1. Colunas
  2. Carol Jericó
  3. Fui laranja do PSL - parte 01
Publicidade

Fui laranja do PSL - parte 01

Na minha vidinha medíocre, eu era mais feliz . Porém,  tem sempre o canto da sereia para te fazer pensar que se muda o mundo com promessas mirabolantes, no entanto, o sistema é bruto!  

Os interesses são escusos e nada republicanos, de alguns que, sem qualquer caráter, te fazem cair na armadilha. 

Fui burra, eu confesso! Homens odeiam mulheres, quando tem a malfadada eleição pelo meio. Cá entre nós,  vocês acredita nesse tal fundo partidário? 
Tá, eu conto ou vocês descobrem? 

Na lei, eu disse “na lei”, 30% das vagas deveriam ser para mulheres, sendo que isso, na realidade não passa de uma farsa!  

No Piauí , as coisas são mais descaradas, com contratos disfarçados de legítimos, mas se a PF, der um olhadinha e fizer o serviço, verá que é uma “lavanderia” de dinheiro em altíssimo nível, como se diz no francês "très sophistiqué". 

No Rio de Janeiro, o presidente do PSL já está tendo que se entender com a PF. Nada deve ficar impune. 

Mas agora, quem sabe, vou fazer como a história de Ulisses e as Sereias. Em a Odisseia ele colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros para que não ouvissem o canto das sereias e pediu para ser amarrado ao mastro do navio e deixado com os ouvidos abertos para poder ouvir o tal canto. A ordem era para que em nenhuma circunstância, os marinheiros o desamarrassem.  Alguém viu? E foi só o começo da Odisseia! 

Veja um pouco do que aconteceu no Rio de Janeiro, através de trechos dessa matéria do Correio:

"BRASÍLIA - O Ministério Público Eleitoral (MPE) entrou com uma ação contra o presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PE), e o presidente da legenda na cidade do Rio, deputado estadual Alexandre Knoploch, por suposta fraude na distribuição de recursos do fundo eleitoral, que teria desrespeitado a cota de gênero na eleição para vereador do Rio. O MPE acusa o PSL de ter sido desigual no repasse às candidatas mulheres. 

Na ação apresentada à Justiça, o promotor Rogério Pacheco Alves pede a inelegibilidade dos acusados pelos próximos oito anos e a cassação do registro ou do diploma. O PSL tem a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados, com 53 parlamentares, o que garantiu à legenda R$ 199,4 milhões de fundo eleitoral em 2020, atrás apenas do PT. 

As cotas de gênero foram instituídas por meio de decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Federal (STF). Advogado eleitoral, Carlos Frota explica que o texto estabelece que 30% dos gastos sejam com candidatas mulheres: 

— A reserva financeira é proporcional ao percentual de mulheres candidatas, embora a distribuição do recurso dentro desse segmento fique a cargo de cada partido. 

O MPE argumenta que o material fornecido para parte das candidatas, como adesivos, santinhos e bandeiras, foi “obsoleto” e “inútil”, tendo em vista o isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19. 

Outro ponto ressaltado pelo MPE é que algumas candidaturas femininas só foram contempladas pelo partido às vésperas da eleição, como Luciana Silva Tamburini, que recebeu R$ 20 mil na semana da eleição." 

Fonte: Correio do Povo

Na minha vidinha medíocre, eu era mais feliz . Porém,  tem sempre o canto da sereia para te fazer pensar que se muda o mundo com promessas mirabolantes, no entanto, o sistema é bruto!  

Os interesses são escusos e nada republicanos, de alguns que, sem qualquer caráter, te fazem cair na armadilha. 

Fui burra, eu confesso! Homens odeiam mulheres, quando tem a malfadada eleição pelo meio. Cá entre nós,  vocês acredita nesse tal fundo partidário? 
Tá, eu conto ou vocês descobrem? 

Na lei, eu disse “na lei”, 30% das vagas deveriam ser para mulheres, sendo que isso, na realidade não passa de uma farsa!  

No Piauí , as coisas são mais descaradas, com contratos disfarçados de legítimos, mas se a PF, der um olhadinha e fizer o serviço, verá que é uma “lavanderia” de dinheiro em altíssimo nível, como se diz no francês "très sophistiqué". 

No Rio de Janeiro, o presidente do PSL já está tendo que se entender com a PF. Nada deve ficar impune. 

Mas agora, quem sabe, vou fazer como a história de Ulisses e as Sereias. Em a Odisseia ele colocou cera nos ouvidos dos seus marinheiros para que não ouvissem o canto das sereias e pediu para ser amarrado ao mastro do navio e deixado com os ouvidos abertos para poder ouvir o tal canto. A ordem era para que em nenhuma circunstância, os marinheiros o desamarrassem.  Alguém viu? E foi só o começo da Odisseia! 

Veja um pouco do que aconteceu no Rio de Janeiro, através de trechos dessa matéria do Correio:

"BRASÍLIA - O Ministério Público Eleitoral (MPE) entrou com uma ação contra o presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PE), e o presidente da legenda na cidade do Rio, deputado estadual Alexandre Knoploch, por suposta fraude na distribuição de recursos do fundo eleitoral, que teria desrespeitado a cota de gênero na eleição para vereador do Rio. O MPE acusa o PSL de ter sido desigual no repasse às candidatas mulheres. 

Na ação apresentada à Justiça, o promotor Rogério Pacheco Alves pede a inelegibilidade dos acusados pelos próximos oito anos e a cassação do registro ou do diploma. O PSL tem a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados, com 53 parlamentares, o que garantiu à legenda R$ 199,4 milhões de fundo eleitoral em 2020, atrás apenas do PT. 

As cotas de gênero foram instituídas por meio de decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Federal (STF). Advogado eleitoral, Carlos Frota explica que o texto estabelece que 30% dos gastos sejam com candidatas mulheres: 

— A reserva financeira é proporcional ao percentual de mulheres candidatas, embora a distribuição do recurso dentro desse segmento fique a cargo de cada partido. 

O MPE argumenta que o material fornecido para parte das candidatas, como adesivos, santinhos e bandeiras, foi “obsoleto” e “inútil”, tendo em vista o isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19. 

Outro ponto ressaltado pelo MPE é que algumas candidaturas femininas só foram contempladas pelo partido às vésperas da eleição, como Luciana Silva Tamburini, que recebeu R$ 20 mil na semana da eleição." 

Fonte: Correio do Povo

Celso lidera as pesquisas! Sem fake News! Lei Aldir Blanc e a incompetência da Secretaria de Cultura do Piauí