme no mesmo lugar, de um dia para o outro.

Alô, promotora!

Há grande expectativa de observadores dos direitos humanos, dos advogados, de alguns jornalistas – entre os quais e principalmente este colunista – e das famílias dos detentos da Cadeia de Altos em torno do que a promotora Marcia ainda teria ou estaria apurando sobre as denúncias de torturas aos reclusos.
Ali já se manifestaram a Defensoria Pública e o promotor Eloi Pereira, mas nenhuma linha sobre os maus tratos.

Temas diferentes

Cada segmento se encarrega de um problema: a defensoria chegou a impetrar Habeas Corpus para interdição do presídio baseada nas doenças tipo Guilliain Barre e leptospirose em função de contaminação por água.
Não há registros dos áudios e vídeos de detentos mostrando como é cruel a tortura.

O relatório

Então, esperar pelo que a promotora ainda colocará em seu relatório.
É provável que ela tenha recebido muito mais informações que esta coluna e os demais jornalistas sobre os maus procedimentos dos agentes penais da Cadeia de Altos.

Mortes estranhas

Há suspeitas de que presos tenham morrido envenenados e não por causa das doenças apontadas nos relatórios oficiais.
Basta apenas ouvir os relatos dos atos macabros.

Testes recuperados

Os testes da covid-19, adquiridos pela prefeitura de Teresina, para pesquisa que faria a amostragem da doença na cidade, foram roubados, mas parcialmente  recuperados.

Teste recuperados 2

Enquanto um teste desses custa, para o município, 160 reais, o ladrão estava vendendo na rua por 30 reais.
Rapidamente foi descoberto e preso.

Marcelo Portela

O delegado Marcelo Portela, chefe da  1ª Delegacia de Polícia da Asa Sul, em Brasília, foi acometido do coronavírus.
Vice-presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do DF, Marcelo é piauiense.
Mas ele está isolado para não contaminar a mulher, Raquel e o filho Marcelinho, de 12 anos.
Depois de passar pela pior fase da doença, Marcelo vem se recuperando.

O dia no Verdão

Ontem, todos os profissionais, médicos, enfermeiros e outros trabalhadores na área da saúde, foram recebidos no hospital de Campanha do Verdão, para o seu primeiro dia de trabalho.
A palavra de ordem é salvar vidas em meio à pandemia do coronavírus.

Prognóstico

Enquanto algumas prefeituras estão reabrindo o comércio, por pressão dos comerciantes, e outras até por decisão judicial, cidades como Belo Horizonte, que estiveram com o controle da doença, até aqui, cogitam de implantar o lockdown, pelo medo de um novo ciclo da contaminação da covid—19.

Ping-Pong 
Preço sugestivo

Nos idos dos anos 70, no restaurante do João Baldoíno em São Raimundo Nonato, chegam para o almoço dois fiscais do recém implantado Ibama. O prato principal era o tatu (até então uma iguaria comum na mesa do Sanraimundense). Antes de finalizar a refeição, os fiscais aplicam uma multa de 500,00 ao comerciante, e se surpreendem ao receber a própria conta, de 550,00.

O fiscal: “Meu amigo, acho que tem algo errado nessa conta...”
João Baldoíno: “Nada disso! Quem botou preço no tatu foram vocês!”

Colaboração B.M.

Expressas

O Piauí registrou mais 12 óbitos por coronavírus e chegou ao total de 180, segundo o boletim de ontem da Sesapi. Agora, são 5506 casos confirmados em 158 municípios.

O presidente do TJ-PI, desembargador Sebastião Ribeiro Martins, expediu duas portarias suspendendo os prazos de validade de dois concursos públicos no Piauí. 

O período de suspensão dos prazos de validade dos certames compreenderá o intervalo entre os dias 20 de março de 2020 e 31 de dezembro deste ano.

