1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. As indicações bichadas do Centrão
Publicidade

As indicações bichadas do Centrão

No esforço descomunal de puxar para seu lado a turma do Centrão para garantir uma boa base de apoio no Congresso Nacional, o presidente Jair Bolsonaro tem sido atropelado até por questões que envolvem a vida pregressa daqueles que passam a integrar o seu blocão de sustentação. Ontem, ele foi forçado a mandar demitir um dos indicados do Centrão por suspeitas de práticas que o presidente sempre condenou. O recém-nomeado presidente do Banco do  Nordeste, Alexandre Cabral, perdeu o cargo menos de 24 horas depois de sua nomeação. Há investigações sobre sua passagem pela Casa da Moeda, que, descoberta ontem, deixam o governo Bolsonaro em dificuldades de justificar escolhas de técnicos com currículos aparentemente manchados. Então, para um governo que proclamava aos quatro ventos a honestidade antes de tudo dos que cercam o presidente, ou que vão atuar debaixo do guarda-chuva do presidente, a descoberta de que Cabral, indicado pelo PL, partido do Centrão, não tem um currículo não tão recomendável, representa um grande golpe no próprio presidente. Cabral é investigado pelo TCU por conta de sua gestão na Casa da Moeda. Para o Centrão, pouco importa se esse ou aquele que vier a ser indicado tenha sua imagem borrada porque borradas são as biografias dos dirigentes nacionais de PP, PTB e PL. Dentro do Centrão, funciona assim: cada partido indica o nome para ocupar determinado órgão, mas o apadrinhado já sabe que terá que atender aos interesses – nada comezinhos – de todos, no grupo. Assim, ocorreu com o diretor geral do DNOCS, o pernambucano Fernando Marcondes de Araújo Leão, indicação do Progressistas; Indicar apenas o presidente do FNDE (Marcelo Lopes, chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira) era muito pouco para a ganancia do Centrão. Logo, o grupo emplacou também mais uma diretoria do Fundo, esta cabendo a Garigham Amarante Pinto, um indicado de Waldemar da Costa Neto. Marcelo Lopes e Garingham Pinto são zero à esquerda em experiência para gerir um fundo de R$ 54 bilhões. Devem ter bons atributos, no entanto, como operadores de seus senhores. Mas o avanço dos partidos do Centrão no governo Bolsonaro não para aí. O PL ganhou a Secretaria de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, o PSD emplacou o comandante da PM de Minas Gerais na presidência da Funasa e, onde houver cargos de que possam usufruir, certamente avançarão mais e mais. O Centrão, que congrega pelo menos 200 parlamentares no Congresso, tem o que Bolsonaro precisa, dos votos suficientes para evitar até o seu impeachment e Bolsonaro, de sua parte, tem o que dar para saciar o a vontade de poder de todos eles, rateando, promiscuamente, cargos importantes do governo.

Afinal, o que Wellington Dias quer, em relação à pandemia? Vai abrir a atividade empresarial? Quer que o povo opine? Confuso, muito confuso.

Agressão descabida

Que papelão fizeram o sargento Adelino e o soldado Yure, agredindo um advogado em pleno exercício de seus direitos! Foi na cidade de Paes Landim (terra do governador Wellington Dias) quando, sem a menor noção do papel do advogado, eles agrediram fisicamente o advogado Jeferson Furtado.
É no que dar o governo deixar de colocar delegado de carreira nas cidades, deixando-as à mercê da autoridade de tipos ignorantes como esses.

Sob suspeita

Mandaram para o promotor de Justiça Fernando Santos dois contratos que somados passam de R$ 9 milhões do governo do Estado com uma única construtora para ampliação do hospital regional Cândido Ferraz, em São Raimundo Nonato.
Os contratos foram firmados sem licitação, sob alegação da pandemia do novo coronavírus.

Iniciativa estranha

Uma notícia de ampliação da estrutura de um hospital certamente agrada a toda a população da cidade.
O estranho é que só agora a Secretaria de Saúde se interessa em melhorar a estrutura do hospital e o faz com uma só construtora, levando à desconfiança de que esse negócio pode cheirar mal.
Por isso adversário do governador quer o Ministério Público na história.

Suspeitíssima

Olha de onde vem a verba: de emenda de quando Marcelo Castro foi ministro da Saúde, uma situação suspeitíssima que precisa ser investigada.
O curioso é que, mesmo passados mais de quatro anos, só agora, nos dias 19 e 20 de maio é que foram firmados os contratos com a construtora R. Melo.
Aí tem!

