1. Editorias
  2. AZ Esporte
  3. Atletas que estariam suspensos em 2020 poderão se beneficiar do adiamento
Publicidade

Atletas que estariam suspensos em 2020 poderão se beneficiar do adiamento

Agência Mundial Antidoping (Wada) confirma que quem estiver punido por doping e cumprir a sentença até o período classificatório estará apto a competir nos Jogos de Tóquio 2020

A corrida olímpica de várias modalidades pode sofrer alterações por conta do adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021. Após questionamento do GloboEsporte.com, a Agência Mundial Antidoping (Wada) informou que, quem estiver punido por doping e tiver cumprido a sua sentença até o período classificatório, estará apto a competir na Olimpíada do ano que vem.


Rafaela Silva tenta reduzir a pena para voltar a competir no início de 2021 — Foto: Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br

Em outras palavras, atletas que estariam suspensos durante os Jogos deste ano poderão voltar a brigar por vaga caso consigam retornar a tempo de disputar competições pré-olímpicas. No esporte brasileiro, um caso emblemático é o de Rafaela Silva. Suspensa até agosto de 2021, a judoca tenta encurtar a sua pena em seis meses, o que a deixaria apta a brigar por vaga em Tóquio.

- Os períodos de inelegibilidade impostos pelo Código Mundial Antidopagem são por períodos específicos e incluem todas as competições que ocorrem durante esse período. Não há nenhuma disposição no Código para Organizações Antidopagem para escolher períodos de tempo nos quais o atleta teria mais ou menos eventos para competir - informou a Wada.

Campeã olímpica e mundial, Rafaela testou positivo para a substância fenoterol, que age como broncodilatador. A reprovação no exame antidoping aconteceu em agosto do ano passado, quando a carioca conquistou o ouro - posteriormente retirado - na categoria -57kg dos Jogos Pan-Americanos de Lima.

Quem também poderia retornar à corrida olímpica é Andressa de Morais, do atletismo. Suspensa preventivamente pela Unidade de Integridade do Atletismo por testar positivo para o anabolizante SARM S-22 na final do lançamento do disco dos Jogos Pan-Americanos de Lima, a atleta, que chegou a perder a medalha de prata conquistada no Peru, ainda não sabe quando voltará a competir.

No ciclismo, Kácio Freitas é outro nome que pode retornar ao cenário olímpico por conta do adiamento dos Jogos de Tóquio. Bronze por equipes nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, ele também está suspenso preventivamente por ter testado positivo na mesma competição e ainda não tem previsão de retorno às pistas.

A corrida olímpica de várias modalidades pode sofrer alterações por conta do adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021. Após questionamento do GloboEsporte.com, a Agência Mundial Antidoping (Wada) informou que, quem estiver punido por doping e tiver cumprido a sua sentença até o período classificatório, estará apto a competir na Olimpíada do ano que vem.


Rafaela Silva tenta reduzir a pena para voltar a competir no início de 2021 — Foto: Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br

Em outras palavras, atletas que estariam suspensos durante os Jogos deste ano poderão voltar a brigar por vaga caso consigam retornar a tempo de disputar competições pré-olímpicas. No esporte brasileiro, um caso emblemático é o de Rafaela Silva. Suspensa até agosto de 2021, a judoca tenta encurtar a sua pena em seis meses, o que a deixaria apta a brigar por vaga em Tóquio.

- Os períodos de inelegibilidade impostos pelo Código Mundial Antidopagem são por períodos específicos e incluem todas as competições que ocorrem durante esse período. Não há nenhuma disposição no Código para Organizações Antidopagem para escolher períodos de tempo nos quais o atleta teria mais ou menos eventos para competir - informou a Wada.

Campeã olímpica e mundial, Rafaela testou positivo para a substância fenoterol, que age como broncodilatador. A reprovação no exame antidoping aconteceu em agosto do ano passado, quando a carioca conquistou o ouro - posteriormente retirado - na categoria -57kg dos Jogos Pan-Americanos de Lima.

Quem também poderia retornar à corrida olímpica é Andressa de Morais, do atletismo. Suspensa preventivamente pela Unidade de Integridade do Atletismo por testar positivo para o anabolizante SARM S-22 na final do lançamento do disco dos Jogos Pan-Americanos de Lima, a atleta, que chegou a perder a medalha de prata conquistada no Peru, ainda não sabe quando voltará a competir.

No ciclismo, Kácio Freitas é outro nome que pode retornar ao cenário olímpico por conta do adiamento dos Jogos de Tóquio. Bronze por equipes nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, ele também está suspenso preventivamente por ter testado positivo na mesma competição e ainda não tem previsão de retorno às pistas.