1. Editorias
  2. Economia
  3. No Piauí, mais de 13,9 mil trabalhadores com carteira assinada foram demitidos durante a pandemia
Publicidade

No Piauí, mais de 13,9 mil trabalhadores com carteira assinada foram demitidos durante a pandemia

Segundo o Caged, 6.260 piauienses foram demitidos no mês de maio

A pandemia do coronavírus já provocou a demissão de 13.919 trabalhadores com carteira assinada nos meses de abril e maio no Piauí, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (29) pelo Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em abril, foram 7.659 e maio, 6.260 demissões. De acordo com levantamento, 2.901 piauienses tiveram a carteira assinada no mês de maio.  

Segundo o Caged, 6.260 piauienses foram demitidos no mês de maio (Foto: Agência Brasil)

De acordo com o Caged, em comparação ao número de demitidos e contratados, o Piauí ficou com o saldo negativo de -3.359 no mês de maio. No estado, nos últimos cinco meses de 2020, 29.186 trabalhadores foram contratados com carteira assinada e 37.740 pessoas já foram demitidas, o que gerou um saldo negativo de -8.554.

Em comparação aos Estados do Nordeste, o Piauí ficou em oitavo lugar com mais demissões no mês de maio em meio à pandemia da covid-19. Em primeiro lugar, a Bahia com 41.697, Pernambuco com 23.839, Ceará com 23.823, Maranhão com 10.100, Rio Grande do Norte com 9.159, Paraíba com 7.902, Alagoas com 7.371, Piauí com 6.260 e por último, Sergipe com 5.974. 

A próxima pesquisa do Caged será divulgada em 28 de julho com os dados referentes ao mês de junho. Clique aqui e veja o levantamento na íntegra. 

A situação no Brasil 

Dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) mostram que o mês de maio teve uma retração de -331.901 postos de trabalho no saldo de empregos com carteira assinada no país. No mês, houve 703.921 admissões e de 1.035.822 desligamentos. Com o resultado, o acumulado do ano chegou a -1.144.875 postos formais de trabalho.

O saldo negativo de maio foi influenciado especialmente pela queda nas admissões (-48% em relação a maio de 2019). No entanto, em relação ao mês de abril, verificou-se um aumento de 14% na quantidade de admissões. O crescimento das admissões em maio se deu em todos os setores de atividade, mas especialmente no setor da construção (+41,5%); agricultura (+28%) e comércio (+20,7). Em relação aos desligamentos, verificou uma redução de 31,9% em relação ao mês de abril. Essa redução se deu especialmente no setor do Comércio (-36%); Indústria (-33,7%) e Serviços (-33,1%).

Prorrogação de isolamento provoca fechamento de estabelecimentos em Teresina

Há três meses o Piauí cumpre o isolamento social como medida de prevenção à covid-19. Estabelecimentos não essenciais fecharam as portas e empresários vivem uma incerteza sobre a retomada das atividades econômicas. A prorrogação da quarentena até 06 de julho no estado provocou o fechamento de mais duas grandes empresas em Teresina: uma academia de luta e um restaurante, ambos na zona Leste da capital.

No último dia 23 de junho, mais dois estabelecimentos comerciais fecharam em Teresina (Fotos: divulgação)

Sem previsão para a retomada da economia, milhares de empresários estão tendo que demitir seus funcionários e suspender contratos. Um dos atingidos pela crise econômica provocada pela pandemia é o empresário Luciano Carvalho, proprietário da academia de artes maciais ‘Clube da Luta’. Outra empresa que anunciou o fechamento de suas portas, em definitivo, foi o restaurante Poco Loko Gastrobar, localizado na Avenida Homero Castelo Branco, zona Leste de Teresina. 

Matérias relacionadas:

Prorrogação de isolamento social provoca fechamento de estabelecimentos comerciais em Teresina    

Coronavírus: mais de 7,6 mil trabalhadores foram demitidos no Piauí em abril, aponta Caged    

A pandemia do coronavírus já provocou a demissão de 13.919 trabalhadores com carteira assinada nos meses de abril e maio no Piauí, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (29) pelo Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em abril, foram 7.659 e maio, 6.260 demissões. De acordo com levantamento, 2.901 piauienses tiveram a carteira assinada no mês de maio.  

Segundo o Caged, 6.260 piauienses foram demitidos no mês de maio (Foto: Agência Brasil)

De acordo com o Caged, em comparação ao número de demitidos e contratados, o Piauí ficou com o saldo negativo de -3.359 no mês de maio. No estado, nos últimos cinco meses de 2020, 29.186 trabalhadores foram contratados com carteira assinada e 37.740 pessoas já foram demitidas, o que gerou um saldo negativo de -8.554.

Em comparação aos Estados do Nordeste, o Piauí ficou em oitavo lugar com mais demissões no mês de maio em meio à pandemia da covid-19. Em primeiro lugar, a Bahia com 41.697, Pernambuco com 23.839, Ceará com 23.823, Maranhão com 10.100, Rio Grande do Norte com 9.159, Paraíba com 7.902, Alagoas com 7.371, Piauí com 6.260 e por último, Sergipe com 5.974. 

A próxima pesquisa do Caged será divulgada em 28 de julho com os dados referentes ao mês de junho. Clique aqui e veja o levantamento na íntegra. 

A situação no Brasil 

Dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) mostram que o mês de maio teve uma retração de -331.901 postos de trabalho no saldo de empregos com carteira assinada no país. No mês, houve 703.921 admissões e de 1.035.822 desligamentos. Com o resultado, o acumulado do ano chegou a -1.144.875 postos formais de trabalho.

O saldo negativo de maio foi influenciado especialmente pela queda nas admissões (-48% em relação a maio de 2019). No entanto, em relação ao mês de abril, verificou-se um aumento de 14% na quantidade de admissões. O crescimento das admissões em maio se deu em todos os setores de atividade, mas especialmente no setor da construção (+41,5%); agricultura (+28%) e comércio (+20,7). Em relação aos desligamentos, verificou uma redução de 31,9% em relação ao mês de abril. Essa redução se deu especialmente no setor do Comércio (-36%); Indústria (-33,7%) e Serviços (-33,1%).

Prorrogação de isolamento provoca fechamento de estabelecimentos em Teresina

Há três meses o Piauí cumpre o isolamento social como medida de prevenção à covid-19. Estabelecimentos não essenciais fecharam as portas e empresários vivem uma incerteza sobre a retomada das atividades econômicas. A prorrogação da quarentena até 06 de julho no estado provocou o fechamento de mais duas grandes empresas em Teresina: uma academia de luta e um restaurante, ambos na zona Leste da capital.

No último dia 23 de junho, mais dois estabelecimentos comerciais fecharam em Teresina (Fotos: divulgação)

Sem previsão para a retomada da economia, milhares de empresários estão tendo que demitir seus funcionários e suspender contratos. Um dos atingidos pela crise econômica provocada pela pandemia é o empresário Luciano Carvalho, proprietário da academia de artes maciais ‘Clube da Luta’. Outra empresa que anunciou o fechamento de suas portas, em definitivo, foi o restaurante Poco Loko Gastrobar, localizado na Avenida Homero Castelo Branco, zona Leste de Teresina. 

Matérias relacionadas:

Prorrogação de isolamento social provoca fechamento de estabelecimentos comerciais em Teresina    

Coronavírus: mais de 7,6 mil trabalhadores foram demitidos no Piauí em abril, aponta Caged