1. Colunas
  2. Jacobina
  3. Denúncia: Cadê o chefe da polícia?
Publicidade

Denúncia: Cadê o chefe da polícia?

Sério, quem é o chefe de polícia dessa “bagaça”?

Minha língua de navalha, é igual o dente da morte, vive insatisfeita, então, dá pra falar “ala vonté” da inexistente e cruel in-segurança pública do Piauí. 

Fontes confiáveis e sigilosas noticiaram a esta rainha, da cabeça grande e graciosa, (pero no mucho graciosa!) situações constrangedoras e desrespeitosas, em face da população que busca o único meio de justiça, qual seja, a POLÍCIA!

Sede da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (Foto: Portal AZ)

Refiro-me da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, dos quais, envolvem casos delicadíssimos, casos extremados e de grande peso social: crianças estuprada e violentadas não é nada legal, senhores!

Na verdade, meus camaradas, podemos, até, configurar dois crimes: o agressor Estado e o agressor covarde!

Recebi o seguinte relato de uma mãe:

“Jacobina, minha filha de 08 anos foi abusada, e ao chegar às dependências da delegacia, a garota não queria adentrar, pois parecia o ambiente feio e sórdido. (Eu acho que a criança estava com razão, só acho!).

A mãe disse que “A Via Crúcis”, a fim de  iniciar o procedimento  foi assombroso. No momento do fato, não tinha combustível para “pegar o bandido” e o telefone da delegacia estava quebrado e os funcionários   estavam com cara de “ex-viventes,” IGUAIS DOS LIVROS DO Fiódor Dostoiévski, PORÉM, eles tinham e têm boa vontade, mas a estrutura de trabalho é inexistente, péssima!

Talvez, penso eu, os delegados e agentes são “os esquecidos”, por isso, acho que não têm sequer CHEFE DE POLÍCIA NESSA BAGAÇA, OU TEM?  Ê, ê, ê, ê, ê, Índio quer apito, se não der, pau vai comer!!!!

A mãe ainda relatou que “a delegada e os agentes estavam “estressadíssimos” pelas péssimas condições, excessos de relatórios, falta de pessoal, mecanismo de investigação forense adequado inexistentes  e outras cositas mais...Um horror! 

Imaginem vocês, jacobinos, os profissionais suportarem um ambiente sem o aparelhamento necessário e com uma matéria criminal de enlouquecer o cabeção, quem ficaria bem dessa forma? Ai, se estivéssemos na revolução Francesa eu já teria uma solução, CABEÇAS!

“Pequena digressão : Olha que injustiça, jacobinos, uma delegada sem nenhuma condição de trabalho, delegacias sucateadas, falta de pessoal, crimes brotando a todo momento, enquanto isso atravessando o Parnaíba, BEM ALI, temos um tribunal de justiça, empossados por semi-Deuses, com seus motoristas, regalias, e tietes...Poxa!! FICO CHEIA DE “GRILOS” COM ISSO! GRILOS E GRILAGEM SEMPRE HÁ DE PINTAR POR AÍ! Isso é para outra denúncia! (Mas não é no Piauí não, só os “novos baianos que entraram na cana”). Tu visse? Eita Bahia, se essa onda pega!

Sim, finalizo aqui, e avisa que o chefe de polícia que assim, a revolução não irá atrasar e o povo precisa de soluções e não de reeleições .... #FICAADICA

JACONINA...... "Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces

Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E NUNCA VOU POR ALI...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos? ...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...
Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca princípio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
SEI QUE NÃO VOU POR AÍ!
Cântico negro/José Régio

Sério, quem é o chefe de polícia dessa “bagaça”?

Minha língua de navalha, é igual o dente da morte, vive insatisfeita, então, dá pra falar “ala vonté” da inexistente e cruel in-segurança pública do Piauí. 

Fontes confiáveis e sigilosas noticiaram a esta rainha, da cabeça grande e graciosa, (pero no mucho graciosa!) situações constrangedoras e desrespeitosas, em face da população que busca o único meio de justiça, qual seja, a POLÍCIA!

Sede da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (Foto: Portal AZ)

Refiro-me da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, dos quais, envolvem casos delicadíssimos, casos extremados e de grande peso social: crianças estuprada e violentadas não é nada legal, senhores!

Na verdade, meus camaradas, podemos, até, configurar dois crimes: o agressor Estado e o agressor covarde!

Recebi o seguinte relato de uma mãe:

“Jacobina, minha filha de 08 anos foi abusada, e ao chegar às dependências da delegacia, a garota não queria adentrar, pois parecia o ambiente feio e sórdido. (Eu acho que a criança estava com razão, só acho!).

A mãe disse que “A Via Crúcis”, a fim de  iniciar o procedimento  foi assombroso. No momento do fato, não tinha combustível para “pegar o bandido” e o telefone da delegacia estava quebrado e os funcionários   estavam com cara de “ex-viventes,” IGUAIS DOS LIVROS DO Fiódor Dostoiévski, PORÉM, eles tinham e têm boa vontade, mas a estrutura de trabalho é inexistente, péssima!

Talvez, penso eu, os delegados e agentes são “os esquecidos”, por isso, acho que não têm sequer CHEFE DE POLÍCIA NESSA BAGAÇA, OU TEM?  Ê, ê, ê, ê, ê, Índio quer apito, se não der, pau vai comer!!!!

A mãe ainda relatou que “a delegada e os agentes estavam “estressadíssimos” pelas péssimas condições, excessos de relatórios, falta de pessoal, mecanismo de investigação forense adequado inexistentes  e outras cositas mais...Um horror! 

Imaginem vocês, jacobinos, os profissionais suportarem um ambiente sem o aparelhamento necessário e com uma matéria criminal de enlouquecer o cabeção, quem ficaria bem dessa forma? Ai, se estivéssemos na revolução Francesa eu já teria uma solução, CABEÇAS!

“Pequena digressão : Olha que injustiça, jacobinos, uma delegada sem nenhuma condição de trabalho, delegacias sucateadas, falta de pessoal, crimes brotando a todo momento, enquanto isso atravessando o Parnaíba, BEM ALI, temos um tribunal de justiça, empossados por semi-Deuses, com seus motoristas, regalias, e tietes...Poxa!! FICO CHEIA DE “GRILOS” COM ISSO! GRILOS E GRILAGEM SEMPRE HÁ DE PINTAR POR AÍ! Isso é para outra denúncia! (Mas não é no Piauí não, só os “novos baianos que entraram na cana”). Tu visse? Eita Bahia, se essa onda pega!

Sim, finalizo aqui, e avisa que o chefe de polícia que assim, a revolução não irá atrasar e o povo precisa de soluções e não de reeleições .... #FICAADICA

JACONINA...... "Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces

Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E NUNCA VOU POR ALI...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos? ...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...
Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca princípio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
SEI QUE NÃO VOU POR AÍ!
Cântico negro/José Régio

Denúncia: alunos tornam-se faxineiros em escola pública! Conheça a coluna Jacobina