Sinal amarelo

O Piauí vem, há dias, registrando dez mortes, em média, todo dia por coronavírus. O que significa algo muito ruim nas expectativas de combate ao vírus daqui para frente.
Embora se diga que dos demais Estados, aqui se registra, ainda, o menor índice de contaminação.
Mas é preocupante.

O mundo confuso de Wellington

Afinal, o que quer mesmo o governador Wellington Dias?
Uma hora Wellington Dias fala – e tem falado muito, a ponto de se contradizer – no plano gradual de abertura das atividades comerciais, laborais, de entretenimento, enfim.
Em outra hora empurra para a população a responsabilidade para que isso aconteça.

Papel, só papel

Anteontem, ele fez estardalhaço na divulgação do ‘plano de retomada organizada’ da atividade comercial, enumerando cem números de questões para serem observadas.
Quer dizer, um texto laudatório que dá até preguiça para quem se obrigar a ler.

População decide?

Agora lança aplicativo pelo qual indaga da população de como ela quer proceder para reabrir.
Francamente, falta ação e sobra falação.

Ato irresponsável

Possivelmente o único condenado que desmoralizou o ‘efeito suspensivo’, o prefeito Arnaldo da Costa, de Ribeira do Piauí, mandou para o espaço qualquer dispositivo de prevenção ao coronavírus.
Com a notícia de que o ministro Og Fernandes, do TSE, suspendeu o efeito suspensivo da cassação que lhe impôs o TRE-PI, Arnaldo, que estava fugido de Ribeira do Piauí, chegou a cidade e comandou grande multidão para festejar.
O risco de contaminação é muito grande.

Denúncia

A ação irresponsável do prefeito, de provocar aglomeração, levou o ex-prefeito Solano Silva a acionar o Ministério Público para denunciar Arnaldo da Costa.

Pandemia salvou Arnaldo

O ministro do TSE entendeu que tirando Arnaldo do cargo, o presidente da Câmara de Vereadores assumiria e não se saberia quando, efetivamente, ocorreria nova eleição, em função da pandemia do coronavírus.
O ministro não sabe dos estragos que o prefeito tem feito nas finanças do município.

Gera jurisprudência

É capaz de o caso de Ribeira do Piauí criar jurisprudência e os condenados – ou absolvidos – sejam beneficiados com decisões como a que tomou o ministro Og Fernandes, do TSE.
Carmelita Castro, que foi absolvida com voto de minerva do presidente José James, ainda terá que lutar no TSE para manter-se no cargo.
Quem sabe lá adotem o mesmo que fizeram em relação ao prefeito de Ribeira.

Eleições de outubro

Prorrogacionista dos mais atuantes, o senador Ciro Nogueira, enfim, reconhece que foi batido na tese da prorrogação de mandatos.
Ele chegou em Teresina avisando que as eleições municipais ocorrerão mesmo, em outubro. E foi logo avisando ao seu aliado Firmino Filho.

Ganha, quem está no cargo

Ciro Nogueira defende a tese de que terá mais chance de ganhar quem estiver nos cargos, pois, com a pandemia, ficará mais difícil fazer campanha.
Principalmente para quem está na oposição.

Pisou na bola

Quem andou sendo ridicularizado foi o senador Marcelo Castro que, sem a menor noção das clausulas pétreas da Constituição Federal apresentou uma PEC para prorrogar mandatos até 2026.
E tem debatido tal fórmula junto a quem mais tem interesse em seguir no mandato, os prefeitos.

O dia da despedida

Hoje, devem amanhecer fora dos seus cargos, os potenciais candidatos a cargos eletivos, nas próximas eleições.
Em Teresina devem deixar os cargos, Kleber Montezuma, secretário municipal de Educação, Fábio Abreu, secretário de Segurança Pública e Fábio Novo, titular da Secretaria de Cultura, do Estado.
Eles vão disputar a prefeitura da capital.

Oposição unida

Pela vontade de Wellington Dias, a oposição ao prefeito Firmino Filho sairia unida em torno de um só candidato.
Difícil será convencer o PT a deixar de votar em Fábio Novo para apoiar Fábio Abreu, do PL e fazer com que Dr. Pessoa desista.

O grupo  

Ontem, deu para notar que corre o risco de esfacelar-se o grupo que sustenta a candidatura de Dr. Pessoa à prefeitura de Teresina.
Ainda que Robert Rios, que era (ou ainda é?) tido como candidato a vice na chapa de Pessoa, tenha gravado um vídeo alertando que a chapa (Pessoa e ele) continua firme.

Fofoca, apenas!