Estranho momento que vive o país. As torcidas organizadas, historicamente, são comandadas por arruaceiros, envolvidos em brigas de rua, com histórico de agressões e incidentes graves, inclusive mortes nas saídas de jogos de futebol. Anteontem, as torcidas organizadas de Palmeiras e Corinthians estavam unidas, defendendo a democracia em São Paulo. Do outro lado da rua, aglomeravam-se movimentos organizados da sociedade, em defesa de Bolsonaro, agredindo a ordem e pregando a intervenção militar, o fechamento do congresso e do STF, bem longe da sintonia com as necessidades e conveniências do Brasil, sendo importante lembrar que desses movimentos nasceram as reações populares que culminaram com o impeachment da presidente Dilma. Ou seja, parece que as coisas se inverteram, e os arruaceiros de antes defendem a democracia, e não a baderna. E os patriotas de antes defendem a balbúrdia e a desordem, especialmente a própria incitação ao caos civil. Então, nesse rol de papéis trocados, quando se ouve o ministro do Supremo, Gilmar Mendes, ontem, em um canal de TV fechada, e, em outro canal, o vice-presidente Hamilton Mourão, ainda se pensa que pode haver solução para o país. Gilmar Mendes chegou elogiar o seu inimigo na corte, ministro Luiz Roberto Barroso. E Mourão, criticou militares, deixando muito claro que discorda do posicionamento de alguns mais afoitos. Já Bolsonaro  teima em usar de autoritarismo explícito para tentar impedir o livre fluxo das investigações que podem, eventualmente, atingir as cercanias do poder central e o seu núcleo familiar. Gilmar Mendes, por exemplo, entendeu normal o acordo de Bolsonaro com o Centrão, defendendo que o governo de coalizão é a melhor forma de estabilidade do pseudo regime presidencialista brasileiro. Por sua vez, o general Mourão afirmou que a democracia precisa ser defendida a qualquer custo, e os militares não têm outra obrigação que não seja a permanência nos quartéis, de onde só poderão sair em caso de violação da ordem, para resguardar as instituições, nunca para aceitar a desordem. Assim, nesse universo de papéis trocados, espera-se que o bom senso prevaleça, e o ponto de equilíbrio seja o resultado final de tudo isso. Afinal, enquanto a nação assiste, atônita, a tantos espasmos de risco para o regime instituído, algumas vozes felizmente surgem para colocar as coisas no seu devido lugar, ou, em outras palavras, colocar a água na fervura.

Médicos e enfermeiros na ‘geral’ do Verdão, devidamente preparados para assumirem suas atribuições no hospital de campanha

O buzinaço irresponsável

A falta de respeito das pessoas chegou ao cúmulo de, ontem, alguns bacanas fazerem uma carreata na rua onde mora o prefeito Firmino Filho.
Bem ao estilo dos criminosos, ou aloprados, que acompanham Bolsonaro.

Coisa de idiota

Esqueceram que não apenas o prefeito mora na rua, e muitos vizinhos foram incomodados pelo barulho e xingamentos, inclusive na presença de crianças, em falta total de respeito ao cidadão.
Não se espera que o presidente da Fecomércio,Valdeci Cavalcante, se acuse como um dos envolvidos nesse ato idiota.

Buzinaço de ricos

A longa fila de veículos, todos possantes e novos, mostra muito bem o poder do dinheiro dessa gente, que representa muito pouco os verdadeiros comerciantes da cidade, que têm muito mais necessidades que esses ricos senhores.
A maioria desses idiotas não resiste a uma investigação no Imposto de Renda.

Buzinaço de ricos 2

Mal satisfeitos com os resultados da pífia manifestação na porta da prefeitura, semana passada, os mesmos comerciantes resolveram mostrar que têm poder de incomodar. Mas o incômodo maior foi para eles mesmos, recebidos sem qualquer apoio na rua do prefeito.
E muitos foram identificados.

Cara lavada

Vamos esperar a maioria com cara lavada, pedindo desculpa, dizendo que não queriam fazer o que fizeram.
Pelo vídeo, já estão identificados os carros e, lógico, os jumentos que nele estavam.
Já,já!

Buzinaço de ricos 3

Por outro lado, parece que essas pseudos lideranças políticas (e outros candidatos de ocasião) ainda não entenderam que a primeira obrigação do gestor é cuidar da saúde de sua população. Depois vem a hora de salvar a economia da cidade.

