1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. O crime terceirizado
Publicidade

O crime terceirizado

Um ônibus foi incendiado em Teresina, na quinta-feira à noite, no residencial Betinho, zona Sul da cidade. Na sexta, em circunstâncias semelhantes, tentou-se atear fogo a um veículo da mesma empresa, a Transcol. A coincidência de ser da mesma empresa e em dois bairros da zona Sul próximos ao complexo penitenciário que reúne três estabelecimentos penais, evidentemente que faz soar uma luz amarela sobre a possibilidade de esses ataques estarem sendo ordenados de dentro das prisões estaduais. O incêndio de ônibus, que causa dano exatamente ao estrato mais pobre da população, tem sido um padrão das ações de bandidos reunidos em organizações criminosas que abriram filiais de Sul a Norte do país, sob a bandeira do PCC e do Comando Vermelho. Atear fogo em ônibus, fazendo tocar o terror na população, em evidente confronto ao estado de direito, é um padrão desses bandidos, que por sua vez conseguiram terceirizar suas atividades criminosas: os ônibus são queimados por jovens, alguns deles menores de idade, devidamente remunerados para o cometimento da delinquência em série. Uma situação que nem o estado nem a sociedade podem tolerar.

Deputado Fábio Macêdo: depois que melou o bico, bateu e ameaçou matar integrante de banda e policial do Piauí, amolece, se diz doente e arrependido (Foto:Polícia Militar)

A soltura do deputado 

O delegado geral de Polícia Civil Luccy Keiko vai determinar investigação para apurar suspeita de que o plantão da Central de Flagrantes teria evitado autuar e prender o deputado estadual maranhense Fábio Macêdo, por pressão política. 

Ameaça de morte 

Macêdo foi preso na madrugada depois de agredir um integrante da banda do Leo Cachorrão, no bar de baladas Bendito, na Zona Leste e, por abuso de autoridade. Na hora em que foi interpelado pelos policiais militares, o deputado chegou a dizer que mandaria matar um deles e, também, o próprio cantor. 

Assista ao vídeo abaixo:

Delegado aliviou? 

Estranhamente, entretanto, o delegado de plantão não autuou o deputado por desacato, que está bem claro no áudio, cuja pena, isoladamente, é de até dois anos, o suficiente para caracterizar a necessidade do inquérito policial.

Dosimetria das penas 

A lesão corporal simples tem pena de até um ano, somada à de ameaça, seis meses, passível de enquadrar como TCO, como fez o plantão, que terminou liberando o deputado. 

Cadê o exame?

Entretanto, por carecer de exame pericial, no integrante da banda, que teria sido atingido por um copo na cara, arremessado por Fábio Macêdo, a lesão pode ser grave, elevando a pena a quatro anos.

Caso de inquérito 

É unânime na doutrina o entendimento de que a lesão corporal é caso de inquérito, não de TCO. 

Pressão

A coluna apurou que choveram telefonemas de poderosos do Maranhão, entre os quais, o presidente da Assembleia Legislativa, durante a madrugada, para autoridades do governo do Piauí. 
Houve pressão até de magistrado do Piaui para que a polícia não prendesse o deputado Fábio Macêdo. 

É doente 

O deputado divulgou nota se dizendo depressivo: “Há anos enfrento problemas de depressão e alcoolismo e no momento da confusão estava sem o controle de minhas faculdades mentais e em estado total de embriaguez”. Ele pede desculpas a quem agrediu. 
Certamente até o próximo porre. 

O documento de posse de Jean foi assinado na manhã dessa sexta-feira (08)

Tour local

Jean Clauscius Souza Machado vem a ser o novo secretário de turismo da cidade de Luís Correia. Ele é filho de Carlitus Machado, que tem uma das melhores barracas de praia da cidade e é também vereador.

Gratificação

Os servidores municipais envolvidos com a ordenação e distribuição das notificações do IPTU, taxa de lixo e taxa de iluminação pública para 2019 vão receber uma “gratificação sazonal”, ou seja, temporária que varia de R$ 1.597,20 a R$ R$ 931,70.

Ping-Pong

Spoiler acadêmico

Os historiador Pedro Thiago Costa Melo compartilha em um grupo de mensagens o resumo de sua dissertação de mestrado em Educação, no qual coloca parte de suas considerações finais. Diante disso, outro historiador, Ferdinand Almeida, doutorando em história, o repreende:

Ferdinand: “Pedro, não se coloca conclusões em um resumo...”
Pedro: “Pode colocar sim, não há nada que diga o contrário”.
Ferdinand: “Pois é, faça aí como quiser. Você está fazendo algo realmente inovador: o spoiler de texto acadêmico”.

Expressas

O gabinete da vice-governadora Regina Sousa tem uma coordenadora de Apoio à População em Situação de Rua. Chama-se Isabel dos Santos Oliveira.

Paulo Ivan Santos, procurador do Estado e ex-secretário de Administração, é o novo secretário de assuntos jurídicos do Tribunal de Justiça.

Dos 13 congressistas do Piauí, não menos que três devem ficar contra a reforma da Previdência.

