1. Editorias
  2. Política
  3. CCJ aprova prioridade na vacinação de contadores, advogados e profissionais das telecomunicações
Publicidade

CCJ aprova prioridade na vacinação de contadores, advogados e profissionais das telecomunicações

Franzé Silva, autor do projeto, avaliou as categorias como essenciais

A Comissão de Constituição de Justiça da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) aprovou, nessa segunda-feira (21), o Projeto de Lei Ordinária (PLO) 122/21, que estabelece como prioridade de vacinação contra a Covid-19 os profissionais da área contábil. 

CCJ aprova prioridade na vacinação de contadores, advogados e profissionais das telecomunicações (Divulgação)

O projeto aprovado recebeu emendas dos deputados Nerinho (PTB), relator da matéria, e Ziza Carvalho (PT), acrescentando na prioridade os profissionais das telecomunicações e os advogados. O deputado Franzé Silva, autor do projeto, avalia essas categorias como essenciais e comemorou a aprovação.

“Temos solicitado a inclusão de muitas categorias, que são essenciais, entre os grupos prioritários para vacinação contra a Covid-19, uma vez que, apesar das medidas restritivas voltadas barrar o avanço da doença, muitas dessas categorias não puderam parar”, observa o parlamentar.

A Comissão de Constituição de Justiça da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) aprovou, nessa segunda-feira (21), o Projeto de Lei Ordinária (PLO) 122/21, que estabelece como prioridade de vacinação contra a Covid-19 os profissionais da área contábil. 

CCJ aprova prioridade na vacinação de contadores, advogados e profissionais das telecomunicações (Divulgação)

O projeto aprovado recebeu emendas dos deputados Nerinho (PTB), relator da matéria, e Ziza Carvalho (PT), acrescentando na prioridade os profissionais das telecomunicações e os advogados. O deputado Franzé Silva, autor do projeto, avalia essas categorias como essenciais e comemorou a aprovação.

“Temos solicitado a inclusão de muitas categorias, que são essenciais, entre os grupos prioritários para vacinação contra a Covid-19, uma vez que, apesar das medidas restritivas voltadas barrar o avanço da doença, muitas dessas categorias não puderam parar”, observa o parlamentar.