Salvo pelo vírus

O prefeito Arnaldo da Costa, de Ribeira do Piauí, é um mau gestor, um verdadeiro salafrário, denunciado por tudo que é malfeitoria, mas é um sujeito de sorte.
Cassado pelo TRE-PI, ele não teria qualquer chance de continuar no cargo, mas foi salvo pelo coronavírus.
Em recurso ao TSE, o ministro considerou que não pode resolver o caso por conta do coronavírus.
Fica vermelha, cara sem-vergonha!

Desmoraliza o efeito suspensivo

Pela primeira vez o réu consegue suspender os efeitos suspensivos e, por conta da alegação da pandemia do coronavírus, o ministro Og Fernandes determinou que o prefeito continue no cargo.
O ministro, inocente, ou descuidado, não sabe o mal que está fazendo ao município.
Sem falar que ele cria jurisprudência de desmoralizar o efeito suspensivo.
Vai para a história, pois.

Amigo do peito

O prefeito de Parnaíba Mão Santa devolveu os dez respiradores que havia comprado. Problemas técnicos nos aparelhos.
Mas ele não ficou na mão. Seu adversário, o secretário de Saúde, Florentino Neto despachou cinco respiradores para a prefeitura.

Baixo nível

Você ficou surpreso com os 34 palavrões ditos por Bolsonaro naquela reunião ministerial?
Lá, ainda bem, o presidente só falava aqueles palavrões próprios das exclamações dos brasileiros. Referia-se, genericamente, aos seus alvos.
Agora, você precisa ver como é que um vereador trata o outro na Câmara de Vereadores de Timon.

O ladrão e o drogado

Numa sessão virtual, ontem, foi espetacular a baixaria na Câmara de Vereadores de Timon. 
Um chamava o outro de ladrão. E o dito ladrão chamava o seu acusador de drogado, cheirador de cocaína e batedor de mulher.

Atenda, por favor!

O advogado Humberto da Silva Chaves tem é tentado há pelo menos três dias falar, pelo telefone, com alguém do plantão da 1ª Vara da Infância e da Juventude. Não consegue.
Porque ou ninguém tem ido por lá ou o telefone está com problema.

Início do fim

Ontem, o Diário Oficial da União vaticinou o futuro de Jair Bolsonaro. Para ruim, frise-se. Está lá a nomeação de Cláudio Lopes, chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira para presidente do FNDE, um fundo de R$ 54 bilhões para ser usado ao bem sabor dos interesses do senador, dos políticos do PP e, por extensão, os demais do Centrão.
Bolsonaro faz uma compra sem ter a certeza de que a mercadoria lhe será entregue.

Traição a vista

Como fez com Dilma, em cujos governos se cevou até a traição que resultou no impeachment da presidente, o senador Ciro Nogueira, assim como Jeferson, Waldemar e outros não menos notados, vão arribar do navio, se ele fizer água.
Ou seja, abandonarão Bolsonaro se houver certeza de que ele poderá ser cassado.

Senador invisível

O senador Ciro Nogueira tem fugido da justiça para não receber citação de oficial de justiça. Ou seja, para os oficiais de justiça ele não é encontrado em Teresina, em Brasília e em São Paulo, os endereços mais conhecidos.
Mas virtualmente, o senador se mexe e, como se mexe, fazendo grandes negócios. Com esse do FNDE.

Desaprovação

Pesquisa mostra que mais de 70 por cento dos brasileiros desaprovam o ‘casamento’ de Bolsonaro com os líderes do Centrão, Ciro  Nogueira, Roberto Jefferson e Waldemar.
Eles entram no governo, mas não dão a confiança de que seguirão com o presidente no caso de vida ou morte.

Ciro traiu Dilma

O pior exemplo de traição quem já deu foi Ciro Nogueira. Ele – e todo o partido – mamaram até quase secar as tetas do governo Dilma e, quando ela mais precisava, ele mudou de lado – por ofertas bem generosas de Michel Temer – e a presidenta sofreu o impeachment.
Tem general chamando a atenção de Bolsonaro para esse ponto. Logo  Bolsonaro que não confia em Ciro Nogueira.