No vídeo, onde Pessoa aparece ao fundo, Robert Rios fala que tudo não passa de fake News e alerta aos fofoqueiros que ninguém terá força para quebrar a aliança MDB-PSB.

O que ele quer?

Como em política os personagens negam o óbvio, nos bastidores se aposta no lançamento da candidatura de João Vicente Claudino tendo Dr. Pessoa como vice.
Mas nas pesquisas de intenção de voto quem aparece bem é Dr. Pessoa, batendo todos os candidatos.
JVC não foi avaliado como candidato e, também, precisa dizer o que realmente pretende.

Tá difícil!

Se já é difícil para empresas continuarem fechadas, elas estão tendo dificuldades até para receber dinheiro no governo e prefeitura.
Na prefeitura de Teresina, por exemplo, se alega que só há dotação para compras ou serviços vinculados ao coronavírus.
As dívidas de outros setores se acumulam.

Telas eletrônicas

Por proposição da vereadora Cida Santiago (PSD) Teresina conta agora com a campanha de conscientização do uso moderado de telas eletrônicas por crianças de até dez anos.
Isso a partir de estudo da universidade de Harvard de que a utilização de aparelhos eletrônicos por crianças prejudicam seu desenvolvimento.

Justiça se lhe faça

Valdeci Cavalcante não se encontrava entre os personagens que foram fazer baderna em frente à casa do prefeito Firmino Filho.
Até que se prove o contrário, of course.

Ping-Pong 
O Congresso Nacional!

Seu Dico, poeta, de Dom Inocêncio-PI, puxa conversa com o vice-prefeito Marcos Damasceno sobre a possibilidade de cassação do presidente Bolsonaro:

Seu Dico: “Será se este presidente será cassado?!”
Damasceno: “Depende do Congresso Nacional...”
Seu Dico: “A metade daqueles deputados é incapaz, e a outra metade é capaz de tudo”.

Expressas

O Piauí já possui 202 óbitos e mais de 6 mil casos confirmados de coronavírus em 163 municípios do estado. Em relação aos curados, 517 pacientes já estão recuperados do vírus.

O Procon verificou um aumento de 97,5% nas reclamações no comércio eletrônico, em comparativo ao mesmo período do ano de 2019. 

O órgão analisou os últimos cinco meses do ano de 2020 e acredita que o aumento pode estar diretamente associado ao isolamento social devido à pandemia da covid-19. 

No esforço descomunal de puxar para seu lado a turma do Centrão para garantir uma boa base de apoio no Congresso Nacional, o presidente Jair Bolsonaro tem sido atropelado até por questões que envolvem a vida pregressa daqueles que passam a integrar o seu blocão de sustentação. Ontem, ele foi forçado a mandar demitir um dos indicados do Centrão por suspeitas de práticas que o presidente sempre condenou. O recém-nomeado presidente do Banco do  Nordeste, Alexandre Cabral, perdeu o cargo menos de 24 horas depois de sua nomeação. Há investigações sobre sua passagem pela Casa da Moeda, que, descoberta ontem, deixam o governo Bolsonaro em dificuldades de justificar escolhas de técnicos com currículos aparentemente manchados. Então, para um governo que proclamava aos quatro ventos a honestidade antes de tudo dos que cercam o presidente, ou que vão atuar debaixo do guarda-chuva do presidente, a descoberta de que Cabral, indicado pelo PL, partido do Centrão, não tem um currículo não tão recomendável, representa um grande golpe no próprio presidente. Cabral é investigado pelo TCU por conta de sua gestão na Casa da Moeda. Para o Centrão, pouco importa se esse ou aquele que vier a ser indicado tenha sua imagem borrada porque borradas são as biografias dos dirigentes nacionais de PP, PTB e PL. Dentro do Centrão, funciona assim: cada partido indica o nome para ocupar determinado órgão, mas o apadrinhado já sabe que terá que atender aos interesses – nada comezinhos – de todos, no grupo. Assim, ocorreu com o diretor geral do DNOCS, o pernambucano Fernando Marcondes de Araújo Leão, indicação do Progressistas; Indicar apenas o presidente do FNDE (Marcelo Lopes, chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira) era muito pouco para a ganancia do Centrão. Logo, o grupo emplacou também mais uma diretoria do Fundo, esta cabendo a Garigham Amarante Pinto, um indicado de Waldemar da Costa Neto. Marcelo Lopes e Garingham Pinto são zero à esquerda em experiência para gerir um fundo de R$ 54 bilhões. Devem ter bons atributos, no entanto, como operadores de seus senhores. Mas o avanço dos partidos do Centrão no governo Bolsonaro não para aí. O PL ganhou a Secretaria de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, o PSD emplacou o comandante da PM de Minas Gerais na presidência da Funasa e, onde houver cargos de que possam usufruir, certamente avançarão mais e mais. O Centrão, que congrega pelo menos 200 parlamentares no Congresso, tem o que Bolsonaro precisa, dos votos suficientes para evitar até o seu impeachment e Bolsonaro, de sua parte, tem o que dar para saciar o a vontade de poder de todos eles, rateando, promiscuamente, cargos importantes do governo.

