1. Colunas
  2. Cine Vício
  3. Vingança coreana
Publicidade

Vingança coreana

Me lembrou muito a trilogia da vingança, esse Gosto da Vingança (Coreia do sul, 2005),  que são os seguintes filmes: Oldboy, o mais perfeito deles com trama rocambolesca e um inesquecível duelo de martelos e os menos eficientes mas nem por isso inferiores: Lady Vingança e Mr. Vingança.

Este é mais rasteiro mas nem por isso menos espetacular. Sun-woo (Kim Yeong-cheol) é o braço direito de Kang (Lee Byung-hun), um poderoso chefe da máfia coreana. A sua nova missão é vigiar a jovem namorada de Kang, Hee-soo (Shin Min-ah), para descobrir se ela tem um amante e, se confirmado, assassinar o casal.

Quando ele finalmente encontra a garota com outro homem, ao invés de matá-los, Sun-woo resolve conceder-lhes a oportunidade de a fugir do mafioso, numa atitude inesperada e incoerente com sua reputação de assassino frio. Kang, inconformado com a traição, manda mata-lo, só que o matador resolve encarar o próprio chefe e a sangria corre solta em cenas espetaculares.

Impressionante como as cenas de tiros em câmera lenta resgatadas de Sam Peckimpah (Meu ódio será tua herança, Sob o domínio do medo, Tragam me a cabeça de Alfredo Garcia, Cruz de Ferro)  e por John Woo em 1988 no clássico O Matador ainda dão aula para esse novo cinema coreano, o filme não para e é de uma adrenalina sem fim. Recomendado.

Me lembrou muito a trilogia da vingança, esse Gosto da Vingança (Coreia do sul, 2005),  que são os seguintes filmes: Oldboy, o mais perfeito deles com trama rocambolesca e um inesquecível duelo de martelos e os menos eficientes mas nem por isso inferiores: Lady Vingança e Mr. Vingança.

Este é mais rasteiro mas nem por isso menos espetacular. Sun-woo (Kim Yeong-cheol) é o braço direito de Kang (Lee Byung-hun), um poderoso chefe da máfia coreana. A sua nova missão é vigiar a jovem namorada de Kang, Hee-soo (Shin Min-ah), para descobrir se ela tem um amante e, se confirmado, assassinar o casal.

Quando ele finalmente encontra a garota com outro homem, ao invés de matá-los, Sun-woo resolve conceder-lhes a oportunidade de a fugir do mafioso, numa atitude inesperada e incoerente com sua reputação de assassino frio. Kang, inconformado com a traição, manda mata-lo, só que o matador resolve encarar o próprio chefe e a sangria corre solta em cenas espetaculares.

Impressionante como as cenas de tiros em câmera lenta resgatadas de Sam Peckimpah (Meu ódio será tua herança, Sob o domínio do medo, Tragam me a cabeça de Alfredo Garcia, Cruz de Ferro)  e por John Woo em 1988 no clássico O Matador ainda dão aula para esse novo cinema coreano, o filme não para e é de uma adrenalina sem fim. Recomendado.

Kaluuya brilha em Judas e o Messias Negro Chamado da Floresta é divertido e emocionante