1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Os números mágicos do governador
Publicidade

Os números mágicos do governador

O próprio jornalista Cláudio Barros, autor de boa parte do texto abaixo, chama de números mágicos aqueles que, sacados de uma cartola como se fossem um coelho em um palco, são exibidos para gozo de uma plateia sedenta de boas notícias. Mas é exatamente assim que se pode definir os dados apresentados por Wellington Dias no Fórum Nacional, um evento que tem a assinatura de Reis Velloso e que em sua 33ª Edição discutiu ‘Pandemia e a Crise Estadual’. Ao falar no evento, o governador do Piauí apresentou o Plano Piauí 2030, que estaria direcionado a crescimento das riquezas, equilíbrio fiscal, e elevação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O governador projeta uma elevação do Produto Interno Bruto (PIB) do Piauí para R$ 70 bilhões em 2023, É nesse ponto que se sustenta uma leitura do jornalista em seu blog no Portal AZ: “Ele [Wellington Dias] desenha na água, projeta no ar, porque não há um só indicador que dê concretude a essa expansão do PIB entre 2019 e 2023” diz Cláudio. “Em relação à última contagem da economia regional, de 2018 (R$ 50,38 bilhões, segundo o IBGE), o acréscimo será de R$ 19,62 bilhões ou 38,94% de expansão entre 2019 e 2023 – um hiato cinco anos com média de crescimento anual de 7,78%. O número do governador tem cara, gosto, cheiro e jeito de chute macroeconômico, como é do feitio dele, um político populista (de esquerda, dizem os incautos!) que parece um híbrido de Alberto Silva e Mão Santa”, desdenha o jornalista. Isso porque, segundo a leitura de Cláudio, “o crescimento médio de 7,78% projetado pelo governador não encontra arrimo”, pois, “no ano passado, relatório da  Fundação Cepro, extinta nas sucessivas reformas administrativas do governador, apontava sobre o PIB do Piauí em termos de volume, ‘portanto, em termos reais, o crescimento de 2,1% em 2018 relativamente a 2017’” É um direito de Wellington Dias se entusiasmar sem base estatística que segure sua euforia, mas é preciso advertir aos leitores e, sobretudo aos eleitores, que o crescimento econômico do Piauí a uma taxa tão elevada entre 2019 e 2023 só será possível com elevado investimento público (o que não ocorre somente com a participação local), retomada do crescimento do país a taxas mais robustas, o que está cada vez mais difícil e nenhum evento climático extremo para prejudicar o bom desempenho do setor agropecuário, que tem sido o salvador da pátria da economia local e do país. Portanto, não é despeitoso dizer que em se tratando da projeção do governador, Wellington Dias consegue a proeza de desenhar na água e projetar no ar suas elucubrações. 


N seu mundinho mágico, governador Wellington Dias desenha na água e projeta no ar aquilo que para os normais é impossível (Foto: divulgação)

Que vergonha!

A França reabriu a fronteira, mas brasileiro não entra.

Afinal, quando será?

As conversas sobre mudanças na equipe da prefeitura de Teresina são cada vez mais distantes umas das outras. 
O prefeito Dr. Pessoa fala que segunda-feira dará coletiva sobre o que vai mudar. 
Lucas, o coordenador de comunicação, acha que pode ser terça ou quarta-feira.

A diversão

Numa gestão onde não se vê um norte, mudar secretario de um órgão para outro, parece ser divertidíssimo. 
Daí se dizer que Pessoa já vai para a 6ª reforma numa equipe que até agora não disse a que veio.

Meu candidato é...

Ontem, por exemplo, Pessoa já deixou acertado que cada gestor – principalmente os caçadores de votos das SDUs – já podem dizer em quem votarão que ele, prefeito, não se incomoda.

Lugar do genro

É certo que André Lopes, genro de Pessoa, irá para a Secretaria de Governo. 
Apenas oficializar o que já fazia como assessor especial do prefeito, porque já exercia muitas ações que se esperava fossem de Adolfo Nunes.

Sem festa 

Ontem, foi o aniversário da primeira dama de Teresina, Dona Conceição. 
E, bem diferente de muitas, não quis comes e bebes, preferindo ontem mesmo a noite distribuir alimentos para os necessitados nas ruas.

Direito 1

Os advogados Diogo Caldas Silva, Antônio Lucimar Santos Filho e Talmy Tércio Ribeiro da Silva Junior foram contratados pelo Instituto de Previdência do Município para atuar em demandas tanto do IPMT quanto de seu braço de assistência médico-hospitalar, o Plante.
Até aí tudo mundo bem. 

Mas ...