Afinal, o que Wellington Dias quer, em relação à pandemia? Vai abrir a atividade empresarial? Quer que o povo opine? Confuso, muito confuso.

Agressão descabida

Que papelão fizeram o sargento Adelino e o soldado Yure, agredindo um advogado em pleno exercício de seus direitos! Foi na cidade de Paes Landim (terra do governador Wellington Dias) quando, sem a menor noção do papel do advogado, eles agrediram fisicamente o advogado Jeferson Furtado.
É no que dar o governo deixar de colocar delegado de carreira nas cidades, deixando-as à mercê da autoridade de tipos ignorantes como esses.

Sob suspeita

Mandaram para o promotor de Justiça Fernando Santos dois contratos que somados passam de R$ 9 milhões do governo do Estado com uma única construtora para ampliação do hospital regional Cândido Ferraz, em São Raimundo Nonato.
Os contratos foram firmados sem licitação, sob alegação da pandemia do novo coronavírus.

Iniciativa estranha

Uma notícia de ampliação da estrutura de um hospital certamente agrada a toda a população da cidade.
O estranho é que só agora a Secretaria de Saúde se interessa em melhorar a estrutura do hospital e o faz com uma só construtora, levando à desconfiança de que esse negócio pode cheirar mal.
Por isso adversário do governador quer o Ministério Público na história.

Suspeitíssima

Olha de onde vem a verba: de emenda de quando Marcelo Castro foi ministro da Saúde, uma situação suspeitíssima que precisa ser investigada.
O curioso é que, mesmo passados mais de quatro anos, só agora, nos dias 19 e 20 de maio é que foram firmados os contratos com a construtora R. Melo.
Aí tem!

Sinal amarelo

O Piauí vem, há dias, registrando dez mortes, em média, todo dia por coronavírus. O que significa algo muito ruim nas expectativas de combate ao vírus daqui para frente.
Embora se diga que dos demais Estados, aqui se registra, ainda, o menor índice de contaminação.
Mas é preocupante.

O mundo confuso de Wellington

Afinal, o que quer mesmo o governador Wellington Dias?
Uma hora Wellington Dias fala – e tem falado muito, a ponto de se contradizer – no plano gradual de abertura das atividades comerciais, laborais, de entretenimento, enfim.
Em outra hora empurra para a população a responsabilidade para que isso aconteça.

Papel, só papel

Anteontem, ele fez estardalhaço na divulgação do ‘plano de retomada organizada’ da atividade comercial, enumerando cem números de questões para serem observadas.
Quer dizer, um texto laudatório que dá até preguiça para quem se obrigar a ler.

População decide?

Agora lança aplicativo pelo qual indaga da população de como ela quer proceder para reabrir.
Francamente, falta ação e sobra falação.

Ato irresponsável

Possivelmente o único condenado que desmoralizou o ‘efeito suspensivo’, o prefeito Arnaldo da Costa, de Ribeira do Piauí, mandou para o espaço qualquer dispositivo de prevenção ao coronavírus.
Com a notícia de que o ministro Og Fernandes, do TSE, suspendeu o efeito suspensivo da cassação que lhe impôs o TRE-PI, Arnaldo, que estava fugido de Ribeira do Piauí, chegou a cidade e comandou grande multidão para festejar.
O risco de contaminação é muito grande.

Denúncia

A ação irresponsável do prefeito, de provocar aglomeração, levou o ex-prefeito Solano Silva a acionar o Ministério Público para denunciar Arnaldo da Costa.

Pandemia salvou Arnaldo

O ministro do TSE entendeu que tirando Arnaldo do cargo, o presidente da Câmara de Vereadores assumiria e não se saberia quando, efetivamente, ocorreria nova eleição, em função da pandemia do coronavírus.
O ministro não sabe dos estragos que o prefeito tem feito nas finanças do município.

Gera jurisprudência

É capaz de o caso de Ribeira do Piauí criar jurisprudência e os condenados – ou absolvidos – sejam beneficiados com decisões como a que tomou o ministro Og Fernandes, do TSE.
Carmelita Castro, que foi absolvida com voto de minerva do presidente José James, ainda terá que lutar no TSE para manter-se no cargo.
Quem sabe lá adotem o mesmo que fizeram em relação ao prefeito de Ribeira.

