1. Colunas
  2. Jacobina
  3. Denúncia: onde está o Secretário de Educação do Piauí?
Publicidade

Denúncia: onde está o Secretário de Educação do Piauí?

Antes de iniciar esta coluna, vou logo informando, EU NÃO FUI CENSURADA! 

Na verdade, eu e o jornalista Arimatéia Azevedo, vivemos assim, sofrendo censura dia a dia, sol a sol, e o pior que a censura vem dos operadores da justiça, falar sobre qualquer rei de “capa preta”, é perigoso, pois vem da própria justiça, aquele manto invisível, sórdido e cheio corporativista: O “CALAR A BOCA”.

(Foto: ilustrativa / reprodução internet)

Nós jornalistas destemidos sofremos aqui no Piauí um “lawfare” tupiniqui, mas como diz o Marcelo D2:

“Sou o que sou e ninguém vai me mudar porque eu tenho um escudo contra o vacilão papel e caneta e um mic na minha mão e é isso que é preciso coragem e humildade atitude certa na hora da verdade” e se baixamos a cabeça já era!!!!

Então vamos continuar escrevendo, pois na hora do couro, temos que tá preparado.Mas uma perguntinha sem maldade será que o CNJ já comparou os rendimentos (de alguns) os julgadores com a vida que eles levam?  

Deixa pra lá, continuemos com nossos grilos e grilagens! 

Sobre a denúncia de hoje, vamos lá: Recebi várias reclamações de pais dos alunos do Centro Educacional Profissional Corina Machado Vieira, lá no Jacinta Andrade.

Centro Educacional Profissional Corina Machado Vieira (Foto: reprodução Facebook)

A parada é o seguinte:

A impressão que se tem é que aquela escola está abandonada pelo caro Secretário de Educação que, de pronto, dou um conselho de “best friend”, saia do seu gabinete e vá visitar o local, homens públicos deveriam fazer sempre isso, visitar as escolas, hospitais.... Vá, Querido! Mas quem é mesmo o secretário? Dúvida!!!!

Denúncia 01: Os pais relataram a esta coluna que seus filhos, aqueles que vão famintos para escola (pois sabemos da pobreza extrema, e sabemos ainda, que têm alunos que saem de suas casas, infelizmente, apenas para comerem o lanche suculento do Estado).

Porém, o lanche oferecido é “quisuque” e duas bolachas maizena, mas dizem “a boca pequena e os pais mais exagerados” que na verdade, é apenas uma “garapa de açúcar”, que bom né!!!

Os filhos não são de vocês, caros deputados, senadores, secretários e demais autoridades...

Como diz CAETANO VELOSO E GIL: 

Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque, um batuque
Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária
Em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada:
Nem o traço do sobrado
Nem a lente do fantástico,
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém, ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do pelô, e se você não for
Pense no Haiti, reze pelo...
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

Residecial Jacinta Andrade / Situação da escola (Fotos: reprodução internet)

Denúncia 02: Dizem ainda que as disciplinas oferecidas aos alunos, são apenas quatro disciplinas, e aí, como o critério de avaliação é ineficaz, os professores irão aprovar todo mundo, ou seja, a geral!!! Ihuuuuuuuuuuuuuu!

Denúncia 03: Os professores e alunos estão rolando brigas físicas, pois o clima é tão pesado, que ninguém se entende mais... Claro, imaginem como é conviver em uma escola que descumpre os parâmetros básicos de educação e descumpre os direitos humanos! Olha que estou falando de uma escola e não da Casa de Custódia!!!! Céus!!!!

Por fim, peço aos responsáveis tome providências e que o Ministério Publico cumpra seu poder de fiscalização!!!

A coluna abre espaço para o direito de resposta de todos os envolvidos!

Jacobina.

Antes de iniciar esta coluna, vou logo informando, EU NÃO FUI CENSURADA! 

Na verdade, eu e o jornalista Arimatéia Azevedo, vivemos assim, sofrendo censura dia a dia, sol a sol, e o pior que a censura vem dos operadores da justiça, falar sobre qualquer rei de “capa preta”, é perigoso, pois vem da própria justiça, aquele manto invisível, sórdido e cheio corporativista: O “CALAR A BOCA”.

(Foto: ilustrativa / reprodução internet)

Nós jornalistas destemidos sofremos aqui no Piauí um “lawfare” tupiniqui, mas como diz o Marcelo D2:

“Sou o que sou e ninguém vai me mudar porque eu tenho um escudo contra o vacilão papel e caneta e um mic na minha mão e é isso que é preciso coragem e humildade atitude certa na hora da verdade” e se baixamos a cabeça já era!!!!

Então vamos continuar escrevendo, pois na hora do couro, temos que tá preparado.Mas uma perguntinha sem maldade será que o CNJ já comparou os rendimentos (de alguns) os julgadores com a vida que eles levam?  

Deixa pra lá, continuemos com nossos grilos e grilagens! 

Sobre a denúncia de hoje, vamos lá: Recebi várias reclamações de pais dos alunos do Centro Educacional Profissional Corina Machado Vieira, lá no Jacinta Andrade.

Centro Educacional Profissional Corina Machado Vieira (Foto: reprodução Facebook)

A parada é o seguinte:

A impressão que se tem é que aquela escola está abandonada pelo caro Secretário de Educação que, de pronto, dou um conselho de “best friend”, saia do seu gabinete e vá visitar o local, homens públicos deveriam fazer sempre isso, visitar as escolas, hospitais.... Vá, Querido! Mas quem é mesmo o secretário? Dúvida!!!!

Denúncia 01: Os pais relataram a esta coluna que seus filhos, aqueles que vão famintos para escola (pois sabemos da pobreza extrema, e sabemos ainda, que têm alunos que saem de suas casas, infelizmente, apenas para comerem o lanche suculento do Estado).

Porém, o lanche oferecido é “quisuque” e duas bolachas maizena, mas dizem “a boca pequena e os pais mais exagerados” que na verdade, é apenas uma “garapa de açúcar”, que bom né!!!

Os filhos não são de vocês, caros deputados, senadores, secretários e demais autoridades...

Como diz CAETANO VELOSO E GIL: 

Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque, um batuque
Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária
Em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada:
Nem o traço do sobrado
Nem a lente do fantástico,
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém, ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do pelô, e se você não for
Pense no Haiti, reze pelo...
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

Residecial Jacinta Andrade / Situação da escola (Fotos: reprodução internet)

Denúncia 02: Dizem ainda que as disciplinas oferecidas aos alunos, são apenas quatro disciplinas, e aí, como o critério de avaliação é ineficaz, os professores irão aprovar todo mundo, ou seja, a geral!!! Ihuuuuuuuuuuuuuu!

Denúncia 03: Os professores e alunos estão rolando brigas físicas, pois o clima é tão pesado, que ninguém se entende mais... Claro, imaginem como é conviver em uma escola que descumpre os parâmetros básicos de educação e descumpre os direitos humanos! Olha que estou falando de uma escola e não da Casa de Custódia!!!! Céus!!!!

Por fim, peço aos responsáveis tome providências e que o Ministério Publico cumpra seu poder de fiscalização!!!

A coluna abre espaço para o direito de resposta de todos os envolvidos!

Jacobina.

Denúncia: alunos tornam-se faxineiros em escola pública! Denúncia: O desembargador precisa saber!