O contrato entre o IPMT e a banca Caldas, Ribeiro, Santos & Castelo Branco Sociedade de Advogados é de R$ 25 mil mensais, por 12 meses e foi feito com dispensa de licitação.

Direito 2

Igualmente sem licitação, a Empresa Teresinense de Urbanização, contratou, também por um ano e com valor mensal de R$ 25 mil a banca Tulyo Vilarinho Sociedade de Individual de Advocacia.
O dinheiro para pagar pela atuação em processos administrativos e judiciais da Empresa Teresinense de Desenvolvimento Urbano sairá do Tesouro Municipal, segundo extrato do contrato publicado quinta-feira no Diário Oficial do Município.
Esses são os contratos que fazem a alegria de gente de todos os lados.

Olha, olha!

Robert Rios, vice-prefeito e xerife das finanças públicas e que faz as vezes do prefeito, em janeiro, advertia que a Eturb era uma empresa falida que emprestava pessoal para outros órgãos da administração municipal, enquanto torrava dinheiro com pessoal terceirizado.
Parece que o pendor para a gastança sem rumo se manteve intacta por lá. E Rios nem parece lembrar de mais nada. 

Importação

Informa em sua coluna no Diário do Nordeste o jornalista Egídio Serpa, que o Piauí importa da China o que o Ceará fabrica. Refere-se o colunista de economia do jornal cearense a hélices, torres e aerogeradores para parques eólicos que estão sendo feitos do lado de cá da Serra da Ibiapaba.

Produção local

Egídio, em tom queixoso, diz que “os donos do projeto eólico piauiense talvez não saibam, mas todo esse material importado é produzido aqui no Ceará pela brasileiríssima Aeris, cuja fábrica fica à curta distância do Porto do Pecém e a meia distância do Piauí”.

Mais barato?

Sem citar custos comparativos, diz o jornalista cearense que “teria saído mais rápido e mais barato se toda a encomenda piauiense tivesse sido feita às competentes e modernas fábricas cearenses”.
E arremata: “O Piauí é governado por Wellington Dias; o Ceará, por Camilo Santana, ambos do PT”.

Negócios privados

Noves fora o fato de que os investimentos em energia eólica, pelo menos no Piauí, recebem um refresco tributário pela isenção de impostos sobre insumos e materiais usados na instalação das plantas de geração dessa energia, parece que pouco ou quase nada podem fazer os governadores do lado de cá e do lado de lá da Ibiapaba para definir onde as empresas vão buscar seus fornecedores.

Prévias

Os tucanos parecem dispostos a organizar uma prévia para definir quem entre seus mais destacados líderes será o pré-candidato a presidente.
Tasso Jereissati, senador pelo Ceará, e Eduardo Leite, o jovem governador gaúcho, estão entre os nomes que podem ir para a disputa interna. 

A banda 1

João Henrique de Sousa Vieira, presidente do Conselho Municipal de Política Cultural de Teresina, determinou no começo desta semana que termina hoje a criação de Comissão Especial para tratar dos contratos de gestão da Orquestra Sinfônica de Teresina e Balé da Cidade de Teresina, e de propostas alternativas de contratos, bolsas e auxílios. 

A banda 2

A comissão é formada pelos conselheiros Alex Sampaio Nunes, Francisca das Chagas Silva, Micael Cruz Fidelis, Samuel Alves Nascimento, Ravennya Muara Oliveira Silveira Moreira.
Até 30 de junho eles devem apresentar proposta para novo modelo de gesta da orquestra e do balé.
Como fazer isso, eis a questão! 

Museu

A obra do Museu da Imagem e do Som – MIS Júnior Araújo – deverá ser retomada, já que a Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas Centro contratou a empresa AM Construções para seguir com os serviços.
O MIS fica no prédio onde funcionava a Câmara Municipal de Teresina, na rua Barroso, 220, Centro.

Ping-Pong
Potós independentes

Conta a cantora Carol Costa que na semana passada teve uma conversa com o filho dela, Felipe, depois de o menino ter sido pela terceira vez vítima dos potós:

Felipe: “Mãe, eu queria matar o rei dos potós.”
Carol: “Mas, Felipe, não existe o rei dos potós!”
Felipe (muito admirado na existência de um líder para insetos tão perigosos): “Quer dizer que eles fazem o que querem?”

Originalmente publicado em 21 de julho de 2014.

Expressas

Vem cá, não existe mais a medicação do custo de vida em Teresina, medida pela Cepro, que foi extinta por obra e graça de Wellington Dias?

Se não tem, fica difícil saber sobre o quão difícil é estar vivendo em uma Teresina onde todos os preços estão pela hora da morte.

Gasolina a R$ 6,20 e tarifa de energia subindo agora com a bandeira vermelha e em agosto por ordem da Aneel são parte deste combo de carestia na cidade.