Eleições de outubro

Prorrogacionista dos mais atuantes, o senador Ciro Nogueira, enfim, reconhece que foi batido na tese da prorrogação de mandatos.
Ele chegou em Teresina avisando que as eleições municipais ocorrerão mesmo, em outubro. E foi logo avisando ao seu aliado Firmino Filho.

Ganha, quem está no cargo

Ciro Nogueira defende a tese de que terá mais chance de ganhar quem estiver nos cargos, pois, com a pandemia, ficará mais difícil fazer campanha.
Principalmente para quem está na oposição.

Pisou na bola

Quem andou sendo ridicularizado foi o senador Marcelo Castro que, sem a menor noção das clausulas pétreas da Constituição Federal apresentou uma PEC para prorrogar mandatos até 2026.
E tem debatido tal fórmula junto a quem mais tem interesse em seguir no mandato, os prefeitos.

O dia da despedida

Hoje, devem amanhecer fora dos seus cargos, os potenciais candidatos a cargos eletivos, nas próximas eleições.
Em Teresina devem deixar os cargos, Kleber Montezuma, secretário municipal de Educação, Fábio Abreu, secretário de Segurança Pública e Fábio Novo, titular da Secretaria de Cultura, do Estado.
Eles vão disputar a prefeitura da capital.

Oposição unida

Pela vontade de Wellington Dias, a oposição ao prefeito Firmino Filho sairia unida em torno de um só candidato.
Difícil será convencer o PT a deixar de votar em Fábio Novo para apoiar Fábio Abreu, do PL e fazer com que Dr. Pessoa desista.

O grupo  

Ontem, deu para notar que corre o risco de esfacelar-se o grupo que sustenta a candidatura de Dr. Pessoa à prefeitura de Teresina.
Ainda que Robert Rios, que era (ou ainda é?) tido como candidato a vice na chapa de Pessoa, tenha gravado um vídeo alertando que a chapa (Pessoa e ele) continua firme.

Fofoca, apenas!

No vídeo, onde Pessoa aparece ao fundo, Robert Rios fala que tudo não passa de fake News e alerta aos fofoqueiros que ninguém terá força para quebrar a aliança MDB-PSB.

O que ele quer?

Como em política os personagens negam o óbvio, nos bastidores se aposta no lançamento da candidatura de João Vicente Claudino tendo Dr. Pessoa como vice.
Mas nas pesquisas de intenção de voto quem aparece bem é Dr. Pessoa, batendo todos os candidatos.
JVC não foi avaliado como candidato e, também, precisa dizer o que realmente pretende.

Tá difícil!

Se já é difícil para empresas continuarem fechadas, elas estão tendo dificuldades até para receber dinheiro no governo e prefeitura.
Na prefeitura de Teresina, por exemplo, se alega que só há dotação para compras ou serviços vinculados ao coronavírus.
As dívidas de outros setores se acumulam.

Telas eletrônicas

Por proposição da vereadora Cida Santiago (PSD) Teresina conta agora com a campanha de conscientização do uso moderado de telas eletrônicas por crianças de até dez anos.
Isso a partir de estudo da universidade de Harvard de que a utilização de aparelhos eletrônicos por crianças prejudicam seu desenvolvimento.

Justiça se lhe faça

Valdeci Cavalcante não se encontrava entre os personagens que foram fazer baderna em frente à casa do prefeito Firmino Filho.
Até que se prove o contrário, of course.

Ping-Pong 
O Congresso Nacional!

Seu Dico, poeta, de Dom Inocêncio-PI, puxa conversa com o vice-prefeito Marcos Damasceno sobre a possibilidade de cassação do presidente Bolsonaro:

Seu Dico: “Será se este presidente será cassado?!”
Damasceno: “Depende do Congresso Nacional...”
Seu Dico: “A metade daqueles deputados é incapaz, e a outra metade é capaz de tudo”.

Expressas

O Piauí já possui 202 óbitos e mais de 6 mil casos confirmados de coronavírus em 163 municípios do estado. Em relação aos curados, 517 pacientes já estão recuperados do vírus.

O Procon verificou um aumento de 97,5% nas reclamações no comércio eletrônico, em comparativo ao mesmo período do ano de 2019. 

O órgão analisou os últimos cinco meses do ano de 2020 e acredita que o aumento pode estar diretamente associado ao isolamento social devido à pandemia da covid-19. 

Estamos sob censura 30 Criminosos não podem guardar criminosos