1. Editorias
  2. Política
  3. Brasil está pronto para mostrar que soja “não destrói a Amazônia”, diz Araújo
Publicidade

Brasil está pronto para mostrar que soja “não destrói a Amazônia”, diz Araújo

A declaração é uma resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que associou a produção do grão ao desmatamento

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) afirmou na noite dessa 3ª feira (12.jan.2021) que o Brasil está pronto para demonstrar que “a soja brasileira não destrói a Amazônia”. A declaração é uma resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que associou a produção do grão ao desmatamento.

Brasil está pronto para mostrar que soja “não destrói a Amazônia”, diz Araújo (Foto:Sérgio Lima/Poder360)

Em vídeo publicado em seu perfil no Twitter, Macron disse que “depender da soja brasileira” é a mesma coisa que “apoiar o desmatamento na Amazônia”. O mandatário, no entanto, não apresentou dados que embasem suas declarações.

O francês tem sido um dos críticos do acordo entre a União Europeia e o Mercosul, justamente por considerar que não há garantias de que a produção no bloco sul-americano não vá aumentar o desmatamento.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, uniu-se ao francês e colocou em xeque o pacto comercial por causa das queimadas na Amazônia.

“O Brasil está pronto a demonstrar a todos os países europeus que o Acordo Mercosul/UE não ameaça o meio ambiente e, especificamente, que a soja brasileira não destrói a Amazônia. Na verdade, o Acordo favorece o desenvolvimento sustentável em suas 3 dimensões: ambiental, social, econômica”, escreveu Araújo no Twitter.

Segundo o ministro, o acordo “aumentará a competitividade da indústria e dos serviços das duas regiões diante do resto do mundo e reforçará os compromissos ambientais também de ambas, além de ampliar mercados agrícolas reciprocamente de forma sustentável”.

Araújo se reuniu nessa 3ª feira (12.jan) com Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal. O país assumiu em janeiro a presidência da União Europeia.

“Trabalharemos para fazer avançar o acordo UE-Mercosul, que traz vantagens estratégicas a ambos [os países]. Seguiremos apoiando projetos na CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa] e democracia na Venezuela”, declarou Araújo.

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) afirmou na noite dessa 3ª feira (12.jan.2021) que o Brasil está pronto para demonstrar que “a soja brasileira não destrói a Amazônia”. A declaração é uma resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que associou a produção do grão ao desmatamento.

Brasil está pronto para mostrar que soja “não destrói a Amazônia”, diz Araújo (Foto:Sérgio Lima/Poder360)

Em vídeo publicado em seu perfil no Twitter, Macron disse que “depender da soja brasileira” é a mesma coisa que “apoiar o desmatamento na Amazônia”. O mandatário, no entanto, não apresentou dados que embasem suas declarações.

O francês tem sido um dos críticos do acordo entre a União Europeia e o Mercosul, justamente por considerar que não há garantias de que a produção no bloco sul-americano não vá aumentar o desmatamento.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, uniu-se ao francês e colocou em xeque o pacto comercial por causa das queimadas na Amazônia.

“O Brasil está pronto a demonstrar a todos os países europeus que o Acordo Mercosul/UE não ameaça o meio ambiente e, especificamente, que a soja brasileira não destrói a Amazônia. Na verdade, o Acordo favorece o desenvolvimento sustentável em suas 3 dimensões: ambiental, social, econômica”, escreveu Araújo no Twitter.

Segundo o ministro, o acordo “aumentará a competitividade da indústria e dos serviços das duas regiões diante do resto do mundo e reforçará os compromissos ambientais também de ambas, além de ampliar mercados agrícolas reciprocamente de forma sustentável”.

Araújo se reuniu nessa 3ª feira (12.jan) com Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal. O país assumiu em janeiro a presidência da União Europeia.

“Trabalharemos para fazer avançar o acordo UE-Mercosul, que traz vantagens estratégicas a ambos [os países]. Seguiremos apoiando projetos na CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa] e democracia na Venezuela”, declarou Araújo.