1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Themístocles, o vitorioso em 2022
Publicidade

Themístocles, o vitorioso em 2022

Se existe um agrupamento político no Piauí que já venceu as eleições de 2022 este agrupamento é o MDB ou ao menos a parte dele ligada ao deputado estadual Themístocles Filho, presidente da Assembleia Legislativa do Piauí. Por sua própria voz, intramuros, ou por fontes acreditadas junto a ele, o deputado estadual tem dito que “se tudo de errado para o MDB, faremos 10 deputados estaduais”. Parece e é uma ousadia, mas não um lance feito a esmo, um chute no escuro. Há método e lógica nas palavras do presidente da Alepi, que tem sido quem melhor se movimenta no xadrez político do Piauí de 2018 para cá, quando foi preterido na pretensão de tornar-se vice de Wellington Dias (PT) e, nessa condição, assumir o governo com a desincompatibilização do titular. O governador petista sabia da reeleição tranquila, preferindo uma chapa pura para manter o PT no Palácio de Karnak para comandar a campanha do seu sucessor. Isso posto, Themístocles garantiu seu naco de poder no Legislativo, onde incensa todos os seus pares e tratou de fortalecer o MDB onde ele poderá obter melhor desempenho: a eleição proporcional. Ao robustecer a chapa para deputado estadual, ele garante mais chances de êxito na escolha dos novos deputados estaduais. Porém, precisa avançar mais e agora se movimenta para que o MDB seja um partido com melhor desempenho na eleição das dez cadeiras do Piauí na Câmara dos Deputados – onde o filho dele, Marcos Aurélio Sampaio, de atuação discreta, mas eficiente, quer renovar o mandato. Não há razões para se duvidar do êxito emedebista sob o comando de Themístocles Filho. Menos ainda há porque desconsiderar que ele senta à mesa para dar cartas na formação de uma chapa majoritária no espectro governista da disputa. E quem vai para o espaço que o MDB busca, o de vice-governador? O próprio Themístocles Filho. Como em machado, ao vencedor, as batatas ou muito mais que isso.

Deputado estadual Themístocles Filho quer fortalecer o MDB para 2022 (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

O espólio de Seu João 

Morto em abril do ano passado, João Claudino Fernandes deixou ricos seus herdeiros diretos, os filhos. O espólio do empresário conta-se em centenas de milhões de reais e, naturalmente, que não se faz uma partilha dessas sem disputas e rusgas – o que de fato ocorre no âmbito da maior e mais bem-sucedida corporação empresarial do Piauí na segunda metade do século XX.

Jovem Claudino

Mas se não bastassem as disputas internas por dinheiro e poder no âmbito do grupo empresarial, eis que surgiu um herdeiro que não constava do roteiro oficial. Um filho fora do casamento foi reconhecido pela Justiça e agora está no rol de herdeiros diretos do empresário João Claudino Fernandes.

Segredo

Como o caso corre em segredo de Justiça, sabe-se apenas que o rapaz que reivindicou e obteve a paternidade de João Claudino Fernandes é agora um homem rico.
Os seus meios-irmãos foram todos judicialmente notificados de que vão partilhar a riqueza do pai com o mais recente herdeiro Claudino.

Razão

A notificação aos herdeiros é uma rotina judicial em casos como esse, porque o aparecimento de um novo herdeiro joga por terra o testamento anterior porventura existente, ou anula o processo de sucessão já iniciado.

O empresário João Claudino morreu em abril de 2020 (Foto: divulgação)

Quem é?

O rapaz reconhecido como filho de João Claudino Fernandes terá direito à parte na herança do pai. Sobre ele pouco se sabe, dada a condição judicial de segredo em ações de família, mas é uma pessoa com idade entre 30 e 40 anos e que teria resultado de uma relação furtiva de empresário com uma mulher que trabalhava em uma das indústrias que ele criou.

Cálculos

O MDB é cada vez mais um partido em que Themístocles Filho pensa e dá as cartas. O presidente da Assembleia Legislativa faz as contas e projeta que sua legenda, na pior das hipóteses eleitorais, monta uma chapa para deputado estadual com chances de eleger 10 dos 30 deputados estaduais.

