1. Editorias
  2. Política
  3. Bolsonaro diz que “hacker do bem” vai mostrar provas de fraude em 2014
Publicidade

Bolsonaro diz que “hacker do bem” vai mostrar provas de fraude em 2014

Presidente afirmou que haverá apresentação à imprensa com fotografia minuto a minuto. Mandatário alega que Aécio teria vencido as eleições

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta terça-feira (20/7) que vai apresentar na próxima semana provas de fraude nas eleições de 2014, nas quais, segundo alega, o candidato Aécio Neves (PSDB) teria vencido a então presidente Dilma Rousseff (PT).

Bolsonaro diz que “hacker do bem” vai mostrar provas de fraude em 2014 (Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles)

Em entrevista à rádio Itatiaia, o mandatário do país afirmou que um “hacker do bem” fará apresentação à imprensa no Palácio do Planalto com fotografia minuto a minuto.

“Eu só consegui ser eleito porque tive muito voto, se fosse uma votação normal, bigode a bigode, como diz na gíria, a gente teria perdido as eleições. Eu vou comprovar que Aécio Neves ganhou as eleições de 2014”, disse o chefe do Executivo nacional.

Questionado como fará a comprovação, Bolsonaro afirmou: “Com um ‘hacker do bem’, um pessoal que entende de informática e mostrando”.

“Eu vou demonstrar que a fotografia minuto a minuto dos votos chegando ao TSE no segundo turno de 2014 dava Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, até o fim. Sempre com a Dilma com um montante um pouco maior que Aécio, em todas as vezes. Isso é impossível de acontecer.”

Segundo o mandatário, as supostas provas serão encaminhadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para verificação do corregedor da corte.

O próprio PSDB já afastou suspeitas de fraude no pleito daquele ano, mas o presidente da República tem insistido na tese como forma de reforçar a defesa do voto impresso.

PEC do voto impresso
A proposta de emenda à Constituição (PEC) sobre o assunto encontra resistência na Câmara. Na semana passada, para evitar derrota, a base do governo na Câmara conseguiu adiar a votação do parecer do relator da proposição, deputado Filipe Barros (PSL-SP).

O presidente da comissão especial que debate a proposta, Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), convocou nova reunião para 5 de agosto, ou seja, após o recesso parlamentar.

Numa manobra regimental, Martins argumentou que Barros solicitou mais tempo para fazer modificações no texto, a pedido de outros deputados da comissão.

Se aprovada na comissão, a proposta segue para votação no plenário da Câmara. A PEC é de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF) e teve a constitucionalidade aprovada, em dezembro de 2019, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

Por se tratar de uma PEC, o texto precisa do aval de 308 deputados, em dois turnos de votação. Se aprovado, vai para análise dos senadores.

A proposta prevê a inclusão de um artigo na Constituição Federal para que, “na votação e apuração de eleições, plebiscitos e referendos, seja obrigatória a expedição de cédulas físicas, conferíveis pelo eleitor, a serem depositadas em urnas indevassáveis, para fins de auditoria”.

Na noite de segunda-feira (19/7), Bolsonaro admitiu pela primeira vez, que não acredita mais que a PEC do voto impresso será aprovada.

“Eu não acredito mais que passe na Câmara o voto impresso, tá? A gente faz o possível. Vamos ver como é que fica aí”, disse o presidente durante conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada. A declaração foi transmitida por um canal simpatizante ao governo.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta terça-feira (20/7) que vai apresentar na próxima semana provas de fraude nas eleições de 2014, nas quais, segundo alega, o candidato Aécio Neves (PSDB) teria vencido a então presidente Dilma Rousseff (PT).

Bolsonaro diz que “hacker do bem” vai mostrar provas de fraude em 2014 (Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles)

Em entrevista à rádio Itatiaia, o mandatário do país afirmou que um “hacker do bem” fará apresentação à imprensa no Palácio do Planalto com fotografia minuto a minuto.

“Eu só consegui ser eleito porque tive muito voto, se fosse uma votação normal, bigode a bigode, como diz na gíria, a gente teria perdido as eleições. Eu vou comprovar que Aécio Neves ganhou as eleições de 2014”, disse o chefe do Executivo nacional.

Questionado como fará a comprovação, Bolsonaro afirmou: “Com um ‘hacker do bem’, um pessoal que entende de informática e mostrando”.

“Eu vou demonstrar que a fotografia minuto a minuto dos votos chegando ao TSE no segundo turno de 2014 dava Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, Aécio, Dilma, até o fim. Sempre com a Dilma com um montante um pouco maior que Aécio, em todas as vezes. Isso é impossível de acontecer.”

Segundo o mandatário, as supostas provas serão encaminhadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para verificação do corregedor da corte.

O próprio PSDB já afastou suspeitas de fraude no pleito daquele ano, mas o presidente da República tem insistido na tese como forma de reforçar a defesa do voto impresso.

PEC do voto impresso
A proposta de emenda à Constituição (PEC) sobre o assunto encontra resistência na Câmara. Na semana passada, para evitar derrota, a base do governo na Câmara conseguiu adiar a votação do parecer do relator da proposição, deputado Filipe Barros (PSL-SP).

O presidente da comissão especial que debate a proposta, Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), convocou nova reunião para 5 de agosto, ou seja, após o recesso parlamentar.

Numa manobra regimental, Martins argumentou que Barros solicitou mais tempo para fazer modificações no texto, a pedido de outros deputados da comissão.

Se aprovada na comissão, a proposta segue para votação no plenário da Câmara. A PEC é de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF) e teve a constitucionalidade aprovada, em dezembro de 2019, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

Por se tratar de uma PEC, o texto precisa do aval de 308 deputados, em dois turnos de votação. Se aprovado, vai para análise dos senadores.

A proposta prevê a inclusão de um artigo na Constituição Federal para que, “na votação e apuração de eleições, plebiscitos e referendos, seja obrigatória a expedição de cédulas físicas, conferíveis pelo eleitor, a serem depositadas em urnas indevassáveis, para fins de auditoria”.

Na noite de segunda-feira (19/7), Bolsonaro admitiu pela primeira vez, que não acredita mais que a PEC do voto impresso será aprovada.

“Eu não acredito mais que passe na Câmara o voto impresso, tá? A gente faz o possível. Vamos ver como é que fica aí”, disse o presidente durante conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada. A declaração foi transmitida por um canal simpatizante ao governo.