Um ônibus foi incendiado em Teresina, na quinta-feira à noite, no residencial Betinho, zona Sul da cidade. Na sexta, em circunstâncias semelhantes, tentou-se atear fogo a um veículo da mesma empresa, a Transcol. A coincidência de ser da mesma empresa e em dois bairros da zona Sul próximos ao complexo penitenciário que reúne três estabelecimentos penais, evidentemente que faz soar uma luz amarela sobre a possibilidade de esses ataques estarem sendo ordenados de dentro das prisões estaduais. O incêndio de ônibus, que causa dano exatamente ao estrato mais pobre da população, tem sido um padrão das ações de bandidos reunidos em organizações criminosas que abriram filiais de Sul a Norte do país, sob a bandeira do PCC e do Comando Vermelho. Atear fogo em ônibus, fazendo tocar o terror na população, em evidente confronto ao estado de direito, é um padrão desses bandidos, que por sua vez conseguiram terceirizar suas atividades criminosas: os ônibus são queimados por jovens, alguns deles menores de idade, devidamente remunerados para o cometimento da delinquência em série. Uma situação que nem o estado nem a sociedade podem tolerar.

Deputado Fábio Macêdo: depois que melou o bico, bateu e ameaçou matar integrante de banda e policial do Piauí, amolece, se diz doente e arrependido (Foto:Polícia Militar)

A soltura do deputado 

O delegado geral de Polícia Civil Luccy Keiko vai determinar investigação para apurar suspeita de que o plantão da Central de Flagrantes teria evitado autuar e prender o deputado estadual maranhense Fábio Macêdo, por pressão política. 

Ameaça de morte 

Macêdo foi preso na madrugada depois de agredir um integrante da banda do Leo Cachorrão, no bar de baladas Bendito, na Zona Leste e, por abuso de autoridade. Na hora em que foi interpelado pelos policiais militares, o deputado chegou a dizer que mandaria matar um deles e, também, o próprio cantor. 

Assista ao vídeo abaixo:

Delegado aliviou? 

Estranhamente, entretanto, o delegado de plantão não autuou o deputado por desacato, que está bem claro no áudio, cuja pena, isoladamente, é de até dois anos, o suficiente para caracterizar a necessidade do inquérito policial.

Dosimetria das penas 

A lesão corporal simples tem pena de até um ano, somada à de ameaça, seis meses, passível de enquadrar como TCO, como fez o plantão, que terminou liberando o deputado. 

Cadê o exame?

Entretanto, por carecer de exame pericial, no integrante da banda, que teria sido atingido por um copo na cara, arremessado por Fábio Macêdo, a lesão pode ser grave, elevando a pena a quatro anos.

Caso de inquérito 

É unânime na doutrina o entendimento de que a lesão corporal é caso de inquérito, não de TCO. 

Pressão

A coluna apurou que choveram telefonemas de poderosos do Maranhão, entre os quais, o presidente da Assembleia Legislativa, durante a madrugada, para autoridades do governo do Piauí. 
Houve pressão até de magistrado do Piaui para que a polícia não prendesse o deputado Fábio Macêdo. 

É doente 

O deputado divulgou nota se dizendo depressivo: “Há anos enfrento problemas de depressão e alcoolismo e no momento da confusão estava sem o controle de minhas faculdades mentais e em estado total de embriaguez”. Ele pede desculpas a quem agrediu. 
Certamente até o próximo porre. 

O documento de posse de Jean foi assinado na manhã dessa sexta-feira (08)

Tour local

Jean Clauscius Souza Machado vem a ser o novo secretário de turismo da cidade de Luís Correia. Ele é filho de Carlitus Machado, que tem uma das melhores barracas de praia da cidade e é também vereador.

Gratificação

Os servidores municipais envolvidos com a ordenação e distribuição das notificações do IPTU, taxa de lixo e taxa de iluminação pública para 2019 vão receber uma “gratificação sazonal”, ou seja, temporária que varia de R$ 1.597,20 a R$ R$ 931,70.

Ping-Pong

Spoiler acadêmico

Os historiador Pedro Thiago Costa Melo compartilha em um grupo de mensagens o resumo de sua dissertação de mestrado em Educação, no qual coloca parte de suas considerações finais. Diante disso, outro historiador, Ferdinand Almeida, doutorando em história, o repreende:

Ferdinand: “Pedro, não se coloca conclusões em um resumo...”
Pedro: “Pode colocar sim, não há nada que diga o contrário”.
Ferdinand: “Pois é, faça aí como quiser. Você está fazendo algo realmente inovador: o spoiler de texto acadêmico”.

Expressas

O gabinete da vice-governadora Regina Sousa tem uma coordenadora de Apoio à População em Situação de Rua. Chama-se Isabel dos Santos Oliveira.

Paulo Ivan Santos, procurador do Estado e ex-secretário de Administração, é o novo secretário de assuntos jurídicos do Tribunal de Justiça.

Dos 13 congressistas do Piauí, não menos que três devem ficar contra a reforma da Previdência.

A polícia das águas O poder e suas consequências

Mais lidas desse blog