Dureza

A última vez em que um partido político elegeu 10 deputados estaduais no Piauí foi em 1998, quando o PFL obteve 10 cadeiras e o PMDB, atual MDB, fez nove assentos.
O melhor desempenho do MDB depois foi em 2006, quando elegeu oito deputados estaduais.

Atração

Para conseguir sair de seis para 10 deputados estaduais, o MDB precisa atrair para seus quadros pelo menos o dobro do número de cadeiras que colheu em 2018, quando elegeu seis deputados estaduais. Assim, entram no radar emedebista parlamentares que pretendem trocar de legenda para concorrer às eleições estaduais no ano que vem, como Nerinho e Janainna Marques.

Ataque especulativo

É evidente que há mais especulações que certezas quando se está há mais de um ano de uma eleição, mas o MDB faz um discreto, mas intenso ataque especulativo sobre o PP, de onde pretende arrancar pelos nomes com mandato para a eleição estadual; Na mira, Hélio Isaías, Firmino Paulo e Wilson Brandão.

Prata da casa

Dois nomes que o MDB também olha no reforço desse projeto de uma super bancada de deputados estaduais são, vamos dizer, prata da casa: o presidente da Câmara Municipal de Teresina, Jeová Alencar, que se ensaia candidato há tempos, e João Duarte, o Pessoinha, filho do prefeito de Teresina, Dr. Pessoa.

Como é que é?

Wilson Martins, que voltou ao governo a bordo de sua donataria partidária, o PSB, é listado como um nome que o MDB buscaria como reforço para garantir mais chances de garantir mais vagas de deputado estadual.
Como Martins é do tipo que prefere ser cabeça de sardinha a ser rabo de baleia, a ideia da ida dele para o MDB é assim, digamos, uma conversa para divertir mesas em fim de tarde.

Remendo

A ponte da UFPI, que a prefeitura vai construir entre o setor de esportes da Universidade Federal do Piauí e o bairro Água Mineral, na zona Norte, perdeu R$ 550 mil de sua dotação orçamentária.
O recurso foi deslocado para que a Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas Norte construa, amplie e reforme “prédios institucionais”.
Isso é muito esquisito. 

O artista

Marlon Brando Alves Pontes foi nomeado na semana passada gerente-executivo da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas. A notícia é dada aqui porque o nomeado tem o nome de um artista famoso. 
Num governo cheio de artistas, porém, ele é só mais um na multidão.

O indiciado 

Também na semana passada, o prefeito Dr. Pessoa usou sua caneta azul para exonerar Tércio Macedo de Andrade, que ocupava o cargo de secretário-executivo do SUAS (Sistema Único da Assistência Social), da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas.

A causa 

Auxiliares de Pessoa informaram à coluna que a exoneração de Tércio tem tudo a ver com a confusão gerada por denúncia de sua ex-mulher Tâmara Noleto, de que Tércio não paga pensão há 22 meses. 

Longe de confusão 

E, como Dr. Pessoa já viveu esses dramáticos momentos de separação, não quer por perto confusão de marido que não trata bem mulher e filhos. 
Pessoa também soube que Tércio foi indiciado por violência doméstica a pedido do Ministério Público Estadual, conforme consta no Processo: 001753-037/2019.
E disso o prefeito quer distância. 

Mas vem cá...

Segundo uma relação de salários disponibilizada nas redes sociais, Tércio Andrade também estava recebendo como enfermeiro da Fundação Municipal de Saúde. 

Ping-Pong
O cantor e o doutor

Ostiga Júnior, advogado e vocalista da banda Cojobas, mas também um craque em apresentações solo, encontra-se com um amigo, que fica curioso para saber qual das atividades ele realmente exerce.

O amigo: “Ostiga, tu é advogado ou cantor?”
Ostiga: “Depende da ocasião?”
O amigo: “Como assim?”
Ostiga: “Para casamentos, sou cantor. Para divórcios, sou advogado.”

Originalmente publicado em 24 de setembro de 2012.

Expressas

O prefeito Dr. Pessoa não tem oposição na Câmara Municipal, onde até o PSDB manteve nomeações na gestão atual.

Cada dia mais há ruas esburacadas em Teresina e não se pode mais colocar a chuva como desculpa para isso.

O avanço da vacinação no Brasil pode e deve ser celebrado como um trabalho dos governadores, sobretudo os do Nordeste.