Fugindo do oficial

Ciro tem fugido do oficial de justiça, mas o STF já o intimou por edital.
Ciro tem vários endereços, mas desde que se viu investigado pela Lava Jato, o senador tem mudado de endereço.
Não dorme no mesmo lugar, de um dia para o outro.

Alô, promotora!

Há grande expectativa de observadores dos direitos humanos, dos advogados, de alguns jornalistas – entre os quais e principalmente este colunista – e das famílias dos detentos da Cadeia de Altos em torno do que a promotora Marcia ainda teria ou estaria apurando sobre as denúncias de torturas aos reclusos.
Ali já se manifestaram a Defensoria Pública e o promotor Eloi Pereira, mas nenhuma linha sobre os maus tratos.

Temas diferentes

Cada segmento se encarrega de um problema: a defensoria chegou a impetrar Habeas Corpus para interdição do presídio baseada nas doenças tipo Guilliain Barre e leptospirose em função de contaminação por água.
Não há registros dos áudios e vídeos de detentos mostrando como é cruel a tortura.

O relatório

Então, esperar pelo que a promotora ainda colocará em seu relatório.
É provável que ela tenha recebido muito mais informações que esta coluna e os demais jornalistas sobre os maus procedimentos dos agentes penais da Cadeia de Altos.

Mortes estranhas

Há suspeitas de que presos tenham morrido envenenados e não por causa das doenças apontadas nos relatórios oficiais.
Basta apenas ouvir os relatos dos atos macabros.

Testes recuperados

Os testes da covid-19, adquiridos pela prefeitura de Teresina, para pesquisa que faria a amostragem da doença na cidade, foram roubados, mas parcialmente  recuperados.

Teste recuperados 2

Enquanto um teste desses custa, para o município, 160 reais, o ladrão estava vendendo na rua por 30 reais.
Rapidamente foi descoberto e preso.

Marcelo Portela

O delegado Marcelo Portela, chefe da  1ª Delegacia de Polícia da Asa Sul, em Brasília, foi acometido do coronavírus.
Vice-presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do DF, Marcelo é piauiense.
Mas ele está isolado para não contaminar a mulher, Raquel e o filho Marcelinho, de 12 anos.
Depois de passar pela pior fase da doença, Marcelo vem se recuperando.

O dia no Verdão

Ontem, todos os profissionais, médicos, enfermeiros e outros trabalhadores na área da saúde, foram recebidos no hospital de Campanha do Verdão, para o seu primeiro dia de trabalho.
A palavra de ordem é salvar vidas em meio à pandemia do coronavírus.

Prognóstico

Enquanto algumas prefeituras estão reabrindo o comércio, por pressão dos comerciantes, e outras até por decisão judicial, cidades como Belo Horizonte, que estiveram com o controle da doença, até aqui, cogitam de implantar o lockdown, pelo medo de um novo ciclo da contaminação da covid—19.

Ping-Pong 
Preço sugestivo

Nos idos dos anos 70, no restaurante do João Baldoíno em São Raimundo Nonato, chegam para o almoço dois fiscais do recém implantado Ibama. O prato principal era o tatu (até então uma iguaria comum na mesa do Sanraimundense). Antes de finalizar a refeição, os fiscais aplicam uma multa de 500,00 ao comerciante, e se surpreendem ao receber a própria conta, de 550,00.

O fiscal: “Meu amigo, acho que tem algo errado nessa conta...”
João Baldoíno: “Nada disso! Quem botou preço no tatu foram vocês!”

Colaboração B.M.

Expressas

O Piauí registrou mais 12 óbitos por coronavírus e chegou ao total de 180, segundo o boletim de ontem da Sesapi. Agora, são 5506 casos confirmados em 158 municípios.

O presidente do TJ-PI, desembargador Sebastião Ribeiro Martins, expediu duas portarias suspendendo os prazos de validade de dois concursos públicos no Piauí. 

O período de suspensão dos prazos de validade dos certames compreenderá o intervalo entre os dias 20 de março de 2020 e 31 de dezembro deste ano.

Estamos sob censura 30 Gastos no limite da lei fiscal