O próprio jornalista Cláudio Barros, autor de boa parte do texto abaixo, chama de números mágicos aqueles que, sacados de uma cartola como se fossem um coelho em um palco, são exibidos para gozo de uma plateia sedenta de boas notícias. Mas é exatamente assim que se pode definir os dados apresentados por Wellington Dias no Fórum Nacional, um evento que tem a assinatura de Reis Velloso e que em sua 33ª Edição discutiu ‘Pandemia e a Crise Estadual’. Ao falar no evento, o governador do Piauí apresentou o Plano Piauí 2030, que estaria direcionado a crescimento das riquezas, equilíbrio fiscal, e elevação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O governador projeta uma elevação do Produto Interno Bruto (PIB) do Piauí para R$ 70 bilhões em 2023, É nesse ponto que se sustenta uma leitura do jornalista em seu blog no Portal AZ: “Ele [Wellington Dias] desenha na água, projeta no ar, porque não há um só indicador que dê concretude a essa expansão do PIB entre 2019 e 2023” diz Cláudio. “Em relação à última contagem da economia regional, de 2018 (R$ 50,38 bilhões, segundo o IBGE), o acréscimo será de R$ 19,62 bilhões ou 38,94% de expansão entre 2019 e 2023 – um hiato cinco anos com média de crescimento anual de 7,78%. O número do governador tem cara, gosto, cheiro e jeito de chute macroeconômico, como é do feitio dele, um político populista (de esquerda, dizem os incautos!) que parece um híbrido de Alberto Silva e Mão Santa”, desdenha o jornalista. Isso porque, segundo a leitura de Cláudio, “o crescimento médio de 7,78% projetado pelo governador não encontra arrimo”, pois, “no ano passado, relatório da  Fundação Cepro, extinta nas sucessivas reformas administrativas do governador, apontava sobre o PIB do Piauí em termos de volume, ‘portanto, em termos reais, o crescimento de 2,1% em 2018 relativamente a 2017’” É um direito de Wellington Dias se entusiasmar sem base estatística que segure sua euforia, mas é preciso advertir aos leitores e, sobretudo aos eleitores, que o crescimento econômico do Piauí a uma taxa tão elevada entre 2019 e 2023 só será possível com elevado investimento público (o que não ocorre somente com a participação local), retomada do crescimento do país a taxas mais robustas, o que está cada vez mais difícil e nenhum evento climático extremo para prejudicar o bom desempenho do setor agropecuário, que tem sido o salvador da pátria da economia local e do país. Portanto, não é despeitoso dizer que em se tratando da projeção do governador, Wellington Dias consegue a proeza de desenhar na água e projetar no ar suas elucubrações. 


N seu mundinho mágico, governador Wellington Dias desenha na água e projeta no ar aquilo que para os normais é impossível (Foto: divulgação)

Que vergonha!

A França reabriu a fronteira, mas brasileiro não entra.

Afinal, quando será?

As conversas sobre mudanças na equipe da prefeitura de Teresina são cada vez mais distantes umas das outras. 
O prefeito Dr. Pessoa fala que segunda-feira dará coletiva sobre o que vai mudar. 
Lucas, o coordenador de comunicação, acha que pode ser terça ou quarta-feira.

A diversão

Numa gestão onde não se vê um norte, mudar secretario de um órgão para outro, parece ser divertidíssimo. 
Daí se dizer que Pessoa já vai para a 6ª reforma numa equipe que até agora não disse a que veio.

Meu candidato é...

Ontem, por exemplo, Pessoa já deixou acertado que cada gestor – principalmente os caçadores de votos das SDUs – já podem dizer em quem votarão que ele, prefeito, não se incomoda.

Lugar do genro

É certo que André Lopes, genro de Pessoa, irá para a Secretaria de Governo. 
Apenas oficializar o que já fazia como assessor especial do prefeito, porque já exercia muitas ações que se esperava fossem de Adolfo Nunes.

Sem festa 

Ontem, foi o aniversário da primeira dama de Teresina, Dona Conceição. 
E, bem diferente de muitas, não quis comes e bebes, preferindo ontem mesmo a noite distribuir alimentos para os necessitados nas ruas.

Direito 1

Os advogados Diogo Caldas Silva, Antônio Lucimar Santos Filho e Talmy Tércio Ribeiro da Silva Junior foram contratados pelo Instituto de Previdência do Município para atuar em demandas tanto do IPMT quanto de seu braço de assistência médico-hospitalar, o Plante.
Até aí tudo mundo bem. 

Mas ...

O contrato entre o IPMT e a banca Caldas, Ribeiro, Santos & Castelo Branco Sociedade de Advogados é de R$ 25 mil mensais, por 12 meses e foi feito com dispensa de licitação.