Se existe um agrupamento político no Piauí que já venceu as eleições de 2022 este agrupamento é o MDB ou ao menos a parte dele ligada ao deputado estadual Themístocles Filho, presidente da Assembleia Legislativa do Piauí. Por sua própria voz, intramuros, ou por fontes acreditadas junto a ele, o deputado estadual tem dito que “se tudo de errado para o MDB, faremos 10 deputados estaduais”. Parece e é uma ousadia, mas não um lance feito a esmo, um chute no escuro. Há método e lógica nas palavras do presidente da Alepi, que tem sido quem melhor se movimenta no xadrez político do Piauí de 2018 para cá, quando foi preterido na pretensão de tornar-se vice de Wellington Dias (PT) e, nessa condição, assumir o governo com a desincompatibilização do titular. O governador petista sabia da reeleição tranquila, preferindo uma chapa pura para manter o PT no Palácio de Karnak para comandar a campanha do seu sucessor. Isso posto, Themístocles garantiu seu naco de poder no Legislativo, onde incensa todos os seus pares e tratou de fortalecer o MDB onde ele poderá obter melhor desempenho: a eleição proporcional. Ao robustecer a chapa para deputado estadual, ele garante mais chances de êxito na escolha dos novos deputados estaduais. Porém, precisa avançar mais e agora se movimenta para que o MDB seja um partido com melhor desempenho na eleição das dez cadeiras do Piauí na Câmara dos Deputados – onde o filho dele, Marcos Aurélio Sampaio, de atuação discreta, mas eficiente, quer renovar o mandato. Não há razões para se duvidar do êxito emedebista sob o comando de Themístocles Filho. Menos ainda há porque desconsiderar que ele senta à mesa para dar cartas na formação de uma chapa majoritária no espectro governista da disputa. E quem vai para o espaço que o MDB busca, o de vice-governador? O próprio Themístocles Filho. Como em machado, ao vencedor, as batatas ou muito mais que isso.

Deputado estadual Themístocles Filho quer fortalecer o MDB para 2022 (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

O espólio de Seu João 

Morto em abril do ano passado, João Claudino Fernandes deixou ricos seus herdeiros diretos, os filhos. O espólio do empresário conta-se em centenas de milhões de reais e, naturalmente, que não se faz uma partilha dessas sem disputas e rusgas – o que de fato ocorre no âmbito da maior e mais bem-sucedida corporação empresarial do Piauí na segunda metade do século XX.

Jovem Claudino

Mas se não bastassem as disputas internas por dinheiro e poder no âmbito do grupo empresarial, eis que surgiu um herdeiro que não constava do roteiro oficial. Um filho fora do casamento foi reconhecido pela Justiça e agora está no rol de herdeiros diretos do empresário João Claudino Fernandes.

Segredo

Como o caso corre em segredo de Justiça, sabe-se apenas que o rapaz que reivindicou e obteve a paternidade de João Claudino Fernandes é agora um homem rico.
Os seus meios-irmãos foram todos judicialmente notificados de que vão partilhar a riqueza do pai com o mais recente herdeiro Claudino.

Razão

A notificação aos herdeiros é uma rotina judicial em casos como esse, porque o aparecimento de um novo herdeiro joga por terra o testamento anterior porventura existente, ou anula o processo de sucessão já iniciado.

O empresário João Claudino morreu em abril de 2020 (Foto: divulgação)

Quem é?

O rapaz reconhecido como filho de João Claudino Fernandes terá direito à parte na herança do pai. Sobre ele pouco se sabe, dada a condição judicial de segredo em ações de família, mas é uma pessoa com idade entre 30 e 40 anos e que teria resultado de uma relação furtiva de empresário com uma mulher que trabalhava em uma das indústrias que ele criou.

Cálculos

O MDB é cada vez mais um partido em que Themístocles Filho pensa e dá as cartas. O presidente da Assembleia Legislativa faz as contas e projeta que sua legenda, na pior das hipóteses eleitorais, monta uma chapa para deputado estadual com chances de eleger 10 dos 30 deputados estaduais.

Dureza

A última vez em que um partido político elegeu 10 deputados estaduais no Piauí foi em 1998, quando o PFL obteve 10 cadeiras e o PMDB, atual MDB, fez nove assentos.
O melhor desempenho do MDB depois foi em 2006, quando elegeu oito deputados estaduais.

