1. Editorias
  2. Saúde
  3. Ministério da Saúde libera R$ 247 milhões para programa de apoio a grávidas
Publicidade

Ministério da Saúde libera R$ 247 milhões para programa de apoio a grávidas

A portaria que destina dinheiro para ações nos Estados e cidades foi publicada nesta segunda-feira

O Ministério da Saúde criou um incentivo financeiro de custeio para desenvolver ações estratégicas em apoio à gestação, pré-natal e puerpério (resguardo depois da gravidez) por conta do enfrentamento à covid-19. A portaria que destina R$ 247 milhões para ações nos Estados e cidades foi publicada nesta 2ª feira (19.abr) no Diário Oficial da União. 

Ministério da Saúde libera R$ 247 milhões para programa de apoio a grávidas (Foto:Pixabay)

Entenda as ações estratégicas de apoio a grávidas e puérperas:

  • identificação precoce, monitoramento de gestantes e puérperas com síndrome gripal, respiratória aguda grave ou com suspeita/confirmação de covid-19;
  • qualificação das ações de atenção ao pré-natal, parto e puerpério com todos os pontos da rede de atenção à saúde;
  • suporte ao distanciamento social para gestantes e puérperas que não têm condições para realização de isolamento domiciliar;
  • qualificar as ações de atenção ao pré-natal odontológico realizadas na APS (atenção primária à saúde).

Os incentivos financeiros federais correspondem a uma ajuda diária para suporte ao distanciamento social, além do investimento no Sisab (Sistema Nacional de Informação da Atenção Básica), a eSF (equipe de saúde da família) e eSB (equipe de saúde bucal). Também haverá ajuda a Casa de Gestantes, Bebês e Puérperas.

Os gestores municipais deverão utilizar o incentivo para acomodação, suporte e cuidados seguros às gestantes e puérperas identificadas pelas equipes de saúde, a fim de apoiar ações de distanciamento social e cuidado em ambiente intradomiciliar.

O Ministério da Saúde informou na 6ª feira (16.abr) que estuda incluir todas as mulheres grávidas na campanha de vacinação contra o coronavírus. A ideia ganhou força na pasta por causa de relatos de que a variante de Manaus (P.1) pode afetar mais a saúde das gestantes.

Pelo menos 433 mulheres grávidas e no puerpério morreram de covid-19 de 1º de janeiro a 14 de abril de 2021. Os dados são do painel de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) por covid-19 em gestantes e puérperas, do Ministério da Saúde.

Eis os números detalhados em 2020 e 2021:

2020: o coronavírus infectou 5.101 grávidas, entre as quais 250 morreram. A covid foi mais letal entre as puérperas. Foram 1.944 mulheres em resguardo diagnosticadas. Dessas, 296 não resistiram.
2021: de janeiro a 14 de abril, 2.424 grávidas pegaram covid e 201 morreram. Entre as puérperas, são 1.010 diagnósticos e 232 mortes confirmadas.
Desde o início da pandemia, 979 mulheres grávidas ou de resguardo morreram de covid-19 no Brasil.

O Ministério da Saúde criou um incentivo financeiro de custeio para desenvolver ações estratégicas em apoio à gestação, pré-natal e puerpério (resguardo depois da gravidez) por conta do enfrentamento à covid-19. A portaria que destina R$ 247 milhões para ações nos Estados e cidades foi publicada nesta 2ª feira (19.abr) no Diário Oficial da União. 

Ministério da Saúde libera R$ 247 milhões para programa de apoio a grávidas (Foto:Pixabay)

Entenda as ações estratégicas de apoio a grávidas e puérperas:

  • identificação precoce, monitoramento de gestantes e puérperas com síndrome gripal, respiratória aguda grave ou com suspeita/confirmação de covid-19;
  • qualificação das ações de atenção ao pré-natal, parto e puerpério com todos os pontos da rede de atenção à saúde;
  • suporte ao distanciamento social para gestantes e puérperas que não têm condições para realização de isolamento domiciliar;
  • qualificar as ações de atenção ao pré-natal odontológico realizadas na APS (atenção primária à saúde).

Os incentivos financeiros federais correspondem a uma ajuda diária para suporte ao distanciamento social, além do investimento no Sisab (Sistema Nacional de Informação da Atenção Básica), a eSF (equipe de saúde da família) e eSB (equipe de saúde bucal). Também haverá ajuda a Casa de Gestantes, Bebês e Puérperas.

Os gestores municipais deverão utilizar o incentivo para acomodação, suporte e cuidados seguros às gestantes e puérperas identificadas pelas equipes de saúde, a fim de apoiar ações de distanciamento social e cuidado em ambiente intradomiciliar.

O Ministério da Saúde informou na 6ª feira (16.abr) que estuda incluir todas as mulheres grávidas na campanha de vacinação contra o coronavírus. A ideia ganhou força na pasta por causa de relatos de que a variante de Manaus (P.1) pode afetar mais a saúde das gestantes.

Pelo menos 433 mulheres grávidas e no puerpério morreram de covid-19 de 1º de janeiro a 14 de abril de 2021. Os dados são do painel de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) por covid-19 em gestantes e puérperas, do Ministério da Saúde.

Eis os números detalhados em 2020 e 2021:

2020: o coronavírus infectou 5.101 grávidas, entre as quais 250 morreram. A covid foi mais letal entre as puérperas. Foram 1.944 mulheres em resguardo diagnosticadas. Dessas, 296 não resistiram.
2021: de janeiro a 14 de abril, 2.424 grávidas pegaram covid e 201 morreram. Entre as puérperas, são 1.010 diagnósticos e 232 mortes confirmadas.
Desde o início da pandemia, 979 mulheres grávidas ou de resguardo morreram de covid-19 no Brasil.