Direito 2

Igualmente sem licitação, a Empresa Teresinense de Urbanização, contratou, também por um ano e com valor mensal de R$ 25 mil a banca Tulyo Vilarinho Sociedade de Individual de Advocacia.
O dinheiro para pagar pela atuação em processos administrativos e judiciais da Empresa Teresinense de Desenvolvimento Urbano sairá do Tesouro Municipal, segundo extrato do contrato publicado quinta-feira no Diário Oficial do Município.
Esses são os contratos que fazem a alegria de gente de todos os lados.

Olha, olha!

Robert Rios, vice-prefeito e xerife das finanças públicas e que faz as vezes do prefeito, em janeiro, advertia que a Eturb era uma empresa falida que emprestava pessoal para outros órgãos da administração municipal, enquanto torrava dinheiro com pessoal terceirizado.
Parece que o pendor para a gastança sem rumo se manteve intacta por lá. E Rios nem parece lembrar de mais nada. 

Importação

Informa em sua coluna no Diário do Nordeste o jornalista Egídio Serpa, que o Piauí importa da China o que o Ceará fabrica. Refere-se o colunista de economia do jornal cearense a hélices, torres e aerogeradores para parques eólicos que estão sendo feitos do lado de cá da Serra da Ibiapaba.

Produção local

Egídio, em tom queixoso, diz que “os donos do projeto eólico piauiense talvez não saibam, mas todo esse material importado é produzido aqui no Ceará pela brasileiríssima Aeris, cuja fábrica fica à curta distância do Porto do Pecém e a meia distância do Piauí”.

Mais barato?

Sem citar custos comparativos, diz o jornalista cearense que “teria saído mais rápido e mais barato se toda a encomenda piauiense tivesse sido feita às competentes e modernas fábricas cearenses”.
E arremata: “O Piauí é governado por Wellington Dias; o Ceará, por Camilo Santana, ambos do PT”.

Negócios privados

Noves fora o fato de que os investimentos em energia eólica, pelo menos no Piauí, recebem um refresco tributário pela isenção de impostos sobre insumos e materiais usados na instalação das plantas de geração dessa energia, parece que pouco ou quase nada podem fazer os governadores do lado de cá e do lado de lá da Ibiapaba para definir onde as empresas vão buscar seus fornecedores.

Prévias

Os tucanos parecem dispostos a organizar uma prévia para definir quem entre seus mais destacados líderes será o pré-candidato a presidente.
Tasso Jereissati, senador pelo Ceará, e Eduardo Leite, o jovem governador gaúcho, estão entre os nomes que podem ir para a disputa interna. 

A banda 1

João Henrique de Sousa Vieira, presidente do Conselho Municipal de Política Cultural de Teresina, determinou no começo desta semana que termina hoje a criação de Comissão Especial para tratar dos contratos de gestão da Orquestra Sinfônica de Teresina e Balé da Cidade de Teresina, e de propostas alternativas de contratos, bolsas e auxílios. 

A banda 2

A comissão é formada pelos conselheiros Alex Sampaio Nunes, Francisca das Chagas Silva, Micael Cruz Fidelis, Samuel Alves Nascimento, Ravennya Muara Oliveira Silveira Moreira.
Até 30 de junho eles devem apresentar proposta para novo modelo de gesta da orquestra e do balé.
Como fazer isso, eis a questão! 

Museu

A obra do Museu da Imagem e do Som – MIS Júnior Araújo – deverá ser retomada, já que a Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas Centro contratou a empresa AM Construções para seguir com os serviços.
O MIS fica no prédio onde funcionava a Câmara Municipal de Teresina, na rua Barroso, 220, Centro.

Ping-Pong
Potós independentes

Conta a cantora Carol Costa que na semana passada teve uma conversa com o filho dela, Felipe, depois de o menino ter sido pela terceira vez vítima dos potós:

Felipe: “Mãe, eu queria matar o rei dos potós.”
Carol: “Mas, Felipe, não existe o rei dos potós!”
Felipe (muito admirado na existência de um líder para insetos tão perigosos): “Quer dizer que eles fazem o que querem?”

Originalmente publicado em 21 de julho de 2014.

Expressas

Vem cá, não existe mais a medicação do custo de vida em Teresina, medida pela Cepro, que foi extinta por obra e graça de Wellington Dias?

Se não tem, fica difícil saber sobre o quão difícil é estar vivendo em uma Teresina onde todos os preços estão pela hora da morte.

Gasolina a R$ 6,20 e tarifa de energia subindo agora com a bandeira vermelha e em agosto por ordem da Aneel são parte deste combo de carestia na cidade.

O bandido sim senhor! Os governadores na CPI