Atração

Para conseguir sair de seis para 10 deputados estaduais, o MDB precisa atrair para seus quadros pelo menos o dobro do número de cadeiras que colheu em 2018, quando elegeu seis deputados estaduais. Assim, entram no radar emedebista parlamentares que pretendem trocar de legenda para concorrer às eleições estaduais no ano que vem, como Nerinho e Janainna Marques.

Ataque especulativo

É evidente que há mais especulações que certezas quando se está há mais de um ano de uma eleição, mas o MDB faz um discreto, mas intenso ataque especulativo sobre o PP, de onde pretende arrancar pelos nomes com mandato para a eleição estadual; Na mira, Hélio Isaías, Firmino Paulo e Wilson Brandão.

Prata da casa

Dois nomes que o MDB também olha no reforço desse projeto de uma super bancada de deputados estaduais são, vamos dizer, prata da casa: o presidente da Câmara Municipal de Teresina, Jeová Alencar, que se ensaia candidato há tempos, e João Duarte, o Pessoinha, filho do prefeito de Teresina, Dr. Pessoa.

Como é que é?

Wilson Martins, que voltou ao governo a bordo de sua donataria partidária, o PSB, é listado como um nome que o MDB buscaria como reforço para garantir mais chances de garantir mais vagas de deputado estadual.
Como Martins é do tipo que prefere ser cabeça de sardinha a ser rabo de baleia, a ideia da ida dele para o MDB é assim, digamos, uma conversa para divertir mesas em fim de tarde.

Remendo

A ponte da UFPI, que a prefeitura vai construir entre o setor de esportes da Universidade Federal do Piauí e o bairro Água Mineral, na zona Norte, perdeu R$ 550 mil de sua dotação orçamentária.
O recurso foi deslocado para que a Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas Norte construa, amplie e reforme “prédios institucionais”.
Isso é muito esquisito. 

O artista

Marlon Brando Alves Pontes foi nomeado na semana passada gerente-executivo da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas. A notícia é dada aqui porque o nomeado tem o nome de um artista famoso. 
Num governo cheio de artistas, porém, ele é só mais um na multidão.

O indiciado 

Também na semana passada, o prefeito Dr. Pessoa usou sua caneta azul para exonerar Tércio Macedo de Andrade, que ocupava o cargo de secretário-executivo do SUAS (Sistema Único da Assistência Social), da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas.

A causa 

Auxiliares de Pessoa informaram à coluna que a exoneração de Tércio tem tudo a ver com a confusão gerada por denúncia de sua ex-mulher Tâmara Noleto, de que Tércio não paga pensão há 22 meses. 

Longe de confusão 

E, como Dr. Pessoa já viveu esses dramáticos momentos de separação, não quer por perto confusão de marido que não trata bem mulher e filhos. 
Pessoa também soube que Tércio foi indiciado por violência doméstica a pedido do Ministério Público Estadual, conforme consta no Processo: 001753-037/2019.
E disso o prefeito quer distância. 

Mas vem cá...

Segundo uma relação de salários disponibilizada nas redes sociais, Tércio Andrade também estava recebendo como enfermeiro da Fundação Municipal de Saúde. 

Ping-Pong
O cantor e o doutor

Ostiga Júnior, advogado e vocalista da banda Cojobas, mas também um craque em apresentações solo, encontra-se com um amigo, que fica curioso para saber qual das atividades ele realmente exerce.

O amigo: “Ostiga, tu é advogado ou cantor?”
Ostiga: “Depende da ocasião?”
O amigo: “Como assim?”
Ostiga: “Para casamentos, sou cantor. Para divórcios, sou advogado.”

Originalmente publicado em 24 de setembro de 2012.

Expressas

O prefeito Dr. Pessoa não tem oposição na Câmara Municipal, onde até o PSDB manteve nomeações na gestão atual.

Cada dia mais há ruas esburacadas em Teresina e não se pode mais colocar a chuva como desculpa para isso.

O avanço da vacinação no Brasil pode e deve ser celebrado como um trabalho dos governadores, sobretudo os do Nordeste.

O bandido sim senhor! Os números mágicos do governador